Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Como 'o Miguel' se tornou Relvas

Portugal

  • 333

Tudo começou em Tomar. Depois veio Santarém, Lisboa e o País. Esta é a história desconhecida do rapaz sem sono que chegou a ministro e se deslumbrou pelo caminho. VEJA AS FOTOS

Foto de família – Miguel é o rapaz de óculos
1 / 17

Foto de família – Miguel é o rapaz de óculos

COLÉGIO NUNO ÁLVARES, de Tomar - Famoso pelo rigor do ensino e pela disciplina, acolheu Relvas e os dois irmãos em 1974
2 / 17

COLÉGIO NUNO ÁLVARES, de Tomar - Famoso pelo rigor do ensino e pela disciplina, acolheu Relvas e os dois irmãos em 1974

Miguel Relvas - Não foi um aluno brilhante no Colégio Nun’Álvares, de Tomar, mas conseguiu vencer adversidades várias e começou a dar nas vistas na JSD, nos anos 80
3 / 17

Miguel Relvas - Não foi um aluno brilhante no Colégio Nun’Álvares, de Tomar, mas conseguiu vencer adversidades várias e começou a dar nas vistas na JSD, nos anos 80

MILITÂNCIA Miguel Relvas foi diretor do jornal do colégio e escreveu notas biográfi cas sobre Sá Carneiro em boletins da JSD
4 / 17

MILITÂNCIA Miguel Relvas foi diretor do jornal do colégio e escreveu notas biográfi cas sobre Sá Carneiro em boletins da JSD

JOTAS Relvas, no seu tempo de JSD, entre amigos de lutas estudantis e militância política
5 / 17

JOTAS Relvas, no seu tempo de JSD, entre amigos de lutas estudantis e militância política

RELVAS E ELSA Amigos muito chegados desde o colégio, ela reconhece que ele levava a política «mais a sério»
6 / 17

RELVAS E ELSA Amigos muito chegados desde o colégio, ela reconhece que ele levava a política «mais a sério»

FORMIGUINHA Relvas vivia para as reuniões e lutas partidárias. Aqui, com Carlos Coelho, que chegaria a secretário-geral, e Casimiro Serra, da JSD
7 / 17

FORMIGUINHA Relvas vivia para as reuniões e lutas partidárias. Aqui, com Carlos Coelho, que chegaria a secretário-geral, e Casimiro Serra, da JSD

SEM TRAIÇÕES - João Moura, de Ourém, e Relvas, num evento da JSD. «Quando me quiseres criticar, avisa-me», disse-lhe Miguel
8 / 17

SEM TRAIÇÕES - João Moura, de Ourém, e Relvas, num evento da JSD. «Quando me quiseres criticar, avisa-me», disse-lhe Miguel

PODER Desde cedo, Miguel se sentou à mesa do cavaquismo e das fi guras mais infl uentes. Aqui, com Cavaco, Couto dos Santos e Marcelo Rebelo de Sousa
9 / 17

PODER Desde cedo, Miguel se sentou à mesa do cavaquismo e das fi guras mais infl uentes. Aqui, com Cavaco, Couto dos Santos e Marcelo Rebelo de Sousa

COM PEDRO O atual Primeiro -Ministro foi uma aposta pessoal de Relvas desde as «guerras» da JSD com Cavaco
10 / 17

COM PEDRO O atual Primeiro -Ministro foi uma aposta pessoal de Relvas desde as «guerras» da JSD com Cavaco

FIDELIDADES Apoiante de Pedro Pinto, Relvas veria, anos depois, o ex-presidente da JSD entrar-lhe em casa, de manhã, para jogar Football Manager
11 / 17

FIDELIDADES Apoiante de Pedro Pinto, Relvas veria, anos depois, o ex-presidente da JSD entrar-lhe em casa, de manhã, para jogar Football Manager

VÍTIMA? Relvas sempre teve relação próxima com jornalistas. Hoje responsabiliza a Imprensa pelos «casos» em que se vê envolvido
12 / 17

