Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

400 ações contra o Estado para devolução integral dos subsídios de 2012

Portugal

  • 333

O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) interpôs 400 ações administrativas contra o Estado e Regiões Autónomas dos Açores e Madeira, visando o pagamento integral dos subsídios de férias e de Natal de 2012, anunciou esta terça-feira o sindicato

Os processos deram entrada no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa e nos Tribunais Administrativos e Fiscais do Funchal e Ponta Delgada.

"Foram cerca de 400 os associados que mandataram o STE, oriundos de todos os ministérios, de inúmeros institutos públicos, das autarquias locais, de empresas públicas, de estabelecimentos públicos empresariais e das administrações regionais dos Açores e da Madeira", refere o sindicato em comunicado hoje enviado.

De acordo com o STE, a fundamentação jurídica das ações centrou-se na violação do artigo 15º da Lei nº 67/2007, que responsabiliza civilmente o Estado e as Regiões Autónomas pelos "danos anormais causados aos cidadãos por atos que decorrem do exercício da função político-legislativa, praticados pelos respetivos órgãos contra normas constitucionais".

"No caso do corte dos subsídios, pela aprovação da Lei 64-B/2011 (LOE) de cujos artigos 21º e 25º resultou a violação do princípio da igualdade vertido no artigo 13º da Constituição", acrescenta o sindicato.

No início de julho, o Tribunal Constitucional (TC) determinou a inconstitucionalidade da medida decidida pelo atual Governo de suspender o pagamento de subsídios de férias e Natal a funcionários públicos e reformados, invocando questões de equidade.

A decisão do TC, no entanto, só terá efeito no próximo ano, o que significa que os subsídios serão cortados em 2012.

Para 2013, o Governo está ainda a preparar uma forma de substituir o efeito dos cortes, na ordem dos dois mil milhões de euros, depois de ter recuado no agravamento das contribuições pagas pelos trabalhadores à segurança social.

O STE considera ainda que, atendendo à contradição que encerra, o acórdão do Tribunal Constitucional é inconstitucional no segmento da alínea b) da decisão, porquanto viola o nº 4 do artigo 282º da Constituição ao remeter a produção de efeitos para o ano de 2013, sem fundamentação clara, coerente e suficiente.

"O Tribunal Constitucional acabou por dar cobertura legal ao esbulho dos subsídios de férias e de natal proposto pelo Governo, e transformado em Lei pela Assembleia da República", refere o sindicato.

"Os fundamentos invocados para tal cobertura - o interesse público de excecional relevo e o perigo de insolvência do Estado em 2012 -- não convencem ninguém e muito menos os trabalhadores lesados com a medida, já que tal perigo nem sequer foi invocado pelo Governo a quem em primeira linha cabe a defesa do interesse público", acrescenta.