Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Presidente da Câmara de Pedrógão Grande admite que podem existir irregularidades

Portugal

Valdemar Alves admitiu esta quarta-feira que podem existir casos de habitações não permanentes reconstruídas com apoios, ponderando avançar com um processo interno. Isto no mesmo dia em que a Polícia Judiciária realizou buscas em Pedrógão Grande

Valdemar Alves, presidente da Câmara de Pedrógão Grande

Valdemar Alves, presidente da Câmara de Pedrógão Grande

Manuel Barros Moura

"Admito que se venha a provar que uma ou outra poderão não ser [de primeira habitação]", disse o autarca, que falou aos jornalistas antes de entrar para a autarquia, onde deverão estar a terminar as buscas da PJ relacionadas com as suspeitas de irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, em junho de 2017.

Valdemar Alves referiu ainda que "poderá haver algumas declarações erradas" nos processos de reconstrução, esperando agora que, com a investigação, fique tudo esclarecido.

"Em boa hora vieram", disse, referindo-se aos inspetores da PJ que fizeram buscas na Câmara Municipal de Pedrógão Grande e na Casa da Cultura do mesmo município.

Em declarações aos jornalistas, o autarca referiu ainda que está a ponderar avançar com um processo interno para averiguar se houve irregularidades administrativas no processo de reconstrução por parte do município.

Apesar de estar "tranquilo" e depositar "total confiança" no ex-vereador Bruno Gomes, que chefiava a equipa, e nos restantes técnicos envolvidos no processo, referiu que está a ponderar avançar com um processo interno.

"Se houver irregularidades que se apontem, aí sim. Confiei nas pessoas, eu não ia ao terreno, se alguém ultrapassou os limites com certeza que tem que ter processo disciplinar", frisou. Sobre se o processo será instaurado apenas depois de o Ministério Público chegar a alguma conclusão, Valdemar Alves referiu que poderá avançar, entretanto, até porque tem sido aconselhado a fazer isso.

"Continuo a acreditar nas casas serem efetivamente de primeira habitação, mas admito que seja surpreendido nos meus inquéritos", disse, referindo que, talvez, vá "matar saudades" e "fazer de investigador" (o autarca é ex-inspetor da PJ). "Chegando a uma certa idade voltamos à idade de putos outra vez e sou um homem que acredita, mas estou a ver que não posso acreditar", frisou, apesar de vincar que continua com "a esperança de que se possa acreditar uns nos outros".

Na segunda-feira, o presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, tinha afirmado que todas as casas reconstruídas são de primeira habitação e que não há nenhuma ilegalidade. Apesar dessas afirmações, admitiu aos jornalistas que não consultou nenhum dos processos de reconstrução: "Eu confio nas pessoas que processaram todos os processos e elaboraram os processos", disse, no final da Assembleia Municipal.

Em causa estão denúncias feitas em duas reportagens, uma da Visão e outra da TVI, que aludiam a situações de compadrio na atribuição de fundos para a reconstrução de habitações. As duas reportagens referiam que casas que não eram de primeira habitação foram contempladas com obras em detrimento de outras mais urgentes e também que casas que não arderam foram reconstruídas com fundos solidários.

A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Ana Abrunhosa, enviou para o Ministério Público 21 processos para análise. Também o autarca já tinha referido que enviou para análise do MP um conjunto de processos, sem especificar quantos.

O grande incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

  • As casas da revolta em Pedrógão Grande 2: O caso de Campelos

    Portugal

    A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

  • As casas da revolta em Pedrógão Grande 3: Um casal, duas moradas

    Portugal

    A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

  • As casas da revolta em Pedrógão Grande 4: O milagre de Vila Facaia

    Portugal

    A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

  • As casas da revolta em Pedrógão Grande 5: A doação da Travessa dos Lopes

    Portugal

    A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

  • As casas da revolta em Pedrógão Grande 6: Sair da casa da mãe

    Portugal

    A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

  • As casas da revolta em Pedrógão Grande 7: Ainda ontem estava em França...

    Portugal

    A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

  • Donativos para Pedrógão Grande: 500 mil euros desviados para obras que não eram urgentes

    Portugal

    Cresce a revolta popular: os esquemas para fintar os regulamentos, com alterações das moradas fiscais posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017, fizeram com que reconstruções de casas que não eram prioritárias fossem tratadas como tal. A CCDR Centro admite que podem ter sido recuperadas habitações que nem tenham ardido, embora o Governo garanta que não recebeu denúncias de irregularidades