VÍTIMA? Relvas sempre teve relação próxima com jornalistas. Hoje responsabiliza a Imprensa pelos «casos» em que se vê envolvido

MEU BRASIL Jorge Bornhausen, Paulo Elísio e César Maia. Três amigos das suas andanças brasileiras
13 / 17

MEU BRASIL Jorge Bornhausen, Paulo Elísio e César Maia. Três amigos das suas andanças brasileiras

A PERGUNTA Aguentará o Primeiro-Ministro Pedro Passos Coelho sem sacrificar o seu operacional no Governo?
14 / 17

A PERGUNTA Aguentará o Primeiro-Ministro Pedro Passos Coelho sem sacrificar o seu operacional no Governo?

VIAGENS Brasil e Angola têm sido os destinos preferidos de Relvas para contactos políticos e negócios
15 / 17

VIAGENS Brasil e Angola têm sido os destinos preferidos de Relvas para contactos políticos e negócios

IRREPETÍVEL? Passos Coelho e Laura acompanharam Relvas e Paula, a agora ex-mulher do ministro, na última Festa dos Tabuleiros
16 / 17

IRREPETÍVEL? Passos Coelho e Laura acompanharam Relvas e Paula, a agora ex-mulher do ministro, na última Festa dos Tabuleiros

FIRME? Cresce a contestação à continuação de Relvas no Governo, mas os amigos dizem que ele é duro de roer. Será?
17 / 17

FIRME? Cresce a contestação à continuação de Relvas no Governo, mas os amigos dizem que ele é duro de roer. Será?

O telefone toca em Santarém, na casa de Natalina Pintão.

Uma, duas, três e mais vezes. "Está lá? Quem fala?" Jovial, apesar dos 70 anos, a voz feminina espanta-se com o interesse pela sua figura, tantos anos volvidos. A professora de Francês e Português, da qual os jornais do Ribatejo parecem já não guardar sequer fotografias, é quase uma desconhecida, mas ocupou cargos relevantes nos anos oitenta. Primeiro, foi vereadora do PSD no município e acabou deputada no Parlamento, à boleia da primeira maioria absoluta de Cavaco. Diz-se que Miguel Relvas, então secretário-geral da JSD e já influente no partido, deu um jeitinho, tentando agradar ao reduto familiar da rapariga com quem namorava. "Não creio, mas nunca falámos sobre isso. Eu ia em 11º, um lugar não elegível. Alguns candidatos à minha frente foram para o Governo e só assim cheguei lá."

Hoje, Natalina Pintão não é apenas uma ex-militante do PSD desencantada com a política. É a sogra de Miguel Relvas. "Fui", corrige seca, mas educadamente, não querendo ignorar o recente desenlace matrimonial entre o ministro e a sua filha. "Estou zangada e magoada, mas gosto muito dele."

Conheceu-o pelos 18 anos, começara Miguel a namorar Paula, ambos enfarinhados na Jota laranja. "Era um rapaz dinâmico, trabalhador, estimulante, talvez demasiado mexido", admite. Desde cedo, Natalina ficara "parva com a bagagem cultural que ele tinha, dava para vários cursos", reconhece. Já casado, Relvas forrou a casa com livros, "sobretudo ensaio e política. A biblioteca dele era uma coisa! A minha filha já não sabia onde pôr mais volumes". Por vezes, encontravam-se ao fim de semana, na residência do casal, em Lisboa. Lá o apanhou "a fazer trabalhos e a estudar" para as cadeiras da Universidade Lusófona. "Isso vi eu! Não foi o melhor dos genros, mas a licenciatura, só pelo percurso político, já estaria bem entregue." Admira-lhe, de resto, a resistência e o coração capazes de aguentar "jogos e pressões" num País "habituado a dar demasiada importância a doutores e engenheiros". Ter-se-á ele deslumbrado, pelo menos? "Isso. É essa a palavra. Deslumbrou-se. Na política, é preciso haver regras e ele esqueceu-se um bocado das regras." O Miguel de outrora "parecia que ia mudar o mundo", mas transfigurou-se com a passagem dos anos e a sucessão de cargos. "Algo se alterou nele. Mas quem não gosta de se pavonear e ser elogiado?"

