Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Os ministros, secretários de Estado e deputados que pediram bilhetes para os jogos do Benfica

Portugal

JOSÉ MANUEL RIBEIRO/ Getty Images

Miguel Macedo pediu 3 bilhetes para o Benfica-FC Porto; Miguel Relvas 2 para o Benfica-FC Barcelona e o PS solicitou 9 para jogo com o Real Madrid. O deputado do PSD Sérgio Azevedo, que viajou com a Huawei para a China, também pediu para ir a Turim com o clube da Luz. Há ainda pedidos de João Grancho e de António Gameiro. E até um chefe de gabinete preocupado em saber se também teria “acesso à parte da alimentação”

Foi Orlando Dias, secretário do presidente Luís Filipe Vieira, quem passou a mensagem por email, a 10 de Janeiro de 2014. Miguel Macedo, então ministro da Administração Interna, pedira-lhe três convites para o clássico Benfica-FC Porto. Na mensagem enviada para o correio eletrónico de Ana Paula Godinho, responsável pelo Protocolo e pelas Relações Públicas do clube da luz, Orlando Dias deixou o contacto da secretária do governante e acrescentou: “Quer vir à bola. São para ele mesmo.”

Também Miguel Relvas, antigo ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares do governo de Passos Coelho, pediu dois bilhetes de bancada para o Benfica-Barcelona. Não seriam para si, mas para um “seu colaborador”. Porém, o então governante que muitas vezes recebia convites diretos de Luís Filipe Vieira para ir assistir aos jogos no estádio da Luz, dessa vez não teve sorte. Coube a Ana Paula Godinho informar Vítor Sereno, chefe de gabinete de Relvas, que dada “a envergadura” daquele jogo para a Liga dos Campeões, os bilhetes deveriam ter sido pedidos com 72 horas de antecedência.

Manuel Seabra, deputado socialista que foi chefe de gabinete de António Costa na Câmara Municipal de Lisboa, e que morreu em 2014, serviu de intermediário do pedido de nove bilhetes para o jogo dos encarnados com o Real Madrid, no verão de 2012. Num email enviado a João Salgado, secretário-geral do Benfica, Manuel Seabra diz que como lhe falara recebera do PS o pedido de 9 bilhetes para aquela disputa: “Não me parece que sejam necessários lugares de grande destaque. Será, se for possível, o que possível.” Esses bilhetes, acrescentava o deputado do PS, deveriam ficar em nome do então chefe de gabinete de António José Seguro. João Salgado reencaminhou o email para o departamento de Relações Públicas, lembrando que aquele deputado estivera “no jantar com o presidente” e era chefe de gabinete do Presidente da Câmara de Lisboa António Costa.

Do lado do Partido Socialista, também o deputado António Gameiro, então vice-presidente do grupo parlamentar do PS, pediu à administração do Benfica três bilhetes para ir ver o jogo dessa noite de 7 de Abril de 2014 entre o Benfica e o Rio Ave. Caso fosse possível, dizia Gameiro, queria saber onde podiam levantar os bilhetes e qual era “o valor dos mesmos”. Ana Paula Godinho reencaminhou o email para Domingos Soares Oliveira, administrador-executivo da SAD do Benfica, a perguntar se poderiam validar. Não se sabe qual foi a resposta.

Os emails divulgados este domingo pelo blogue “Mercado de Benfica”, e analisados pela VISÃO, revelam que também o ex-vice-presidente do grupo parlamentar do PSD que já tinha sido apanhado na história das viagens pagas à China a convite da Huawei (e divulgada pelo Observador), pediu para ir com o Sport Lisboa e Benfica a Turim para ver o final da Liga Europa entre o Sevilha e o Benfica, que se ia realizar no estádio da Juventus, a 14 de Maio de 2014.

No email enviado a Ana Paula Godinho, a 9 de Maio de 2014, Sérgio Azevedo - que também foi apanhado a passar informações confidenciais ao comentador Pedro Guerra e a outras pessoas ligadas ao Benfica -, diz que Fernando Seara (comentador benfiquista e ex-presidente da Câmara de Sintra) lhe pedira para falar com aquela responsável pelas Relações Públicas do Benfica sobre dois bilhetes para Turim: “Um em meu nome e outro em nome de Francisco Azevedo. (…) Disse-me que também incluía viagem.” No final da mensagem, o deputado pede confirmação do local de recolha e do “valor total a pagar pelos dois”. Não é conhecida a resposta do Benfica.

Não era a primeira vez que Sérgio Azevedo pedia algo aos encarnados. Em Julho de 2012, o deputado do PSD enviou um email diretamente a Rui Gomes da Silva, antigo vice-presidente do Benfica, a dizer que o vinha “aborrecer mais uma vez” porque Jorge Varanda lhe manifestara “alguma vontade em ir ver o SLB contra o Braga”. Nesse sentido, pedia se Rui Gomes da Silva podia arranjar um bilhete para Jorge Varanda e cinco outras pessoas com nomes aparentemente desconhecidos, duas delas crianças. Sérgio Azevedo não estava incluído nessa lista.

No primeiro governo de Passos Coelho, pelo menos dois secretários de Estado adeptos do Benfica fizeram pedidos ao clube da Luz. Quando era secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, João Grancho – que viria a demitir-se do cargo por “imperativos de consciência” após notícia do Público sobre um plágio -, pediu dois convites para um jogo com o Paok de Salónica, que se realizou a 27 de Fevereiro de 2014. Um para si, outro para o filho de dez anos. O Benfica respondeu afirmativamente à solicitação.

Também João Casanova de Almeida, secretário de estado do ensino e da administração escolar desse governo, foi bem sucedido em pelo menos um pedido de convites para jogos no estádio da Luz. Em 2014 pediu à Federação Portuguesa de Futebol quatro bilhetes para o jogo da Taça de Portugal entre o Benfica e o Porto, que se realizava a 16 de Abril. Como a organização do jogo estava a cargo do Benfica, o email foi reencaminhado para Ana Paula Godinho com a informação de que não conseguiriam “retirar dos bilhetes da FPF”. A responsável pelo Protocolo pediu para Domingos Soares Oliveira validar.

Uma das pessoas que mais recorrentemente pedia bilhetes para jogos na Luz, muitas vezes nomeando outros secretários de Estado, adjuntos ou assessores para estarem presentes, era o chefe de gabinete de Emídio Guerreiro, secretário de Estado do Desporto e Juventude do primeiro governo de Passos Coelho. A tal ponto que, em Setembro de 2012, depois de conseguir três convites de bancada para o jogo entre o Benfica e o Barcelona, Diogo Guia mandou perguntar via secretária se haveria “possibilidade de arranjar pelo menos um parque” e se teria acesso “à parte da alimentação”. A responsável pelas Relações Públicas do Benfica respondeu que aqueles lugares não tinham acesso “a catering privado”, mas sempre existiam “bares próximos”.