Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Pedro Silva Pereira eleito vice-presidente do Parlamento Europeu

Portugal

Socialista conseguiu eleição à primeira volta e junta-se a uma lista de outros sete eurodeputados portugueses naquelas funções - entre os quais António Costa. "É um sinal do prestígio de Portugal", diz o eurodeputado

Pedro Silva Pereira foi eleito esta quarta-feira vice-presidente do Parlamento Europeu. O eurodeputado socialista foi o segundo mais votado de entre os 17 nomes sufragados e conseguiu, à primeira volta, alcançar um dos 14 lugares disponíveis.

O ex-ministro da Presidência, número três do PS às europeias de 26 de maio, considera que a sua eleição “valoriza a voz de Portugal” no contexto europeu. “Um português como vice-presidente, e como segundo vice-presidente do Parlamento Europeu, é um sinal do prestígio de Portugal e do papel que desempenha na construção europeia”, disse o socialista aos jornalistas, à porta do hemicilo em Estrasburgo, pouco depois de conhecer os resultados.

A eleição de Silva Pereira acontece horas depois de o italiano David-Maria Sassoli ter sido eleito presidente do Parlamento Europeu e de os chefes de Estado e de Governo europeus terem chegado a acordo para os responsáveis que vão ocupar os lugares de topo na União Europeia nos próximos cinco anos.

No Parlamento Europeu, o acordo dita que Sassoli fica dois anos e meio em funções e que é, depois, substituído pelo alemão Manfred Weber, do Partido Popular Europeu. Mas isso foi o acordo entre os líderes europeus. Tal como outros membros do Parlamento Europeu, que têm insistido na ideia de autonomia de ação deste organismo, Silva Pereira refere-se a um “entendimento político bastante frágil” que ainda poderá ser revisto.

“As negociações” no Conselho Europeu “mostram como precisamos de valorizar a democracias europeia e de reforçar o Parlamento Europeu” para que o voto dos eleitores europeus tenha consequências.

O ex-ministro socialista é o oitavo português a ocupar aquele lugar na hierarquia do Parlamento Europeu. Antes, passaram pela vice-presidência Jacinto Lucas Pires (CDS), António Capucho, José Pacheco Pereira e Rui Amaral (todos PSD), mas também João Cravinho, o atual primeiro-ministro António Costa e Manuel dos Santos (PS).

Pedro Silva Pereira voltou este ano a conquistar um lugar no Parlamento Europeu, depois de ter concorrido em terceiro lugar nas listas do PS, atrás de Pedro Marques e de Maria Manuel Leitão Marques. Durante a campanha, foi uma figura apagada e não teve, sequer, qualquer intervenção públicas nas ações que o partido foi organizando.

Aos jornalistas, o eurodeputado optou por desvalorizar. Diz que se trata de uma “historieta” inventada pela oposição e que esteve sempre no terreno - a questão, justifica, é que a atenção mediática esteve mais focada no líder do PS e menos nos vários membros da lista que o partido escolheu para as eleições europeias.

Com mais votos do que Pedro Silva Pereira foi eleita a irlandesa Mairead McGuiness, do Partido Popular Europeu. O eurodeputado português conseguiu 556 votos, McGuiness chegou aos 618 votos.