Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Vem aí a Frente Cívica. E é para desassossegar

Portugal

  • 333

Paulo Morais, ex-candidato presidencial, e António Manuel Ribeiro, vocalista do UHF, durante a campanha eleitoral para as Presidenciais 2016

José Caria

É uma espécie de partido que não quer ir a votos. Será lançado em Coimbra, dia 24, e promete incomodar os poderes instalados em defesa da boa gestão dos dinheiros públicos e da cidadania. O que une, entre outros, um ex-candidato presidencial e um vocalista de banda rock?

“Só não está prevista a luta armada. De resto, tudo é possível”.

O ex-candidato presidencial Paulo Morais, 52 anos, já nos habituou a afirmações desassombradas. Tão desassombradas que tem vindo a colecionar processos em tribunal por causa dos seus artigos e intervenções públicas. Da sociedade de advogados Sérvulo Correia a Guilherme Oliveira Martins, passando por Luís Filipe Menezes e o grupo Lena, Paulo Morais tem andado numa roda-viva judicial por causa do que diz e como diz. Queixas? Muitas. Condenações? Zero. Até ver. “Os processos são uma espécie de bullying. Mas preocupa-me, sobretudo, que num concelho ou numa freguesia deste País alguém olhe para estas tentativas de me calarem e deixe de criticar a Câmara ou o provedor da Misericórdia por receio de que lhe aconteça o mesmo”.

Em parte, esse pensamento está na génese da associação Frente Cívica: a necessidade de denunciar os poderes públicos e privados sem temer a mordaça ou a intimidação. Podíamos também ter começado este texto por uma pergunta: o que fazer a mais de 100 mil votos? É esse o número de eleitores que Paulo Morais conquistou no País nas últimas eleições presidenciais. De norte a sul, mais de 2,1 por cento dos votantes deram-lhe uma certeza em relação aos outros: “As pessoas são capazes de nos dizer que é preciso tirar aquela cadeira dali. Mas não se levantam para o fazer”, ilustra, advertindo: “A Frente Cívica não é um projeto unipessoal, longe disso. É uma tentativa de reforçar a democracia participativa e organizar uma consciência cívica do regime. Se não for para incomodar, não vale a pena”, explica este professor universitário, ex-vereador da Câmara do Porto e dirigente da associação Transparência e Integridade.

Espécie de SEDES e MDP

A Frente Cívica vai ser formalmente constituída no dia 24, em Coimbra. Do núcleo duro fazem parte, além do próprio Paulo Morais, o vocalista dos UHF (António Manuel Ribeiro), o presidente da Associação Portuguesa de Direito ao Consumo (Mário Frota) e a dirigente do movimento cívico “Viver o Concelho”, das Caldas da Rainha (Teresa Serrenho), ex-mandatária nacional da candidatura de Paulo Morais.

Durante seis meses, uma comissão instaladora irá dar corpo à associação, eleger órgãos sociais, definir sede e núcleos, áreas de intervenção e financiamentos (em princípio, estes virão de organizações internacionais e só serão aceites pequenos donativos individuais e de entidades públicas). O primeiro documento a apresentar, com diagnóstico e soluções, condição de honra de futuras intervenções, será sobre as Parcerias Público-Privadas (PPP´s). “A Frente Cívica será uma mistura da velha SEDES e do MDP, de boa memória. Mas com uma componente muito interventiva e assertiva sobre as grandes questões de regime e os temas estratégicos”, resume Paulo Morais, avisando: “Quem se meter nisto tem de estar preparado para ser insultado e incomodado. Seremos uma frente de pressão contínua até haver soluções para os problemas”, garante.

Ora, se à boleia disto mil Paulos Morais desabrocharem, os tribunais que se preparem. “Estamos num tempo onde se tenta cercear a liberdade de expressão e intimidar quem quer denunciar os problemas da sua terra ou do País. Não desistir é obrigatório”, desafia o ex-candidato presidencial.