Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O mistério chinês da Fundação Mário Soares

Portugal

Brendan McDermid / Reuters

Um multimilionário chinês foi detido nos EUA, acusado de branqueamento de capitais e de corromper um ex-presidente da Assembleia Geral da ONU. Chama-se Lap Seng, tem passaporte português e está ligado à Fundação Mário Soares, onde garantem não saber de quem se trata e como foi lá parar. E se puxarmos as pontas soltas de Macau?

Miguel Carvalho

Miguel Carvalho

Artigo publicado na VISÃO 1206 de 14 de abril

Há um empresário chinês detido nos Estados Unidos, acusado de branqueamento de capitais e corrupção de altos funcionários da ONU, que faz parte da Fundação Mário Soares, mas aparentemente ninguém na instituição sabe de quem se trata e como entrou para os órgãos sociais. A "misteriosa" personagem chama-se Lap Seng. Tem 68 anos e é um magnata da construção civil, imobiliário e turismo, com passaporte português. No conselho geral da fundação, onde os cargos são vitalícios, há mais quatro chineses. O multimilionário Stanley Ho, ligado à exploração do jogo, e o advogado de origem portuguesa Jorge Neto Valente, que dirigiu as candidaturas presidenciais de Soares em Macau, são dois. Leong Su Sang e Sio Tak Hong, desconhecidos empreendedores e sócios de Lap Seng, são os outros dois. O magnata que nasceu pobre já teve, ou tem, negócios com todos.

O conselho geral dá parecer sobre as atividades, o orçamento e elege o conselho fiscal. Criado em 1991 com a aprovação dos estatutos, em escritura pública, dele fazem parte prestigiadas personalidades do País, de várias áreas. Lap Seng também lá está, mas é uma incógnita para a própria fundação. O secretário-geral Carlos Barroso garantiu à VISÃO não saber quem é, como entrou, nem quem o escolheu. Não há registos da presença dele em reuniões, nem de financiamentos em seu nome ou de qualquer empresa associada. O braço-direito de Mário Soares responde pelos 20 anos que já leva na instituição.

"Antes disso, quem generosamente conduziu as coisas para dotar a fundação de meios financeiros foi o comandante Gomes Mota, já falecido.

Mas as contas estão auditadas desde 1992", explica, adiantando: "Muita gente deu contribuições, Stanley Ho foi um deles. Mas os depósitos eram feitos nas contas de Gomes Mota e depois isso transitou para a fundação quando iniciou a sua atividade". O secretário-geral admite que o lugar no conselho geral possa ter sido a contrapartida dada aos "simpáticos contribuintes" da fase inicial.

"Mas, sinceramente, não faço a menor ideia. Gomes Mota infelizmente já não pode falar sobre isso e o doutor Soares não está em condições de se pronunciar", resume Carlos Barroso. Diretora do Colégio Moderno, Isabel Soares, filha do antigo líder do PS e dirigente da fundação nos primórdios, não respondeu às nossas perguntas.

O conselho geral reúne ordinariamente uma vez por ano e as vezes que Soares entender, mas tem funcionado de forma algo irregular. Por um lado, já faleceram alguns membros. Por outro, "é constituído por pessoas muito ocupadas, que muitas vezes faltam e não dizem nada. Toda a gente faz confiança no dr. Soares, estas coisas são assim...", justifica Carlos Barroso.

UM PRESO DE PESO

Se na fundação reina uma aparente falta de informação sobre o empresário chinês, já a sua detenção tem borbulhado na Imprensa internacional.

Também a agência Lusa noticiou, por mais de uma vez, a prisão de Lap Seng nos EUA.

"Estou a saber por si", admitiu Carlos Barroso à VISÃO, por escrito e pelo telefone.

O magnata e um assistente estão detidos desde 19 de setembro. Preparavam-se para sair dos EUA num avião privado quando foram presos.

