Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Caso da licenciatura obriga Relvas a demitir-se

Portugal

  • 333

A saída do ministro da Presidência terá sido acelerada pelo processo de verificação à sua licenciatura. O ministro Nuno Crato irá mesmo enviar o relatório para o Ministério Público

1 / 9

2 / 9

3 / 9

4 / 9

5 / 9

6 / 9

7 / 9

8 / 9

9 / 9

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, aceitou esta quinta-feira, o pedido de demissão apresentado pelo ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, anunciou o gabinete do chefe do Governo.

"O Gabinete do Primeiro-Ministro informa que o ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, apresentou ao primeiro-ministro o seu pedido de demissão, que foi aceite. Em face desta situação, o primeiro-ministro proporá oportunamente ao Presidente da República a exoneração do ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares e a nomeação do seu substituto", lê-se numa nota à comunicação social.

Na mesma nota, "o primeiro-ministro enaltece a lealdade e a dedicação ao serviço público com que o ministro Miguel Relvas desempenhou as suas funções, bem como o seu valioso contributo para o cumprimento do Programa do Governo numa fase particularmente exigente para o país e para todos os portugueses".

Em causa estará, no entanto, segundo o Expresso, o caso ligado à sua licenciatura, depois de a Inspeção Geral da Educação e Ciência ter ordenado uma verificação aos processos de atribuição de equivalências. Recorde-se que o ministro dos Assuntos Parlamentares tirou o curso em Ciência Política em apenas um ano apenas, tendo recebido, pela sua "experiência profissional", equivalência a 32 das 36 cadeiras da licenciatura. 

Suspeitas de irregularidades

O Ministério da Educação vai enviar para o Ministério Público o relatório da Inspeção-Geral de Educação e Ciência que envolve a licenciatura de Miguel Relvas, para que este decida sobre a "invalidade de um ato de avaliação de um aluno".

Em comunicado, o Ministério da Educação e Ciência refere que, segundo a Inspeção-Geral de Educação e Ciência (IGEC) existe "prova documental de que uma classificação de um aluno não resultou, como devia, da realização de exame escrito".