Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Elisa Ferreira fica com a pasta da Coesão e Reformas

Portugal

José Carlos Carvalho

Ursula von der Leyen anunciou o colégio de comissários para os próximos cinco anos. Além dos fundos regionais, a comissária portuguesa terá a seu cargo um novo mecanismo orçamental para a convergência e competitividade e um fundo para a transição energética

Ursula von der Leyen anunciou há composição da Comissão Europeia para os próximos cinco anos e revelou ter atribuído à portuguesa Elisa Ferreira a pasta da Coesão e Reformas. Segundo adianta o Observador, a socialista, ainda vice-governadora do Banco de Portugal, ficará responsável não só pela gestão dos fundos regionais (como o Governo português pretendia), mas também por um novo mecanismo financeiro destinado à convergência e competitividade e por um fundo destinado à transição energética.

Elisa Ferreira, 63 anos, foi ministra dos governos chefiados por António Guterres, com a tutela do Ambiente, entre 1995 e 1999, e depois do Planeamento, entre 1999 e 2002. De 2004 a 2016 foi eurodeputada, tendo adquirido especial protagonismo em dossiês de cariz económico.

O novo colégio de comissários, conhecido esta manhã, em Bruxelas, numa conferência de imprensa conduzida pela presidente alemã, entra em funções a 1 de novembro. Von der Leyen anunciou que o seu executivo comunitário terá oito vice-presidentes (três deles vice-presidentes executivos), tendo frisado também que procurou montar uma equipa equilibrada no que respeita ao género e do ponto de vista geográfico.

Um dos vice-presidentes executivos será o holandês Frans Timmermans (candidato dos socialistas europeus à presidência da Comissão Europeia), que terá a seu cargo o Green New Deal (novo acordo verde) europeu e o dossiê das alterações climáticas. Também entre esses "vices" da ex-ministra da Defesa da Alemanha estará a dinamarquesa Margrethe Vestager (spitzenkandidat da família liberal à Comissão Europeia), que assumirá a tutela da economia digital e ainda o letão Vladis Dombrovskis, que terá a seu cargo a pasta da "economia ao serviço das pessoas".

Entre os nomes propostos pelos estados-membros a Von der Leyen - que terão ainda de superar o crivo do Parlamento Europeu -, existe um equilíbrio nunca visto: 14 homens e 13 mulheres (contando com a própria líder da Comissão). O Reino Unido não indicou qualquer personalidade para o colégio, dado que a saída da União Europeia está apontada para 31 de outubro.

Confira a lista completa de comissários:

Áustria: Johannes Hahn (PPE) - Orçamento e Administração;

Bélgica: Didier Reynders (Renovar) – Justiça;

Bulgária: Mariya Gabriel (PPE) - Inovação e Juventude;

Chipre: Stella Kyriakides (PPE) – Saúde;

Croácia: Dubravka Suica (PPE) – Vice-presidente, Democracia e Demografia ;

Dinamarca: Margrethe Vestager (Renovar) – Vice-presidente executiva, Europa para a Era Digital;

Eslováquia: Maros Sefcovic (S&D) - Vice-presidente, Relações Interinstitucionais;

Eslovénia: Janez Lenarcic (Renovar) - Gestão de Crise;

Espanha: Josep Borrell (S&D) – Vice-presidente, Alto Representante da UE para a Política Externa;

Estónia: Kadri Simson (Renovar) – Energia;

Finlândia: Jutta Urpilainen (S&D) - Parcerias Internacionais;

França: Sylvie Goulard (Renovar) - Mercado Interno;

Grécia: Margaritis Schinas (PPE) – Vice-presidente, Proteção do Estilo de Vida Europeu.

Holanda: Frans Timmermans (S&D) – Vice-presidente executivo, Acordo Verde Europeu e Alterações Climáticas;

Hungria: László Trócsányi (PPE) – Fronteiras externas e Alargamento;

Irlanda: Phil Hogan (PPE) – Comércio;

Itália: Paolo Gentiloni (S&D) -- Assuntos Económicos.

Letónia: Valdis Dombrovskis (PPE) – Vice-presidente executivo, Economia ao Serviço das Pessoas;

Lituânia: Virginijus Sinkevicius (Verdes) - Ambiente e Oceanos;

Luxemburgo: Nicolas Schmit (S&D) – Trabalho;

Malta: Helena Dalli (S&D) – Igualdade;

Polónia: Janusz Wojciechowski (ECR) – Agricultura;

República Checa: Vera Jourova (Renovar) – Vice-presidente, Valores e Transparência;

Roménia: Rovana Plumb (S&D) – Transportes;

Suécia: Ylva Johansson (S&D) – Assuntos Internos.