A Imprensa internacional e os jornais Hoje Macau e Ponto Final, da antiga colónia portuguesa, têm seguido o caso. As autoridades judiciais acusam Lap Seng de mentir quanto ao destino de 4,5 milhões de dólares que terá levado ilegalmente da China para os EUA entre 2013 e 2015. Na versão do empresário, o dinheiro seria destinado a apostas em casinos e à compra de obras de arte, antiguidades e imóveis, mas o assistente, Jeff Ynin, terá admitido que os dólares serviram "para pagar a pessoas por coisas ilegais, entre outras".

A procuradoria-geral de Manhattan, após investigação do FBI, acusou Lap Seng de branqueamento de capitais e participação em subornos destinados a John Ashee, ex-presidente da Assembleia Geral da ONU e a altos quadros das Nações Unidas. Outro dos acusados é Francis Lorenzo, funcionário do magnata de Macau, suspenso do cargo de vice-embaixador permanente da República Dominicana. Todos terão recebido um total de 1,3 milhões de dólares de um grupo de empresários chineses, com Lap Seng à cabeça.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, confessou-se "chocado". O escândalo é considerado o mais grave desde o caso "Petróleo por Alimentos", que envolveu o filho do antecessor Kofi Annan.

Rosto das políticas de desenvolvimento sustentável, Ashee, também detido, terá gasto os alegados subornos na aquisição de casa, na construção de um campo de basquetebol, na compra de um BMW, relógios Rolex, viagens e férias familiares. Em troca, ter-se-ia comprometido a convencer o secretário-geral da ONU a patrocinar, entre outros projetos, a construção de um luxuoso centro de conferências das Nações Unidas em Macau. Parte do investimento viria do grupo empresarial de Lap Seng.

O magnata está em prisão domiciliária num apartamento de luxo, com pulseira eletrónica, tendo pago uma caução de 50 milhões de dólares.

Não pode usar telemóvel, as visitas são revistadas e é vigiado 24 horas por dia por dois seguranças privados, pagos a 200 dólares à hora pelo próprio arguido. Enquanto aguarda julgamento, comprometeu-se a fornecer elementos sobre o seu património, que inclui vários aviões.

Um dos seus advogados é Benjamin Brafman, defensor de celebridades, políticos e alegados membros da máfia. O cantor Michael Jackson e o ex-presidente do FMI, Strauss-Khan, foram dois dos clientes mais mediáticos. Lap Seng diz-se inocente, mas dois dos arguidos admitiram ter colaborado nos supostos esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro. A VISÃO contactou o grupo do empresário em Macau por mail, sem sucesso. Segundo a Imprensa, ele raramente seria visto nas instalações da empresa.

Para a China, a prisão do multimilionário é um problema político. Condecorado diversas vezes, integra o Conselho Eleitoral do Chefe do Executivo, o órgão que escolhe, por sufrágio indireto, o chefe de Governo de Macau. O empresário fez também parte da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, organismo do governo que mantém pontes em Washington.

Para a Fundação Mário Soares, Lap Seng não é um problema. Ainda. "Caso a situação venha a confirmar-se e configure ter existido uma conduta de um conselheiro lesiva para o bom nome da fundação, o assunto será seguramente levado à próxima reunião do conselho geral, órgão que estatutariamente tem competência para o apreciar e tomar uma eventual deliberação de exoneração", garante Carlos Barroso.

O código de conduta interno impõe aos membros dos órgãos sociais padrões de comportamento que contribuam para dar da fundação "um exemplo de integridade, responsabilidade e rigor". É-lhes vedado o exercício de funções ou ações profissionais noutras entidades, cujo objeto social ou atividade possam "colidir com os da fundação" ou sejam "suscetíveis de poderem prejudicar a realização dos seus fins, de afetar o seu bom nome" ou "interferir com o cumprimento dos seus deveres".