Quando eu era pequenino...

Quem conheceu o pai de Miguel Relvas admite que "um valente e sonoro par de tabefes" aplicado pelas suas "poderosas manápulas no rosto insolente do seu pouco responsável filhote" talvez tivesse resolvido o problema a tempo. "Tenho a certeza de que profundamente o desgostariam os sucessivos e infelizes protagonismos do filho primogénito", escreveu, há dias, no blogue A Voz Portalegrense, o antigo professor Martinó Coutinho, conterrâneo de João Miranda Relvas em Portalegre. "É uma metáfora, naturalmente, mas ele resolvia várias coisas à chapada. Era um bocadinho autoritário, mas tinha muita estima por ele", refere à VISÃO.

Alto, corpulento, de voz grossa, o pai do ministro adjunto, falecido há meses, foi dirigente da Mocidade Portuguesa na região, coordenou a página da juventude no jornal A Voz de Portalegre e geriu o Alentejano, emblemático café da cidade, que renovou ao ponto de ali introduzir a então revolucionária máquina de café "cimbalino", assim mesmo, à moda do Porto. A sacudidela nos costumes não ficou por aí. João Relvas "renovou a frasqueira e o serviço de pastelaria", ofereceu "música de dança" às quartas-feiras, recuperou o restaurante no qual José Régio e David Mourão-Ferreira conviveram, criou um serviço postal e montou uma tabacaria, onde uma "empregada simpática" vendia jornais, revistas e livros. Referenciado pela sua "inteligência, firmeza e liderança", João Relvas embeiçou-se por Branca Cassola e com ela casou, unindo duas famílias pertencentes "ao íntimo património" da cidade. Rumaram, depois, para África, onde viveriam grande parte da vida. Ela tornou-se enfermeira, ele foi um quadro superior da Diamang, a Companhia de Diamantes de Angola.

Miguel Relvas quase ia nascendo lá, mas acabou por vir ao mundo a 5 de setembro de 1961, em Lisboa, para que a mãe pudesse beneficiar da inovação do parto sem dor. A epidural, à época ainda não totalmente fiável, deixou mazelas: o bebé Relvas revelou à nascença problemas na visão, que tentou corrigir mais tarde: "As inovações são boas, depois de testadas", referiu, numa entrevista, para justificar o trauma.

O rapaz é o mais velho de três irmãos.

Até aos 13 anos, viveu em Angola com os pais, mas o 25 de abril de 1974 leva-o ao Colégio Nuno Álvares, em Tomar, onde o pai tinha amizades e garantias de sossego nos intervalos das vindas a Portugal para visitar os catraios. O estabelecimento, um dos mais prestigiados do País, "albergava malta do Minho a Timor", segundo antigos alunos. Vasco Pulido Valente estudou lá. Alguns dos principais dirigentes das ex-colónias também. É o caso de Carlos Feijó, atual chefe da Casa Civil do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, com quem o ministro Adjunto se encontra com frequência quando se desloca a Luanda.

O casal Relvas continuaria em Angola por bons anos. Miguel e os irmãos serão alunos internos em Tomar, recebendo o mais velho uma boa mesada do pai para acudir às necessidades. Dele e dos manos. "Era um bocado paizinho, tomava conta dos irmãos, recebia a correspondência paterna", recorda um colega desse tempo. "Mas o Miguel achava que o João e o José lhe deviam obediência. Tinha alguma ascendência sobre eles, claro", recorda um dos primeiros professores de Relvas.

