Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Portugueses poderiam ganhar mais 1890 euros por ano, diz Confederação Europeia de Sindicatos

Portugal

José Carlos Carvalho

Relatório divulgado esta semana pela CES indica que os salários médios em toda a Europa teriam crescido mais se o fator trabalho tivesse mantido o peso que tinha no PIB dos estados-membros no início da década de 1990.

A conclusão é da Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e indica que "o peso dos salários em relação ao PIB [Produto Interno Bruto] está em declínio desde meados da década de 1970" na generalidade dos países da União Europeia. A organização a que estão afetas a CGTP e a UGT sublinha num estudo publicado esta semana que a queda do rácio entre rendimentos do trabalho e o produto de cada estado-membro acentuou-se desde a década de 1990 e dá conta de que se a proporção se tivesse mantido nos últimos cerca de 27 anos cada europeu ganharia em média mais 1.764 euros por ano do que aquilo que aufere atualmente.

O cálculo mostra que apenas 60,5% do PIB é aplicado em salários, o que significa que, em termos brutos, a remuneração dos trabalhadores em Portugal poderia ser 1.890 euros/ano mais alta, se estes equivalessem a 66% do produto nacional, conforme acontecia na médica comunitária no início da década de 1990. A título de exemplo, em Espanha haveria um acréscimo de 2.806 euros, em Itália de 3.354 euros, na Alemanha de 2.169 euros e a maior diferença verificar-se-ia na República Checa, com o aumento médio a atingir os 4.107 euros.

Esther Lynch, secretária confederal da CES, afirma que está em curso "um roubo salarial", uma vez que "os ricos continuam a enriquecer à custa de pessoas que dependem do seu salário para viver". Mas vai mais longe e vinca que "as empresas arrecadam uma maior proporção de receita, como lucros, à custa de salários". Por isso, explica, a Europa "precisa de aumentos salariais para reduzir a desigualdade e para impulsionar o crescimento económico", dado que os "os ricos colocam o dinheiro no banco", ao passo que "os trabalhadores gastam os seus salários em bens e serviços que beneficiam as empresas e que criam empregos".

A resposta para o problema, sustenta Esther Lynch, é de resto similar à que Bruno Teixeira, secretário executivo da UGT, dá à VISÃO. "É preciso reequilibrar a distribuição entre a remuneração do trabalho - porque tem havido um grande desinvestimento no trabalho - e desbloquear a contratação coletiva", aponta o sindicalista.

Bruno Teixeira usa o exemplo dos CTT, empresa que, considera, "se afundou para distribuir dividendos" e avisa que a central sindical liderada por Carlos Silva vai apresentar este relatório da CES na próxima reunião da Comissão Permanente de Concertação Social como "argumento" para mostrar ao Governo e aos representantes das confederações patronais que é necessário alterar as regras do jogo.

Ora, segundo os dados mais atualizados da PORDATA, referentes a 2016, o salário médio em Portugal terá sido de 924,90 euros. Se a esse montante acrescerem os tais 1890 euros brutos anuais (diluídos por 12 vencimentos e dois subsídios e sem que fossem incluídos os respetivos impostos e as contribuições para a Segurança Social), cada português poderia levar para casa qualquer coisa como mais 135 euros/mês.