Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Vaga de frio: Câmara de Lisboa acolhe cães e gatos dos sem-abrigo

Portugal

Desde segunda-feira, o Pavilhão Manuel Castelo Branco, na Graça, tem estado a ser o local de ajuda a pessoas sem casa. Este ano, nenhum sem-abrigo será forçado a escolher entre a assistência por causa das baixas temperaturas e o seu animal de companhia

Octávio Lousada Oliveira

D.R.

Os números ainda são pouco expressivos, mas o primeiro passo está dado. O plano de apoio a sem-abrigo, desenhado pela Câmara Municipal de Lisboa e várias organizações do setor social, para fazer face à vaga de frio que se faz sentir desde o início da semana traz, desta vez, uma novidade: não só as pessoas poderão ser assistidas; também os seus animais de estimação terão novos cuidados.

A descida das temperaturas fez com que fosse acionada a fase amarela do plano de ajuda aos sem-abrigo e, depois de em ocasiões anteriores algumas destas pessoas terem sido forçadas a escolher entre esse apoio ou a companhia do seu cão ou do seu gato, este ano a autarquia apresentou uma novidade, no Pavilhão Manuel Castelo Branco, na Graça.

"Temos percebido noutros anos que em alguns casos houve dificuldades porque as pessoas queriam trazer os animais consigo para estes abrigos improvisados e tiveram dificuldades. Havia uma tensão porque os animais não podiam entrar no pavilhão porque ele não estava preparado para isso", conta, à VISÃO, o vereador com os pelouros da Educação e dos Direitos Sociais, Ricardo Robles.

Para o autarca do Bloco de Esquerda (BE), depois de vários "alertas" de organizações ligadas aos direitos dos animais, era evidente tomar medidas e, com a aproximação da vaga de frio, foram "implementadas boxes com ração para cães e gatos e água" num "espaço onde os animais de companhia pudessem estar", enquanto os respetivos donos estivessem a comer, a fazer a sua higiene, a escolher agasalhos mais quentes ou a fazer a triagem médica. No fundo, explica Robles, "foi juntar as duas valências".

Até à tarde de quarta-feira, revelou o vereador bloquista, tinham chegado ao Pavilhão Manuel Castelo Branco (onde trabalham cerca de 30 técnicos) somente dois animais de estimação, apesar de já terem sido feitos 144 atendimentos de pessoas, servidas 200 refeições quentes e realizadas duas assistências médicas.

A fase amarela deste plano, refira-se, inclui ainda a abertura de estações de Metro de Lisboa (Rossio, Saldanha, Intendente e Oriente) durante a noite, com o apoio no local por parte de várias equipas sociais em articulação com a Câmara de Lisboa. O plano de contingência, adianta Robles, será avaliado "dia-a-dia", prolongando-se "até as temperaturas subirem".