Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Direção de Cristas eleita com menos de 90% e perde três lugares no Conselho Nacional

Portugal

Marcos Borga

A comissão política da líder do CDS-PP, Assunção Cristas, foi este domingo eleita com 89,2% dos votos, menos do que no último Congresso

A comissão política da líder do CDS-PP, Assunção Cristas, foi este domingo eleita com 89,2% dos votos, menos do que no último Congresso, e perdeu três lugares no Conselho Nacional. Há dois anos, a direção de Assunção Cristas tinha sido eleita com 95,59% dos votos.

A lista da direção ao Conselho Nacional, encabeçada por António Lobo Xavier, conseguiu 51 dos 70 lugares (72,8%), enquanto a lista liderada por Filipe Lobo D' Ávila elegeu 13 conselheiros (18,5%) e a da Tendência Esperança em Movimento (TEM), cujo primeiro nome é Abel Matos Santos, seis (8,5%).

No anterior Congresso, em Gondomar (Porto), havia apenas duas listas concorrentes ao Conselho Nacional: a de Assunção Cristas, que conseguiu 54 lugares (75,48%), e a de Filipe Lobo D'Ávila que alcançou 23,08%, correspondente a 16 lugares, menos três do que elegeu neste Congresso.

O 27.º Congresso do CDS-PP termina hoje com a eleição dos órgãos nacionais, incluindo a direção da presidente do partido, Assunção Cristas, cuja moção global foi aprovada na madrugada de domingo.

Um terço de mulheres na Comissão Executiva

A nova Comissão Executiva do CDS-PP, o núcleo duro da direção, será composta por um terço de mulheres e terá como novidades a médica e deputada Isabel Galriça Neto, a doutoranda Graça Canto Moniz e a professora universitária Raquel Vaz Pinto.

Como vice-presidentes, Assunção Cristas mantém Nuno Melo, Adolfo Mesquita Nunes e Cecília Meireles.

João Rebelo, que será o novo coordenador autárquico, Nuno Magalhães, líder parlamentar, Pedro Morais Soares, secretário-geral, Álvaro Castelo Branco, Domingos Doutel, Filipe Anacoreta Correia e Ana Rita Bessa mantêm-se igualmente na Comissão Executiva.

O antigo líder parlamentar do CDS-PP António Lobo Xavier volta a encabeçar a lista de Assunção Cristas ao Conselho Nacional do partido.

O primeiro dia de trabalhos ficou marcado por uma homenagem ao antigo presidente do CDS Adriano Moreira e pelo anúncio de que o eurodeputado Nuno Melo será o cabeça de lista do partido às eleições europeias do próximo ano.

O posicionamento do CDS-PP foi um dos temas que atravessou muitas das intervenções, com Assunção Cristas a frisar, no seu discurso inicial, que "a doutrina não se proclama", "põe-se em ação" e assegurando que o partido mantém "a democracia-cristã como eixo da roda".

No seu primeiro discurso, Assunção Cristas anunciou ainda que o partido vai, mais uma vez, forçar uma votação no parlamento do Programa de Estabilidade e que o grupo de trabalho que fará o programa eleitoral do partido -- coordenado por Adolfo Mesquita Nunes -- integrará dois independentes, o poeta e ensaísta Pedro Mexia, que é consultor do Presidente da República para a cultura, e Nádia Piazza, da associação das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande.

Filipe Lobo d'Ávila, que tem sido uma das poucas vozes críticas da estratégia da líder, anunciou que irá deixar o parlamento em breve, mas assegurou que não haverá cisões, nem dissidências.

O PSD perpassou também em muitas das intervenções, com a esmagadora maioria dos congressistas a concordarem com a estratégia de Assunção Cristas -- listas próprias nas europeias e legislativas -- e alguns até a apontá-la como a próxima "primeira-ministra".

O presidente do PSD, Rui Rio, vai marcar presença na sessão de encerramento do 27.º Congresso do CDS-PP, tal como Assunção Cristas fez na reunião magna dos sociais-democratas, há três semanas.

O primeiro dia de trabalhos terminou cerca das 04:00, depois de ter sido rejeitado um requerimento para encurtar os trabalhos, com os representantes da Juventude Popular a dominarem as intervenções a partir da meia-noite.

Lusa

  • A oposição (q.b.) que Assunção Cristas vai enfrentar no Congresso

    Portugal

    Assunção Cristas parece ter o partido na mão. Apesar de terem sido apresentadas oito moções de estratégia global, a líder do CDS chega ao Congresso com a certeza de que sairá com o mandato renovado. No entanto, há fações internas que vão aproveitar o conclave para marcar terreno e apontar falhas à estratégia que tem seguido

  • CDS: O mesmo partido, uma nova mensagem

    Portugal

    Depois dos bons resultados autárquicos, Assunção Cristas quer fazer crescer o CDS. Para isso, conta com uma nova estratégia e uma mensagem diferente, que anuncia no 27º congresso, este fim de semana