Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Donativos para Pedrógão Grande: 500 mil euros desviados para obras que não eram urgentes

Portugal

Diana Tinoco

Cresce a revolta popular: os esquemas para fintar os regulamentos, com alterações das moradas fiscais posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017, fizeram com que reconstruções de casas que não eram prioritárias fossem tratadas como tal. A CCDR Centro admite que podem ter sido recuperadas habitações que nem tenham ardido, embora o Governo garanta que não recebeu denúncias de irregularidades

Em Pedrógão Grande, já são poucos os que tentam domesticar a revolta que há um ano, desde o trágico incêndio que lavrou a 17 de junho de 2017, os vai consumindo por dentro. Ao luto pela morte de 66 pessoas – contabilizando as perdas nos concelhos limítrofes – soma-se agora a indignação provocada pelos trabalhos de reconstrução e acumulam-se as denúncias contra dezenas de vizinhos que terão beneficiado de apoios indevidos.

De acordo com uma investigação da VISÃO, os regulamentos que determinavam quais as casas que seriam recuperadas com maior urgência terão sido contornados com base, essencialmente, num expediente: a alteração das moradas fiscais, já depois da data dos fogos, para que habitações não permanentes fossem tratadas como primeiras casas - mesmo aquelas onde ninguém vivia há anos. Há acusações de favorecimento e compadrio nas instruções dos processos e, no total, cerca de meio milhão de euros terá sido canalizado para situações irregulares. A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, diz que todo o trabalho foi feito com clareza e transparência, mas admite que possam ter sido intervencionados imóveis que até nem tenham ardido. O Governo garante não ter recebido qualquer denúncia e a Câmara Municipal de Pedrógão Grande não quis responder às perguntas.

LEIA TODA A REPORTAGEM E INVESTIGAÇÃO NA VISÃO DESTA SEMANA, QUINTA FEIRA NAS BANCAS

SAIBA COMO ASSINAR A VISÃO