O AMIGO DOS CLINTON

Se pensa que só agora Lap Seng deu nas vistas, prepare-se para viajar no tempo. A 6 de agosto de 1999, semanas após a eleição de Soares para o Parlamento Europeu, o semanário O Independente fez capa com "o amigo chinês" da fundação. O título era esse mesmo. E sim, tratava-se de Lap Seng. O empresário estava a ser investigado pelo Senado norte-americano por alegadas contribuições ilegais de milhões de dólares à campanha de reeleição do então presidente Bill Clinton através de testas de ferro.

Lap Seng visitara a Casa Branca uma dezena de vezes e tirara fotografias com o casal Clinton.

No livro Year of the Rat, dois congressistas, Edward Timperlake e William C. Tripllet II descreveram o papel do chinês como angariador de fundos para a campanha. Davam-no próximo das tríades e do aparelho político-militar da China. Para a Imprensa, a origem da sua fortuna era "misteriosa". O diário The New York Times apontava ligações ao crime organizado. O Wall Street Journal reforçava suspeitas de ligações a seitas chinesas e redes de prostituição. Numa das brochuras do Hotel Fortuna, propriedade do empresário, propunha-se aos clientes serviços de "lindas e atraentes hospedeiras da China, Coreia, Singapura, Malásia, Vietname, Indonésia e Birmânia, bem como da Europa e Rússia", que, dizia o folheto, "certamente lhe darão uma inesquecível e excitante noite". À época, o hotel seria frequentado por chefes de seitas e altas patentes do exército chinês.

O visado negou qualquer crime. Mas recusou testemunhar no Senado e esteve indisponível para receber, em Macau, uma delegação da comissão que investigava a proveniência do seu dinheiro e as doações à campanha de Clinton.

A justiça macaense impediu também o acesso às suas contas bancárias. O relatório preliminar do Senado admitia que a origem dos fundos e os objetivos de Lap Seng nos EUA eram "desconhecidos", mas o magnata nunca seria acusado.

O artigo do semanário O Independente era assinado por Paulo Reis, jornalista conhecedor dos meandros de Macau, onde trabalhara. Para ele, Lap Seng era o "exemplo típico do sucesso" no território ao qual chegara em 1979 "com dois mil escudos no bolso", dez euros. Começara por vender roupa barata. Uma década depois, acumulara negócios nas principais cidades chinesas e considerável fortuna.

As fontes portuguesas e "do meio empresarial" de Macau garantiram a Paulo Reis que a ida dele para a Fundação Mário Soares teria sido escolha pessoal do ex-Presidente. O empresário teria também contribuído financeiramente para a instituição, mas o líder histórico do PS não respondeu às perguntas do jornal. "Não me lembro disso", assegura Carlos Barroso à VISÃO. "Não tenho procuração para falar em nome do doutor Soares, mas ouso dizer que nunca teve nem tem 'relações' com o senhor Lap Seng", acrescenta o secretário-geral.

LAP SENG "TÓXICO"

Mostrar quem era Lap Seng foi o que fez Stephen Vickers, antigo chefe do gabinete de informações criminais da polícia de Hong Kong.

A 30 de março de 2010, ele concluiu um relatório confidencial sobre o magnata a partir da sua empresa de investigação privada, a International Risk. A operadora de jogo Las Vegas Sands recorrera a Vickers para avaliar os riscos de participar em negócios com o empresário chinês.

As conclusões do documento de 52 páginas, que a VISÃO leu, eram categóricas: "(...) A reputação de Ng [Lap Seng] e as suas relações são bem mais tóxicas do que as do típico magnata chinês de Macau (...) Associar-se com ele pode representar um grande risco para a reputação", lia-se no relatório que citava fontes de Macau e Hong Kong. Na imprensa, Lap Seng fora considerado um "senhor do crime de Macau". Nascido em 1948 na província de Guangdong, geria, já na década de 1990, trinta subsidiárias do seu grupo, além de mais de cem joint-ventures e outras parcerias.

Havia negócios suspeitos, com polémicas e queixas à mistura, mas nunca foi condenado por qualquer crime.

