Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Governo prepara aumento do IRS para devolver subsídios

Portugal

  • 333

O Governo está a preparar uma proposta de aumento de impostos, incluindo o IRS, para compensar devolução parcial de subsídios ao setor público e pensionistas

O Governo está a preparar uma proposta de aumento de impostos, incluindo o IRS, devolução parcial dos subsídios de Natal e de férias retirados ao setor público e pensionistas, anunciou hoje o primeiro-ministro.

Em declarações aos jornalistas, à saída de uma reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, em Lisboa, Passos Coelho afirmou que "o IRS será imposto privilegiado para o fazer", mas adiantou que "a tributação sobre o capital e sobre o património" poderão também "ajudar a fazer esta compensação".

Segundo o primeiro-ministro, esta proposta está a ser trabalhada pelo Governo como alternativa às alterações à Taxa Social Única (TSU), medida que considerou ter sido "mal entendida" e ter visto os seus propósitos "subvertidos". No entanto, Passos Coelho referiu que está ainda em discussão com os parceiros sociais a possibilidade de haver uma "descida seletiva" da TSU, que disse não ser consensual.

O primeiro-ministro anunciou ainda que o Governo procurará um consenso alargado em torno de medidas para promover a competitividade das empresas e o emprego, mas, se isso não for possível, não desistirá delas.

"O Governo comprometeu-se em explorar, nos próximos dias, com os parceiros sociais, medidas que possam de alguma forma apresentar-se como favoráveis ao combate ao desemprego e à melhoria da competitividade das empresas", declarou Pedro Passos Coelho aos jornalistas, à saída de uma reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, em Lisboa.

Segundo o primeiro-ministro, "não foi claro que existisse entre os parceiros sociais um consenso quanto à melhor solução a adotar nesta matéria", havendo "quem pense que uma descida seletiva da Taxa Social Única (TSU) possa ser uma resposta" e "quem entenda que a descida da TSU não é em qualquer circunstância, financiada por que via for, a melhor solução".

UGT: acredita em devolução da "maior parte" dos subsídios

O secretário-geral da UGT, João Proença, disse hoje estar convencido de que o Governo irá devolver a "maior parte" dos subsídios de férias e de Natal aos trabalhadores e pensionistas do Estado a partir de 1 de janeiro.

"Não ficou quantificado [o valor a ser devolvido], mas achamos que vai ser devolvida a maior parte", disse João Proença, que falava à margem da reunião de concertação social, que decorre hoje para discutir alternativas à redução da Taxa Social Única proposta pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho à duas semanas.

João Proença manifestou, no entanto, uma "grande preocupação" em relação ao próximo Orçamento do Estado.

CGTP: "Rejeitamos qualquer medida ou qualquer mexida no IRS"

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, rejeitou hoje "qualquer" mexida nas tabelas de IRS cuja consequência se traduza na redução de salários, quer no setor público, quer no setor privado.

"Nós rejeitamos qualquer medida ou qualquer mexida no IRS que porventura tenha como consequência a redução dos salários, seja do setor privado, seja da administração pública, seja através dos pensionistas do regime geral ou da administração pública", afirmou Arménio Carlos no final da reunião de concertação social.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, anunciou hoje que o Governo está a preparar uma proposta de aumento de impostos, incluindo o IRS, para compensar uma devolução parcial dos subsídios de Natal e de férias retirados ao setor público e pensionistas.

CSP: Governo deve atuar no lado da despesa

O presidente da Confederação de Serviços de Portugal, Luís Reis, defendeu hoje que o Governo deve atuar no lado da despesa pública, já que o aumento de impostos tem um "efeito recessivo" na economia e provoca mais desemprego.

O Governo está a preparar uma proposta de aumento de impostos, incluindo o IRS, para compensar uma devolução parcial dos subsídios de Natal e de férias retirados ao setor público e pensionistas, anunciou hoje o primeiro-ministro.

Em declarações aos jornalistas, à saída de uma reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, em Lisboa, Passos Coelho afirmou que "o IRS será imposto privilegiado para o fazer", mas adiantou que "a tributação sobre o capital e sobre o património" poderão também "ajudar a fazer esta compensação".

CIP: Imposto sobre o tabaco

O Governo acolheu positivamente a proposta apresentada pela Confederação Empresarial de Portugal (CIP) que se destina a aumentar em 30 por cento o preço do tabaco.

"A ideia foi bem acolhida pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e pelo ministro das Finanças, Vitor Gaspar, que prometeram analisar o montante envolvido e os benefícios que daí poderão advir", disse o presidente da CIP, António Saraiva, no final da reunião de concertação social.