Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Cavaco termina audiências com partidos e começa a receber parceiros sociais

Portugal

  • 333

Marcos Borga

Durante a manhã, o Presidente da República recebe PSD, PS e CDS-PP, depois de, na segunda-feira, ter ouvido PEV, BE e PCP. À tarde, começam as audiências com os pareceiros sociais

Cavaco Silva prossegue esta terça-feira a ronda de audiências na sequência da demissão de Paulo Portas. Depois de na segunda-feira ter recebido em audiência o Partido Ecologista "Os Verdes", o Bloco de Esquerda e o PCP - que defenderam, de forma unânime, que a solução para a crise é a realização de eleições antecipadas -, Cavaco Silva recebe hoje o CDS-PP, às 10:00, seguindo-se o PS, às 11:00, e às 12:00 o PSD.

A delegação do CDS-PP será chefiada pelo líder do partido e ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros demissionário Paulo Portas e integra ainda o vice-presidente Nuno Melo, o líder parlamentar Nuno Magalhães e os dirigentes e ministros Pedro Mota Soares e Assunção Cristas.

O PS não divulgou a composição da sua delegação, mas fonte socialista referiu à Lusa que a mesma será encabeçada pelo líder do partido, António José Seguro.

Já a delegação social-democrata será encabeçada pelo primeiro vice-presidente Jorge Moreira da Silva e pelo secretário-geral Matos Rosa.

À tarde, Cavaco Silva receberá, a partir das 15:15, os líderes da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, da Confederação do Comércio e serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, da Confederação do Turismo Português (CTP), Francisco Calheiros, e da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), João Machado.

Na quarta-feira de manhã, Cavaco Silva recebe os líderes das centrais sindicais, Arménio Carlos (CGTP-IN), e Carlos Silva (UGT).

O líder do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, anunciou no sábado um entendimento político com o CDS-PP liderado por Paulo Portas, proposto para vice-primeiro-ministro com a responsabilidade da coordenação económica, reforma do Estado e ligação à "troika", que, caso a solução seja aceite pelo Presidente da República, se mantém no executivo.