O relatório faz hoje parte do processo judicial de Lap Seng nos EUA. Nele são referidos os negócios com Stanley Ho e Sio Tak Hong, ambos da Fundação Mário Soares. Stanley Ho foi considerado um dos homens mais ricos da Ásia nas últimas décadas, com diversos interesses em Portugal. Teve o monopólio do jogo em Macau até 2002, um negócio que valia 69,8 milhões de euros anuais à época, segundo o Expresso. Foi parceiro de Lap Seng em vários empreendimentos, além de manterem "uma relação muito boa", lê-se no documento. Em 1999, Lap Seng tornou--se acionista do canal público TDM, de Macau, comprando as posições de Stanley Ho e Edmund Ho, primeiro chefe do Governo após a transferência de soberania. Antes de ser detido, Lap Seng gabava-se da suas ligações à ONU, gostava que lhe chamassem "Buda vivo" e garantia ter "boas relações com as autoridades da República Portuguesa".

"Que me recorde, não conheço o senhor Lap Seng" referiu à VISÃO Carlos Monjardino, presidente da Fundação Oriente, criada com dinheiros de Stanley Ho. O administrador da Fundação Mário Soares não esconde que "alguns membros do conselho geral contribuíram para o fundo inicial", mas adverte: "Se se confirmar uma conduta menos própria de qualquer membro dos órgãos sociais, ele deverá ser substituído das suas funções", assume o antigo governante de Macau no final da década de 1980, nomeado por Soares.

"Se o Monjardino diz que não o conhece está a dizer a verdade, mas fico surpreendido. Nem que fosse por causa da Fundação Oriente pensei que ele conhecia toda a malta da massa", assume Alfredo Barroso. Chefe da Casa Civil da Presidência da República no tempo de Mário Soares em Belém, Barroso é também membro do conselho geral da fundação, mas foi a duas reuniões e nunca mais apareceu. "Já não vou há uns dez anos ou mais. O doutor Soares convidou-me e assinei a ata de constituição da fundação perante o notário, mas, como sabe, desde a última candidatura dele a Belém estamos de relações cortadas...", esclarece. Alfredo Barroso também não viu nem conhece Lap Seng. "Sendochinês, teria reparado.

Mas as reuniões do conselho geral eram muito participadas, isso eram... A seguir havia sempre um almoço, uma coisa simpática. Chegaram a lá estar umas trinta pessoas...".

LAP SENG, NETO VALENTE E COMPANHIA

Neto Valente pode ter sido uma delas. Um dos escritórios do advogado em Macau fica no 2º andar de um edifício na Avenida Doutor Mário Soares, onde se concentram alguns dos maiores negócios do território. A VISÃO tentou ouvi-lo, mas ele não respondeu ao correio eletrónico e às mensagens telefónicas enviadas.

Próximo do PS, o ex-colega de escritório de Jorge Sampaio, Vera Jardim e Castro Caldas em Lisboa, tem fama de pertencer "à elite endinheirada" do território. Dos nascidos em Portugal, é dos mais ricos do território. Gosta de dizer que "Macau é muito pequeno e o dinheiro do jogo dá para tudo". Fluente em mandarim e cantonês, o presidente da Associação de Advogados de Macau esteve mais de 15 anos na Assembleia Legislativa e mereceu distinção rara: foi convidado pelo Governo de Pequim para obter a nacionalidade chinesa, que aceitou. Raptado em 2001, levou um tiro numa perna e foi hospitalizado.

Jorge Sampaio, então Presidente da República, de cuja candidatura o advogado fora mandatário, foi das primeiras pessoas a ligar.

Neto Valente já disse e repetiu, em diferentes ocasiões: é amigo de Mário Soares e do empresário Lap Seng. Há uns meses, a Imprensa macaense quis mesmo saber se o magnata detido nos EUA solicitara os seus serviços no processo, mas o jurista negou, "embora o conheça há muitos anos", assumiu.

