Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Os códigos de Sócrates: garrafas de vinho em envelopes e uma mãe "depenadinha"

Portugal

Jose Carlos Carvalho

Na investigação a José Sócrates, o Ministério Público reuniu indícios de provas forjadas, outras ocultadas, empréstimos sem pagamentos nem "se faz favor", arrendamentos sem pagamento de rendas, e muita linguagem em código. Rara terá sido a conversa que não terminou em dinheiro, apesar de "dinheiro" ser uma palavra proibida nas conversas telefónicas entre os dois amigos.

É um dos principais indícios em que se irá ancorar a acusação contra Sócrates. A disponibilidade de Carlos Santos Silva para responder aos pedidos de ajuda de José Sócrates era tal que terá mesmo ficado conhecido por algumas fontes conhecedoras do processo como "o banco Totta", numa alusão à célebre frase do anúncio: "Se quer dinheiro, vá ao Totta". Apesar dos afazeres diários com as suas empresas, Santos Silva terá mostrado uma disponibilidade acima da média para responder aos pedidos de ajuda telefónicos de José Sócrates. O ex-primeiro-ministro ligaria a pedir ajuda e Santos Silva lá iria a sua casa, na Avenida Braancamp, no centro de Lisboa. Quando estava em viagens de negócios fora do país, o ex-administrador do grupo Lena teria outro aliado para servir de intermediário nas passagens de dinheiro: Inês do Rosário, sua mulher e uma das onze arguidas do processo.

O Ministério Público não tem dúvidas de que era chamado a suportar a maior parte das despesas de José Sócrates; as viagens e as férias de Sócrates e da sua então namorada; encargos da ex-mulher de Sócrates, Sofia Fava, e do seu companheiro; as viagens e os pedidos de ajuda financeira de Sandra Santos, uma amiga de Sócrates de ascendência cabo-verdiana, que vivia na Suíça; e ainda outras quantias para amigos e amigas do ex-primeiro-ministro. O dinheiro de Santos Silva serviria ainda para ajudar Sofia Fava a pagar empréstimos bancários; para pagar imóveis e despesas da mãe de Sócrates; comprar a casa de Paris (cujas obras terão sido decididas por Sócrates); suportar os encargos com o seu motorista; adquirir obras de arte que estariam na casa do ex-primeiro-ministro e comprar os livros que terão permitido catapultar A Confiança no Mundo, primeira obra de Sócrates, para os primeiros lugares dos top's.

A descrição de tudo quanto era suportado por Santos Silva parece exaustiva demais para ser verdadeira mas, de acordo com fontes próximas do processo, será a que resulta da análise dos movimentos bancários e das escutas telefónicas. É precisamente por "bancar" praticamente todas as pessoas do círculo próximo de Sócrates que a investigação alega que aquele dinheiro não é de Santos Silva, mas de Sócrates, sendo o empresário apenas fiel depositário de montantes alegadamente acumulados pelo ex-primeiro-ministro a troco de supostas contrapartidas.

Sócrates nunca terá perguntado se Santos Silva teria disponibilidade financeira para ajudá-lo. Do outro lado da linha, o empresário também nunca terá dito 'não'.

Para o Ministério Público não é razoável que, a ser o dinheiro de Santos Silva, o empresário nunca tivesse colocado um travão aos pedidos de Sócrates. O mesmo entendimento é corroborado por dois juízes da Relação: o argumento da amizade sem limites não só não cola com as regras da experiência como foge às cautelas do "giro negocial entre empresários". Ainda para mais, alegam os desembargadores, se Sócrates não tivesse outro património, como argumenta e repete, a ordem de grandeza das suas despesas transformá-lo-ia rapidamente "num potencial insolvente". Que empresário estaria disposto, por amizade, a chegar à ruína?

