Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Habitantes de Tavira vigiam terrenos mas não conseguem evitar a sua destruição

Portugal

  • 333

Muitos dos proprietários das zonas afetadas pelo incêndio na serra de Tavira estão a vigiar os terrenos para protegê-los do fogo, mas, apesar do esforço, nem sempre conseguem evitar a sua destruição. Mais de metade da freguesia já ardeu

O presidente da junta de freguesia de Cachopo, onde um incêndio está ativo há quase 48 horas, mostrou-se hoje desesperado com o nível de destruição provocado pelo fogo, referindo que 60 por cento da freguesia desapareceu.

"Ardeu a freguesia de uma ponta à outra", disse Sidónio Brazão à agência Lusa.

Sessenta por cento da freguesia, se não for mais, já desapareceu. Tudo, tudo, tudo!", disse, escusando-se a adiantar mais pormenores.

Perto da zona da Picota, José Domingues, de 79 anos, já perdeu algumas árvores de sequeiro [terreno que não é regado] que tinha numas terras na Fornalha, mas, até agora, as hortas têm escapado à destruição.

"Fornalha é que ardeu bastante ontem [quinta-feira] à noite, o que mais perdemos foram árvores de sequeiro, as hortas não arderam e pode ser que se escapem", disse à Lusa.