São públicas e dilatadas no tempo as parcerias de negócios entre Neto Valente e Lap Seng em Macau, sobretudo ligadas a megaprojetos imobiliários e urbanisticamente polémicos, diga-se. Na sociedade de empreendimentos Nam Van juntaram-se Stanley Ho, Lap Seng, Neto Valente e Sio Tak Hong, todos da Fundação Mário Soares.

O magnata preso nos EUA e Neto Valente são igualmente parceiros no Windsor Arch, onde é administrador William Kuan.

Fixemo-nos nele, por momentos. Empresário do imobiliário, William Kuan é um dos homens mais próximos de Lap Seng. Foi o porta-voz do San Kin Yip, grupo do multimilionário preso, quando, na sequência das investigações da justiça norte-americana, confirmou que a empresa organizou uma conferência do gabinete da ONU para a Cooperação Sul-Sul, em Macau. Kuan foi presidente da assembleia geral de uma sociedade com sede em Lisboa, encerrada em 2007, da qual era administrador Carlos Barroso, da Fundação Mário Soares. A dona era a Iberinveste, outra SGPS, onde Neto Valente e Carlos Barroso eram administradores.

Não se perca no novelo, mas a Iberinveste merece uma ponta à parte. A empresa, que foi dona de outra sociedade financeira em Macau, recebeu créditos do Efisa, banco integrado no BPN em 2002. Neto Valente foi administrador do Efisa e depois no BPN e Carlos Barroso era dos conselhos geral e de fiscalização do banco, tendo saído após a nacionalização, em 2008. Quando o crédito foi concedido à Iberinveste, Neto Valente e Carlos Barroso estavam no Efisa (credores) e eram, em simultâneo, administradores da Iberinveste (devedores).

O Efisa era vocacionado para os mercados de Angola, Moçambique, Índia, Macau, Brasil, entre outros. Segundo revelou Armando Fonseca Pinto, ex-administrador do BPN, ouvido a 5 de março de 2009 na comissão parlamentar de inquérito ao banco, Neto Valente teria sido um entusiasta da criação da sucursal do BPN em Macau: "Eu desaconselhei. Lembro-me de que houve insistências do Dr. Neto Valente, perguntando: então, querem ou não? Mas acho que ficou por ali", afirmou.

Segundo a imprensa, os contribuintes poderão ter de assumir cerca de 80 milhões de euros do "buraco" do Efisa. Quanto à Iberinveste, também já teve melhores dias. Neto Valente e Carlos Barroso saíram há três anos, mas ficou a dívida superior a 3,7 milhões de euros que a Parvalorem reclama nos tribunais, confirmou à VISÃO Francisco Nogueira Leite, presidente da holding estatal que absorveu os ativos tóxicos do BPN.

Em fevereiro, a Parvalorem requereu a insolvência da Iberinveste.

ERA UMA VEZ EM MACAU

Talvez Carlos Barroso e Neto Valente continuem a encontrar-se em Mértola, onde o primeiro é procurador de uma herdade e o segundo tem duas. Além da Fundação Mário Soares, os dois já coincidiram na vida, nos negócios e nas viagens, neste caso através da Azimute, empresa de turismo que fundaram em 1991, já extinta. Neto Valente e Carlos Monjardino também já foram acionistas de uma sociedade de comércio de automóveis em Portimão, em 1990.

Familiar do ex-Presidente da República, Carlos Barroso partilhou negócios com dois dos mais importantes soaristas: Bernardino Gomes, fundador do PS e chefe de gabinete de Soares no Governo, e Menano do Amaral, antigo responsável pelas finanças do partido. Em 1989, Barroso e Bernardino fundaram a Vestingal, sociedade de estudos e investimentos, que já fechou portas.

Com Menano, Carlos Barroso fundou uma empresa de "processamento de dados", também encerrada.

Bernardino e Menano estiveram ligados aos financiamentos do PS, a par de Rui Mateus, autor de Contos Proibidos Memórias de um PS Desconhecido (Dom Quixote). Os três encontraram-se na Emaudio, empresa criada a partir do circulo intimo de Soares e que esteve na raiz do escândalo "Fax de Macau", na década de 1990.