O colégio ganhara fama de corrigir os alunos retorcidos, mas Relvas saíra "bem comportado e responsável", segundo colegas, embora "exibicionista, irrequieto e pouco estudioso", na opinião de docentes que cedo lhe toparam outras ambições. "Andava sempre de volta dos professores, insinuava-se." Caiu no goto de Anselmo Borges, então a dar aulas de Filosofia no Nun'Álvares. A correção, as mesuras e o aproveitamento escolar garantiam-lhe saídas "quando queria", recorda Elsa Mariete, companheira de turma e amiga íntima, durante vários anos. Onde Relvas se metesse "era para fazer bem. Foi diretor do jornal da escola e repreendia-nos quando as coisas não eram feitas como ele queria. Passava a vida a ler jornais e revistas, no Café Santa Íria, levava tudo a sério. Eu não", conta. Nas alturas de borga, Miguel também não se fazia rogado: subia ao palco em sketches teatrais e era ele, quase sempre, o cabecilha de festas e bailaricos, mas sem perder a compostura. "Pense nisto: ele foi interno muito novo, num colégio difícil, onde havia castigos para os prevaricadores. Colegas nossos foram presos ou acabaram nas drogas. Quem resiste a isto sozinho torna-se muito forte", assegura Elsa. Com tal perfil, o jovem apaixonado por romances históricos e policiais conseguiria aproximar-se até da mais improvável das figuras: enquanto faz o 12º ano no liceu de Tomar, numa turma só de raparigas, Miguel dormirá em casa do "Senhor Pinto", a fera dos prefeitos do colégio.

'Os gajos da massa'

No final dos anos 70, as lutas estudantis contra a União dos Estudantes Comunistas (UEC) e a militância na Jota social-democrata não são ainda a via rápida para o sucesso, mas constituem o itinerário central. "Nasceram-lhe os dentes na JSD", recordam. Miguel alinha nas estratégias, é um bom operacional, hábil a dar a volta a adversários. Um deles quis chegar-lhe a roupa ao pêlo, mas dias depois já andavam de abraços. "Não havia gajo melhor do que o Miguel para isso", conta um antigo dirigente laranja de Tomar, conviva de almoços e jantares de intriga, onde Relvas ganharia a fama de "papa-manteigas" por debulhar o pão e as ditas enquanto o diabo esfregava um olho.

Miguel entra nos anos 80 a toda a velocidade. "Ele já tinha algum dinheiro e ia a Lisboa com mais facilidade do que nós, de comboio. Quando queríamos falar de algum assunto com o Pedro Pinto, o líder da JSD dizia: 'Já tratei disso com o Miguel'. Fazia tudo nas nossas costas", recordam. José Pereira da Silva, antigo governador civil de Santarém, militante número dez no distrito, reparou nele, numa assembleia de militantes, na cidade dos templários, "era meio estrábico, foi logo notado". Num ápice, Miguel torna-se imprescindível. "Ligava-me às oito da manhã, era exigente com ele e com os outros. Não deixava que lhe passassem a perna", recorda este ex-dirigente do PSD na região.

Era a época da "geração da Jota deslumbrada com a vida partidária e não com os estudos." No rol, cabem, entre outros, Pedro Pinto, Carlos Coelho, Passos Coelho e Relvas, então mais empenhados em lutar contra o Serviço Militar Obrigatório e o aborto do que marrar nas sebentas. Miguel só não alinhava com a maioria nas questões angolanas: a UNITA tinha força na Jota, mas ele sempre foi apoiante do MPLA. Nunca se sentiu um retornado e dizia-o abertamente. "Já aí, estava um passo à frente. Depois, foi o primeiro de nós a perceber a importância do dinheiro e a juntar-se aos gajos da massa", conta um dirigente.

Anos à frente, Relvas, vice da JSD, passará por cima do secretário-geral da jota e reunirá amiúde com Dias Loureiro, então na secretária-geral do partido, o cargo que sempre representou o cofre do PSD.

Segundo ex-membros da JSD, Abílio Rodrigues, antigo governante de Balsemão, empresário, deputado do partido e dirigente distrital, terá emprestado carros a Relvas, financiado campanhas internas e assegurado "grandes quantias" à organização. "Absurdo! Ajudei-o, mas era mais de levá-lo para Lisboa e trazê-lo", contrapõe o ex-dirigente do Benfica.