As conversas em código

O Ministério Público faz o exercício: vamos supor que o dinheiro é mesmo de Santos Silva. Então por que razão, nas conversas intercetadas, nunca é usada a palavra "dinheiro"? À exceção de Sandra Santos, a amiga da Suíça que pede diretamente dois ou três mil euros quer a Sócrates quer a Santos Silva, todos os que estariam próximos do ex-primeiro-ministro seriam especialistas em pedir "fotocópias", "fotocópias mais miúdas", "documentos", "aquilo", "a coisa", "aquilo de que gosto muito", "o mesmo que da outra vez", "os apontamentos", os "livros do Duda [diminutivo de um dos filhos de Sócrates]". Sandra Santos, a amiga de Sócrates que vivia na Suíça, era descrita pelos amigos como "o senhor s". Nas conversas entre Santos Silva e a mulher, Sócrates seria "o outro" e quando o empresário ia ou vinha da casa do ex-primeiro-ministro as expressões seriam "estou a ir para o Marquês" ou "estou a vir do Marquês". Uma das conversas cifradas que mais terá divertido os investigadores terá sido uma em que Sócrates pedirá a uma amiga chamada Célia para pedir "ao amigo" se não lhe arranjava três ou quatro garrafas de vinho, que ela deveria entregar à empregada da mãe de Sócrates, acondicionadas num envelope com fita-cola.Também a mãe de Sócrates terá sido apanhada como uma das protagonistas destes momentos, ligando ao filho para dizer que estaria "depenadinha". Como o ex-primeiro-ministro não terá percebido à primeira, Adelaide Monteiro terá insistido: "Sem penas, estás a perceber?"

Como Sócrates, Santos Silva, o motorista João Perna e, a dada altura, a mulher de Santos Silva, terão estado sob escuta em simultâneo, e também sob vigilância, a equipa liderada por Rosário Teixeira terá conseguido estabelecer a relação causa-efeito: depois de um telefonema de Sócrates, o amigo costumava ligar para a mulher ou para o gestor de conta a fazer outro pedido. A análise aos movimentos bancários também terá permitido apurar a existência de movimentações logo nos minutos seguintes aos telefonemas do ex-primeiro-ministro. A investigação terá conseguido perceber, por exemplo, que Santos Silva terá emitido um cheque de 15 mil euros a favor do motorista, que por sua vez terá emitido outro do mesmo valor para José Sócrates; ou que a mãe do ex-primeiro-ministro terá transferido cem mil euros para a conta do filho dois dias depois de ter recebido na sua conta dinheiro de Santos Silva. Os levantamentos em dinheiro vivo das contas do empresário, ao que a VISÃO apurou, terão chegado aos 30 mil euros de uma só vez.

Pelos cálculos dos investigadores, o total dos levantamentos em dinheiro que terá terminado nas mãos de Sócrates será superior a 1,2 milhões de euros. A compra da casa de Paris e as obras consequentes terão custado 3,5 milhões. Terão sido detetadas transferências de Santos Silva para Sofia Fava no valor de, pelo menos, 351 mil euros. E os custos com obras de arte terão sido, no mínimo, de 278 mil euros. É como se todos os caminhos fossem dar a euros.

  • Bataglia recebeu mais de 9 milhões do BESA

    Portugal

    Investigação colocou Bataglia e primo de Sócrates sob escuta, analisou dados bancários e os negócios de milhões em Portugal e Angola. Foram apanhados 120 telefonemas e mensagens entre os primos e Santos Silva.

  • Sócrates recebeu dinheiro do amigo quando ainda era primeiro-ministro

    Portugal

    Carlos Santos Silva transferiu 7500 euros para a conta de José Sócrates em 2010. Por essa altura, também já pagaria férias do então primeiro-ministro e daria dinheiro a Sofia Fava, ex-mulher do dirigente socialista. Apesar de Sócrates sempre ter falado da mãe como alguém com património, os investigadores descobriram que Adelaide Monteiro dependia da generosidade do filho - ou do amigo daquele

  • Sócrates pediu cinco empréstimos à CGD

    Portugal

    Sócrates via-se confrontado várias vezes com a informação de que a sua conta bancária na Caixa Geral de Depósitos estava a descoberto. O Ministério Público acredita que, nesses momentos, e para que não entrassem na sua conta quantias em numerário que não poderia justificar, terá recorrido a empréstimos. Sócrates terá ainda exercido influências no Brasil e na Venezuela, tendo mesmo oferecido em troca de um encontro um comentário favorável na RTP

  • Junto de quem movia influências José Sócrates?

    Portugal

    Sócrates continuou a exercer influências mesmo depois de ser primeiro-ministro. Quase sempre visaram favorecer o grupo Lena, mas há ainda muitas dúvidas por esclarecer em relação a Vale do Lobo. Eis os trunfos e as fragilidades da acusação