Menano e Mateus foram condenados por tentarem corromper o governador de Macau, mas nunca cumpriram pena. Soares negou qualquer envolvimento, mas o episódio chamuscou-o, até porque, os poderes de Belém chegavam a Macau.

Mateus, entretanto proscrito e exilado na Suécia, garantiu que os financiamentos de Macau chegaram à Emaudio, à última campanha presidencial de Soares e à instituição que se seguiria: "A Fundação Mário Soares teria, nos anos 90, um património só comparável às fundações Gulbenkian, Oriente e Luso-Americana", justificou.

O próprio Soares confirmou a Maria João Avillez que a fundação começara com cerca de 300 mil contos à época (1,5 milhões de euros) provenientes do saldo positivo da campanha para a sua reeleição. "Muito provavelmente, os tipos que deram dinheiro e deram muito que não foi necessário terão beneficiado disso para depois terem um lugar na fundação", admite Joaquim Vieira, autor da biografia Mário Soares Uma Vida (Esfera dos Livros), editada em 2013.

A fundação teve criação jurídica em 1991, mas só entrou em funcionamento, nas atuais instalações, em 1996, quando Soares saiu de Belém.

Até ali funcionara em casa de Gomes Mota, na Rua do Norte, em Lisboa. Logo no início, Neto Valente, Lap Seng, Stanley Ho e os outros dois sócios chineses do empresário agora detido nos EUA entraram para o conselho geral. "O Neto Valente representava o PS em Macau quando Soares era secretário-geral", continua Joaquim Vieira.

"Conhece tudo sobre Macau e foi um financiador importante do PS. Os fundos eram angariados, sobretudo, junto dos empresários chineses. Ele conhece esses mecanismos todos", adianta o jornalista.

O histórico socialista de Macau, Manuel Geraldes, desconhece contributos de Lap Seng ao partido e recusa conjeturar sobre quem possa tê-lo recomendado para a fundação, mas conhece-o desde 1994, "já ele era um empresário de sucesso". O magnata, a par de outras personalidades, financiou a renovação do edifício-sede do Clube Militar de Macau "com uma significativa contribuição financeira". O ex-dirigente tem "boa opinião" do magnata e realça o "seu notório sucesso empresarial em Macau, designadamente no fomento predial e na hotelaria".

Para Joaquim Vieira, que entrevistou dezenas de familiares e figuras próximas de Soares, o mistério da entrada de Lap Seng para a fundação é incompreensível. "É muito estranho que o Monjardino, sendo administrador, não tenha procurado saber quem era. Algo deve saber, pois conhece toda a evolução de Macau desde que saiu de lá, não é um ingénuo", afirma.

Tal como admitiu o filho João Soares no livro de Vieira, "dos Macaus e essas porcarias", veio dinheiro para pessoas que acabaram por manchar a imagem pública do pai. Mas "a preocupação de Soares, em todas as histórias que conheci dele, sempre foi a de financiar os seus projetos políticos, não a de encher os bolsos", garantiu o jornalista e escritor ao Ponto Final. "Macau foi a parte que pôs Soares aos gritos quando falei com ele", admite à VISÃO. "Insultou toda a gente e disse que o livro seria uma porcaria se falasse dessas coisas", explica Vieira, concretizando: "Ele sempre disse que não ligava a dinheiros, que era totalmente independente, que não se sujeitava a esse tipo de pressões e não queria saber das ligações financeiras. O que se passou em Macau comprova precisamente o contrário", assume.

Aos mistérios desse tempo junta-se agora outro: como e porquê entrou para a fundação um poderoso empresário chinês que supostamente ninguém viu? Continuará por lá, entretanto? "Continua, continua", garante Carlos Barroso. "No meu tempo da Faculdade de Direito ainda havia uma coisa chamada presunção de inocência. Enquanto eu aqui estiver não se apaga nada".