Militantes do PSD ainda desconfiaram das intimidades de Miguel com o CDS local. Tudo por causa da amizade com Duarte Nuno de Vasconcelos, vereador centrista na AD que governava a Câmara no início da década de 80. Durante anos, quando se deslocava a Tomar, Relvas ficava em casa de Nuno. No ano passado, na Festa dos Tabuleiros, Pedro Passos Coelho e a esposa também lá dormiram. "O Miguel é um bom e fiel amigo", diz Vasconcelos, que já não reside no concelho. Os dois encontram-se amiúde. Por pouco não se cruzaram nos negócios. Duarte Nuno trabalhou na Prointec, que detinha a Gibb, empresa de consultores de engenharia, gestão e ambiente, onde Miguel também já foi consultor, embora noutra altura. Vasconcelos deixou a Gibb antes de esta ser vendida à Finertec, onde Relvas trabalhou até ir para o Governo. Pelo meio, há investimentos no Brasil e em Angola e clientes como a EDP e a REFER. "Nunca tivemos qualquer relação profissional", refere Duarte Nuno, que estava na fila da frente, a bater palmas a Miguel quando, no ano passado, ele recebeu o prémio Personalidade do Ano, do jornal O Mirante.

Debates ideológicos, questões de fundo, sempre foram areias movediças para Miguel Relvas. A sua praia eram as táticas, as horas ao telefone, contactando com centenas de militantes um a um. A ilustração política de Miguel deve muito aos conselhos distritais que se faziam ao sábado. "Alguns dirigentes discursavam a partir do que tinham lido no Expresso e ele bebeu muito disso", conta João Moura, militante em Ourém e adversário de Relvas em eleições internas. Segundo os amigos, para o ministro é uma dor de alma ver o "seu" semanário fazer manchetes que lhe encravam as ambições. "Teria alguns sábados mais descansados se parasse a privatização da RTP", ironizou, há dias, insinuando a existência de uma campanha do grupo Impresa, de Balsemão, contra si.

A leitura compulsiva, com mais ou menos páginas ou lombadas, nem sempre preveniu deslizes. Em meados dos anos 90, os deputados da Comissão Parlamentar de Juventude, a que Miguel presidia, foram recebidos na cadeia de Coimbra. "Quero agradecer esta oportunidade", começou por dizer Relvas. "É sempre importante conhecer os presos no seu habitat natural."

Talvez esteja aqui, quem sabe, a explicação para a quase mudez dos seus 24 anos de vida parlamentar: durante esse período, Miguel esteve seis anos calado. Fez 16 intervenções e interpelações. Deputados do PSD garantem que alguns dos seus discursos tiveram ghost-writers de peso. O deputado Miguel aparecia, sobretudo, associado à criação de novas freguesias, vilas, cidades e concelhos. Anos volvidos, o dr. Relvas defende um novo desenho do poder local, com menos despesas, lugares e autarquias. Das comissões a que presidiu - Juventude e Obras Públicas - só boas memórias, mesmo entre a oposição: "Queria resolver os problemas de toda a gente. Quando percebia uma gafe, não espetava logo a faca", recorda um socialista. Mário Lino, o ex-ministro de Sócrates, comprovou "o caráter porreiríssimo" das sessões a que foi sujeito, segundo se comentava no seu gabinete. Relvas, entretanto, recusou-se a falar à VISÃO sobre qualquer assunto relacionado com o seu percurso pessoal, profissional e político.

O céu pode esperar?

Os anos passaram com ele sempre à espera do elevador da glória. E a fazer por isso, claro. Empanturrou contactos, fidelidades e ligações em jantares de vitela e carne assada. Nos momentos altos, era dos últimos a deitar-se e dos primeiros a acordar. "Em Tróia, num congresso da JSD, levantou-se cedo e foi bater às portas dos quartos para os delegados irem votar. É persistente e resistente. Um sempre-em-pé", reconhece António Tavares, antigo secretário-geral da JSD e atual provedor da Misericórdia do Porto, que lhe reconhece generosidade. "Uma vez, tive de abandonar uma universidade de verão dos jovens quadros da NATO, em França, com apendicite e, quando cheguei a Lisboa, tinha-o à minha espera para carregar as malas."

