Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Os seis membros da Fundação Soares que aparecem nos Panama Papers

Portugal

José Caria

Três chineses e três portugueses ligados à Fundação Mário Soares surgem relacionados com os Panama Papers. Depois do magnata Ng Lap Seng, agora também mais dois empresários chineses foram citados no escândalo das “offshores”. Quem são os seis?

Os empresários de Macau, Sio Tak Hong e Leong Su Sam são os mais recentes membros da Fundação Mário Soares a surgir ligados aos Panama Papers através da constituição de duas sociedades em paraísos fiscais. Depois do multimilionário Ng Lap Seng, detido nos EUA acusado de branqueamento de capitais e corrupção de altos funcionários da ONU, estes dois cidadãos chineses também integram a instituição liderada pelo antigo Presidente da República.

De acordo com os ficheiros que o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação e a Imprensa têm vindo a divulgar, são seis, até ao momento, as figuras do Conselho Geral da Fundação a aparecerem identificadas nos documentos oriundos da sociedade de advogados Mossack Fonseca, com sede no Panamá. Desde que o escândalo rebentou, e apesar de a propriedade de uma sociedade offshore não ser, à partida, um crime, já vieram a público vários nomes que integram aquele órgão da instituição presidida pelo ex-Presidente da República. O banqueiro Ricardo Salgado e os empresários portugueses Ilídio Pinho e Vasco Pereira Coutinho são os portugueses que o Expresso e a TVI, parceiros do Consórcio, divulgaram.

A VISÃO já tinha também contado a história de Ng Lap Seng.

Quanto a Sio Tak Hong, referenciado na Imprensa de Macau, é também um empresário ligado a diversos interesses imobiliários, sendo um dos representantes da Região Administrativa Especial no Conselho Consultivo do Povo Chinês. O seu nome surge ligado ao polémico empreendimento de luxo previsto para o Alto de Coloane e é diretor do Hotel Fortuna. Quanto a Leong Su Sam, é vice-presidente da Associação Geral do Imobiliário e da Associação Comercial.

Recorde “O Mistério Chinês da Fundação Mário Soares”

  • O mistério chinês da Fundação Mário Soares

    Portugal

    Um multimilionário chinês foi detido nos EUA, acusado de branqueamento de capitais e de corromper um ex-presidente da Assembleia Geral da ONU. Chama-se Lap Seng, tem passaporte português e está ligado à Fundação Mário Soares, onde garantem não saber de quem se trata e como foi lá parar. E se puxarmos as pontas soltas de Macau?

  • Os "precários" da Mossack Fonseca

    Mundo

    Dão a cara por empresas de papel que encobrem fortunas de políticos, criminosos e celebridades. Quem são os ricos mais pobres da sociedade de advogados envolvida nos Panama Papers?

  • O que liga Sócrates aos “Panama Papers”

    Portugal

    A história foi avançada pela VISÃO que chegou quinta-feira às bancas: O Ministério Público defende que 15 milhões do total acumulado por Carlos Santos Silva na Suíça tiveram origem na ES Enterprises, empresa do Grupo Espírito Santo referenciada no escândalo das offshores. E juntou o grupo de Ricardo Salgado à lista de possíveis corruptores de Sócrates, numa investigação que detetou ligações improváveis a um multimilionário cipriota e tem novos mistérios para resolver

  • Fonte dos Panamá Papers quebra o silêncio

    Economia

    “Desigualdade na distribuição da riqueza é a grande questão do nosso tempo”, diz John Doe, nome fictício atribuído à fonte que passou 11,5 milhões de ficheiros provenientes da Mossak Fonseca. Denunciar as falhas e a cumplicidade do sistema, bem como a cobardia política foi o que o levou a divulgar os ficheiros e pede punição aos infratores e imunidade para quem denuncia