Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Venceu a crise sem "rejeitar a democracia". Os elogios da Human Rights Watch a Portugal

Portugal

Patrícia de Melo Moreira/ Getty Images

A organização internacional considera hoje que Portugal é "um exemplo para a Europa" por ter ultrapassado a crise económica sem "rejeitar as bases da democracia"

"Portugal representa um exemplo para a Europa ao sobrepor-se à crise, mas não houve rejeição das bases da democracia", afirmou o responsável jurídico da organização internacional, Bruno Stagno Ugarte.

Falando em Fafe, onde está a participar na homenagem que o Terra Justa está a fazer àquela organização não-governamental, o dirigente sublinhou que os portugueses se devem sentir orgulhosos pelo caminho que o país seguiu para vencer a crise no contexto dos "compromissos e princípios da União Europeia".

Bruno Stagno Ugarte criticou depois, em contraponto, os caminhos que alguns países, que até nem passaram por uma crise tão grave como em Portugal, estão a seguir, citando os casos da Hungria, República Checa e Polónia, onde, reforçou, "o oportunismo, o populismo e a demagogia estão a destruir a democracia".

Criticou também o "silêncio cúmplice" de várias democracias ocidentais face às violações dos direitos do homem que estão a acontecer em vários pontos do mundo onde há conflitos armados e lembrou que os pequenos e médios países também podem ter, no contexto das Nações Unidas, um papel importante na denúncia de alguns casos, como já tem acontecido, dando os bons exemplos da Holanda, Islândia e Liechtenstein.

Aludiu, ainda, à importância de a opinião pública se envolver nestas questões, procurando influenciar os seus países, num momento em que se observa "tanta desinformação e mentira na estratosfera da Internet".

O dirigente deixou também um elogio a Fafe, cidade que realiza há vários anos um evento internacional sobre recursos humanos.

"Fafe tem um espírito único, com um grande compromisso com a justiça e a paz", afirmou.

Bruno Stagno Ugarte, acompanhado do presidente da Câmara, Raul Cunha, depositou uma mensagem no Mural das Causas, do Terra Justa, como tem acontecido com todos os homenageados do evento desde a sua primeira edição.

Participou também na inauguração da exposição que está patente no arquivo municipal sobre a atividade da Human Rights Watch.

com Lusa