Quando é eleito deputado, em 1985, Relvas já era também calejado nas piruetas necessárias. A maioria dos delegados de Tomar entrara no Congresso da Figueira da Foz disposta a apoiar Cavaco Silva. Miguel está com João Salgueiro, mas é mais rápido do que a própria sombra a mudar de lado.

Em Lisboa, começou por viver num quarto, na Avenida 5 de Outubro. "A velha da casa não te atura, temos de te aturar nós!", brincavam os dirigentes da Jota. Depois de casado, irá viver para o Alto dos Moinhos, mas, nos primeiros tempos na capital, Miguel não tem carro, vive sem ostentação e mantém a JSD e o PSD de Santarém sob controlo remoto. Chegará o dia em que exibirá o relógio, os fatos, o automóvel topo de gama e entregará as chaves aos amigos de Tomar "para darem uma volta", "meterem gasolina" ou fazerem de seus motoristas. Neste vai e vem, estabelece relação estreita com jornalistas, para dizer o mínimo. "Alguns eram estagiários, hoje são editores. Nunca conseguíamos falar com ele às horas de fecho dos jornais. Sabia as manchetes todas de véspera ou colocava ele as notícias", recordam dirigentes do PSD.

Ao longo dos anos, Miguel mandará postais de boas festas e cartões de aniversário aos militantes mais anónimos ou de topo. Telefona a confortar os que estão doentes, foram internados ou perderam familiares. É íntimo, "amigo do seu amigo". Hoje, sabe dezenas de contactos na ponta da língua, trata centenas de militantes por tu e mantém o mesmo telemóvel pessoal há anos. "Sei o número dele e não sei o da minha mulher. Tanto atendia o pastor de cabras como o militante ilustre. É o verdadeiro doutor honoris causa da política", conta João Moura, antigo presidente da JSD/Santarém. Um dia, no primeiro dos jantares semanais que manteve com ele, no restaurante O Rafael, ouviu-o, de coração aberto: "Divergências, tudo bem. Traições, não. Se me criticares, só te peço que me avises antes", disse Relvas.

Amigo às cores

Esteve com Fernando Nogueira, andou nervoso com Marcelo Rebelo de Sousa, passou-se para o lado de Durão Barroso, zangou-se e fez as pazes com Santana Lopes. Ignorou Manuela Ferreira Leite, não engole Luís Filipe Menezes, dá-se bem com Marques Mendes e acreditou em Passos Coelho no deserto e levou-o ao poder como se carregasse sozinho o andor.

Da JSD ao partido, do Parlamento ao Governo, a ascensão de Relvas fez-se com um olho em Santarém e outro nas relações úteis. Uma das suas fraquezas é até bem capaz de estar a meio do caminho. "O Miguel será sempre um homem com dificuldades para ser número dois em Roma, pois vê-se sempre como o chefe da guarda pretoriana", caricatura António Tavares, contemporâneo de Relvas na JSD.

A jogar em "casa", o atual ministro foi sempre conciliador. Mas também implacável, se as conveniências o exigissem. O movimento Verdade e Democracia, surgido no interior do PSD/Tomar pela mão de históricos desagradados com a "marca" Relvas, quase o derrubava, mas só beliscou. "Não vale tudo para ganhar eleições", diziam os críticos, enquanto ele, pouco dado a teorias, ia buscar militantes a casa e alugava táxis para os levar às urnas. "Sempre teve o seu Boby e o Tareco. Até ao Diabo dava à volta", ilustra um opositor, recordando a contenda.

