Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O best of de Paulo Portas

Portugal

© Rafael Marchante / Reuters

O ainda líder do CDS-PP em 12 momentos marcantes da sua carreira política

Filipe Luís

Filipe Luís

Editor Executivo

Paulo Portas é, com apenas 53 anos, o líder partidário há mais tempo no poder: 18 anos, com um intervalo de dois anos, entre 2005 e 2007. Daí que não surpreenda a sua declaração, proferida na idade em que, em condições normais, um político atinge o auge da sua maturidade: "Há que dar lugar à nova geração". Este é, em 12 pequenos quadros, um filme possível da sua carreira política.

1 - No princípio era um aperto de mão. 1998

Com um aperto de mão cuidadosamente encenado, numa mensagem de "no hard feelings", Paulo Portas despediu, no congresso do CDS de março de 1998, em Braga, o seu antecessor, Manuel Monteiro. Portas era eleito presidente do partido.

2 - Caso Moderna deixa-o sem "Alternativa". 1999

Pouco tempo depois de ter formado uma coligação com o PSD de Marcelo Rebelo de Sousa, intitulada "Alternativa Democrática", para enfrentar o PS de António Guterres, nas eleições desse ano, Paulo Portas queixou-se, numa entrevista televisiva, da falta de apoio e mesmo de traição por parte do PSD. Como pano de fundo, a sua ligação à Universidade Moderna, instituição cujos dirigentes se viram envolvidos num conjunto de irregularidades e desvio de dinheiros. Marcelo resistia a defender Portas nesse transe - e a Alternativa Democrática morreu ali. Pouco depois, Marcelo demitia-se de líder do PSD.

3 - Chegada ao Poder. 2002

Após a demissão de António Guterres, na sequência da derrota autárquica de 2001, o PSD de Durão Barroso ganhou as legislativas, com maioria relativa. Durão forma uma coligação de Governo com o CDS e Paulo Portas chega ao Governo. E logo como ministro de Estado e da Defesa Nacional...

4 - Valha-me Nossa Senhora. 2003

Em finais de 2002, o super petroleiro Prestige naufraga ao largo da Galiza e o enorme derrame de crude ameaça a costa portuguesa. Mas os movimentos marítimos acabam por afastar a maré negra. Em fevereiro de 2003, numa entrevista à VISÃO, Portas declara-se convencido, na qualidade de crente, que a intervenção de Nossa Senhora foi fundamental para salvar Portugal do desastre ecológico. (A Mãe de Deus só terá sido madrasta para os galegos...)

5 - Ministro do quê?! 2004

Já com Durão Barroso instalado em Bruxelas, como presidente da Comissão Europeia, toma posse, em julho, o Governo de Pedro Santana Lopes. Na "chamada" dos ministros para assinarem o compromisso de honra, na cerimónia pública da posse, Paulo Portas mostra-se estupefacto por ouvir-se nomeado, além de ministro de Estado e da Defesa, também dos "Assuntos do Mar". A coordenação do Governo começava bem...

6 - Love boat. 2004

Em agosto, o navio "Woman on Waves", instrumento do ativismo internacional pela legalização da interrupção voluntária da gravidez, é impedido de atracar em Lisboa por decisão do ministro, lá está, dos "Assuntos do Mar". A bordo seria possível realizar abortos, o que era ilegal em território nacional. A polémica estalou e o próprio primeiro-ministro, Pedro Santana Lopes, que regressava do estrangeiro, foi apanhado de surpresa.

7 - Yellow submarine. 2004-2014

O processo por suspeitas de corrupção, na aquisição, pelo Estado português, e assinada por Paulo Portas, de dois submarinos à empresa alemã Ferrostaal, perseguiu o líder do CDS entre 2004 e dezembro de 2014. Dez anos sob suspeita, agravada pelo facto de ter havido condenações na Alemanha. Em Portugal, o processo acabou por ser arquivado.

8 - Adeus, até ao meu regresso. 2005

Na sequência da derrota eleitoral de 2005, Paulo Portas mostrou-se zangado com o mundo - e com o eleitorado - e bateu com a porta. O que mais lhe custou não foi a maioria absoluta de José Sócrates mas o facto de "a democracia cristã ter, em Portugal, menos votos do que a extrema esquerda», já varrida do resto da Europa Ocidental. O Syriza viria muito mais tarde. Antes disso, Portas regressaria, dois anos depois, para recuperar o seu partido.

9 - Outra vez ministro. 2011

O seu talento político foi decisivo para dar um excelente 3.º lugar ao CDS nas eleições de 2011 e para se tornar num player essencial para as contas da governabilidade. Em nova coligação pós-eleitoral com o PSD, agora liderado por Pedro Passos Coelho, Portas vai sobraçar a pasta dos Negócios Estrangeiros.

10 - Irrevogável, palavra do ano 2013

Foi considerada, por toda a imprensa, a palavra do ano: "irrevogável" foi a expressão que Portas utilizou para definir a sua demissão do Governo, no início de julho de 2013. O líder do CDS não gostou de ser o último a saber que Maria Luís Albuquerque, seu ódio de estimação, iria substituir, nas Finanças, o também demissionário Vítor Gaspar. E quis provocar a rutura. Mas Passos Coelho segurou o leme e recusou a demissão. Com o cargo de vice-primeiro-ministro e uma remodelação mais a contento do CDS, Paulo Portas manteve-se no Governo. A sua demissão irrevogável foi revogada em horas, num lamentável episódio que há de persegui-lo para sempre.

11 - Já são horas! 2013

Em dezembro, já recomposto da demissão irrevogável, Paulo Portas instala, na sede do CDS, no Largo do Caldas, em Lisboa, um relógio em contagem decrescente para a saída da Tróika. O ministro foi sempre uma dor de cabeça para os representantes dos credores e destratou-os continuamente. A História demonstrará que, ao contrário do pressuroso primeiro-ministro e dos dois prestáveis ministros das Finanças da coligação, Portas não foi nem subserviente, nem "bom aluno", nem bem comportado com os homens da Tróika. Chegou a retirar-se de uma reunião com os seus representantes, dizendo que voltava já, para se ausentar para fora de Lisboa, num compromisso partidário onde os criticou severamente. E com eles assistirem à diatribe, em, direto, na televisão!, enquanto esperavam, chateados que nem perús. Voltou muitas horas passadas, depois de os fazer secar, sempre com ar sorridente e descarado. Não foi fácil a vida para Paul Olsen e, depois dele, para Abebe Selassie, os chefes de missão enviados pelo FMI. O episódio do relógio, inaugurado nas suas barbas, foi a cereja no topo do bolo da vingança de Portas contra o "protetorado".

12 - Happy end?, 2015

Apesar de tudo,Paulo Portas retira-se depois de uma vitória eleitoral, em coligação com o PSD. A "vitória de Pirro" foi insuficiente para continuar no Governo e, provavelmente, ser oposição já não lhe dá gozo. Talvez tenha intuído que a direita pode estar mais tempo afastada do Poder do que parecia, à primeira vista. Sobretudo, não tem esperanças no futuro Presidente da República, seja ele qual for... Despediu-se, numa declaração em direto nas TV's, madrugada fora, num último ato dramático. Mas vai andar por aí.

  • Memória: O guerrilheiro da Direita

    Portugal

    Há 20 anos, a VISÃO fez capa com Paulo Portas, então diretor do Independente e guru da nova direita portuguesa. Na altura era nacionalista, anti-Europa e anticavaquista. Releia aqui a história de Paulo Portas, da sua família e do jornal que então dirigia e o que pensava aquele que durante 18 anos dirigiu o CDS-PP