Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Patrão de Sócrates suspeito de receber 4 milhões a troco de subornos

Portugal

Jose Carlos Carvalho

Lalanda e Castro não é apenas suspeito de ter simulado um contrato laboral para beneficiar Sócrates. Haverá indícios de luvas pagas a entidades líbias

Paulo de Lalanda e Castro, patrão de José Sócrates na Octapharma, caiu de rajada em dois processos judiciais: a Operação Marquês e o caso Vistos Gold. No primeiro é arguido por suspeitas de falsificação, fraude fiscal, corrupção ativa no comércio internacional e branqueamento de capitais. No segundo, foi constituído arguido por suspeitas de prevaricação de titular de cargo político, tráfico de influência e corrupção (também ativa no comércio internacional). Em ambos há uma história comum: a suspeita de subornos na angariação de cidadãos líbios para receberem tratamentos médicos em Portugal.

Lalanda estava debaixo da mira dos investigadores da Operação Marquês devido às viagens que fazia com Sócrates desde que o contratara, no início de 2013, como representante da multinacional farmacêutica Octapharma. Só que a combinação das interceções telefónicas com documentos apreendidos nas buscas e outra documentação fiscal permitiu à investigação chegar mais longe.

Paulo Silva, o inspetor da Autoridade Tributária que divide a investigação com Rosário Teixeira, terá sido o primeiro a encontrar indícios que sustentam para o Ministério Público a tese de que Lalanda e Castro terá aceitado pagar comissões a entidades da Líbia ligadas a responsáveis políticos daquele país a troco da facilitação na obtenção de vistos e da elaboração de relatórios clínicos.

Os pagamentos terão sido alegadamente camuflados sob a forma de comissões pagas a duas entidades - a Altawhed Medical Services e a OLA -, através de contas na Suíça e de outra domiciliada no Liban Foreign Bank. Estaria previsto um pagamento por parte do Estado líbio de 42 mil euros por cada doente que viesse a receber tratamento médico. Os investidores concluiram que, entre Janeiro e Julho de 2014, a Intelligent Life Solutions, empresa de que Lalanda e Castro é sócio-gerente, terá recebido pelo menos 4 milhões de euros.

  • Tudo o que há contra Sócrates

    Portugal

    Na VISÃO desta semana fique a conhecer os trunfos, as provas e as fragilidades da acusação nas 21 954 páginas do processo. CONSULTE A INFOGRAFIA COM O RASTO DOS MILHÕES