Seguiram-se purgas, expulsões, abandonos. Isabel Miliciano, a primeira mulher a enfrentar a sua corte numa lista de oposição na concelhia, também aprendeu a lição, mas de forma mais dura: "Houve promessas de muitas coisas, empregos e sei lá que mais. Até para arranjar vinte nomes para a lista foi até à última", recorda a proprietária d´O Templário, o semanário que resgatou das influências de Miguel. "Quando não der mais, não dá. Mas o jornal morrerá de pé", refere esta antiga vereadora do PSD. "Demiti-me do partido em 2009, saí do rebanho, mas a corrupção é transversal, vai do adro da Igreja até ao topo. As pessoas vendem-se por um litro de alcatrão ou para tapar um buraco à porta", acusa. Miguel só seria apanhado em falso nos anos 90, quando periódicos nacionais e locais falaram do seu envolvimento nas "viagens-fantasma" dos deputados e num suposto esquema de moradas falsas para embolsar o dinheiro das deslocações entre Lisboa e o seu círculo eleitoral. Relvas morava, então, na capital, mas registara, no Parlamento, endereços onde nunca residiu. Um deles era a casa de uma vendedora de fruta no mercado, antiga colega do colégio. "Então tu dás a morada sem a minha autorização?! Nunca pensei que me fizesses uma coisa destas!", atirou-lhe a mulher, numa ação de campanha. Acalmados os ânimos, Miguel encolheu-se: "Desculpa, não era para tua casa, era para a senhora da frente."  

O grande facilitador

Na região, Relvas foi sempre figura de porta aberta, sem sectarismos nem preconceitos. Vários dirigentes e antigos autarcas do PS local apareceram colocados em assessorias e lugares confortáveis do distrito ou do Estado. Convidou um antigo candidato do BE para presidir às comemorações dos 850 anos de Tomar e "desenrascou" a faculdade que a filha de um dirigente do Bloco desejava para prosseguir os estudos. Não gostou de ser desafiado por um candidato do CDS, em Tomar, com interesses em Angola, mas, tempos depois, lá estava ele à espera do amigo em Luanda. "Só deixa de falar com alguém se for malcriado com ele", diz quem lida com Relvas desde miúdo. 

Fernando Patrocínio representa para Tomar "o que Sócrates significou para Atenas". Foi um dos primeiros militantes de extrema-esquerda na região e pediu ajuda ao deputado Relvas na defesa dos trabalhadores da fábrica Mendes Godinho. "Fui ter com ele ao Parlamento e ele abriu-me portas para o Mira Amaral e o Laborinho Lúcio. Encaminhava, pronto. Mas aquilo não dava em nada, a verdade era essa. No fundo, é um cabotino. Sempre se pôs em bicos de pés. Se lhe deram peso foi por causa de alguma equivalência."

Noutras épocas, alargando a sua influência, Miguel "inventou" Mira Amaral para cabeça de lista no distrito, durante três mandatos. O antigo ministro da Indústria de Cavaco viu nele "um elemento ativo, excelente organizador". Depois, os caminhos separaram-se. Mira, contudo, foi andando por ali. Em 2005, a Associação Empresarial de Santarém (NERSANT) contratou a elaboração de plano estratégico para a região ao atual presidente do BIC (ex-BPN), através da Sociedade Portuguesa de Inovação, da qual é administrador, por 110 mil euros. Do plano foi "aprovado praticamente tudo", segundo a associação, e o nome de Miguel nem sequer veio à baila. "Tivemos percursos diferentes e nenhum deve nada ao outro." Com Mira Amaral e Morais Sarmento na assistência, o NERSANT atribuiu a Relvas a medalha de ouro da associação antes de António Campos, cunhado do ministro Adjunto, ocupar a presidência da Comissão Executiva do grémio comercial. Os dois nem sempre estiveram do mesmo lado nas lutas internas do PSD. Campos, antigo deputado e ex-diretor da Segurança Social, é consultor da Santa Casa de Misericórdia de Tomar, cujo provedor é Fernando de Jesus, secretário do presidente da Assembleia Municipal... Miguel Relvas. O cunhado é ainda administrador da Fundação Infante de Sagres, com interesses num Parque de Astronomia e Planetário em Angola.

Figuras com ligação ao PSD nacional não se têm dado mal com Tomar, apesar dos problemas financeiros da autarquia, acentuados ao longo dos anos, na gestão de António Paiva, que abandonaria o município para gerir o QREN da Região Centro. A sociedade de advogados de Nuno Morais Sarmento, ex-ministro de Durão Barroso, elaborou, para o município, o caderno de encargos relativo à venda do Convento de Santa Iría. Em 2008, a Câmara assinou, também, um contrato com a agência Youngnetwork, por serviços de consultoria no valor de 42 mil euros anuais, quando à frente da empresa se encontrava Rui Calafate, adjunto do antigo primeiro-ministro Santana Lopes.

Por estes dias, a imprensa e os meios políticos locais desconfiam da sombra de Relvas numa alegada privatização do Hospital Nossa Senhora da Graça, em Tomar. A população lamenta a perda de qualidade dos serviços, suspeitando-se de interesses alicerçados no facto de a Euromedic, firma da qual o ministro foi consultor, ter adquirido, em julho de 2008, ao médico Correia Leal, a empresa Diamecom, um dos maiores centros de diagnóstico privados da região. "É baixa política", reage Correia Leal, atual diretor clínico da Euromedic e antigo dirigente do Benfica, no tempo de Vale e Azevedo. "Apoio a remodelação, mas porque a gestão do Centro Hospitalar do Médio Tejo é miserável, com laivos de desonestidade", explica. "Conheço Relvas há anos, mas não somos íntimos. Não creio que se meta nestes assuntos." O governante já veio dizer que a reestruturação "é para levar por diante, em nome da racionalização dos meios humanos e materiais". Carlos Carrão, presidente da Câmara de Tomar, eleito pelo PSD e amigo do ministro, reconhece que o hospital "está a ser claramente esvaziado". Há seis meses pediu reuniões urgentes ao Ministério da Saúde. Resposta? "Nem um telefonema. Até falei sobre isto com o Miguel, mas não aconteceu nada." Lamenta-se dos seus primeiros seis meses de presidência, após o fim do "bloco central" que vigorou na autarquia: "O País é um Inferno e o Diabo instalou-se em Tomar."

Por um canudo

Nos últimos 12 anos, Miguel Relvas faltou apenas a duas reuniões da Assembleia Municipal. Gostam do seu estilo, mesmo na oposição, mas o namoro com a terra adotiva já teve melhores dias. "Há muito medíocre com a cabeça de fora, em Tomar", desabafou, numa entrevista à Rádio Hertz, antes das eleições legislativas do ano passado e das esperas e manifs por causa das polémicas das portagens, do hospital e da redução de freguesias. Os "casos" nacionais em que o seu nome apareceu envolvido também não ajudaram. "Não valho nada, mas para o que ele precisar de mim, cá estarei. É uma situação difícil, mas quando o sacrifício ultrapassa o gosto, deve sair-se. E o sacrifício dele é notório", reconhece o autarca Carlos Carrão.

A "novela" da licenciatura ainda ajudou menos. E dura. "Sempre lhe disse: 'Estuda Miguel, estuda, pá!'", recorda o fiel amigo Jorge Catrau, compincha de "jota" e noitadas, que "quase" põe as mãos no fogo pelo ministro. "Ele tem a folha limpa, mas está mexer com muitos interesses." No Ribatejo, o "canudo" de Relvas sempre foi tema requentado. Ou assunto de caricatura, pelo menos desde setembro de 2007. O "Guarda-Rios", pseudónimo do autor de uma coluna, no semanário O Mirante, assinalou, então, o momento Lusófona com pompa, circunstância e... ironia: "Miguel Relvas era acusado de nunca ter trabalhado na vida nem sequer como estudante. E também dizem que se sentia deprimido quando o tratavam por Dr. sem que ele o fosse realmente. A partir de agora, Miguel Relvas já pode ser tratado por Dr. sem que as más -línguas possam acusá-lo de propriedade indevida de um título. É Dr. da mula ruça como o outro é Eng.º de obras acabadas, mas os tempos assim o permitem e até exigem. E muitas vezes aplaudem."