Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Suspensa na China construção do edifício mais alto do mundo

Mundo

Reprodução

Poucos dias depois do lançamento da primeira pedra, foram suspensos os trabalhos de construção de um arranha-céus na China, que será o edifício mais alto do mundo 

"Autoridades relevantes" ordenaram a suspensão das obras do Sky City, em Changsha, na província de Hunan, porque "não foram observados os necessários procedimentos com vista à aprovação para iniciar a construção", informa o Xiaoxiang Morning Post, citado pela AFP.

Com 838 metros de altura, o Sky City - que vai superar em apenas dez metros o Burj Khalifa, no Dubai, que detém atualmente o título do edifício mais alto do mundo - deverá estar concluído em somente nove meses, estando a inauguração prevista para maio ou junho de 2014.

A cerimónia de lançamento da primeira pedra decorreu no passado fim de semana, tendo a empresa por detrás do projeto, a Broad Group, indicado pouco depois que as obras de construção levariam apenas quatro meses, uma vez concluídas as fundações.

O calendário de execução contribuiu para engrossar preocupações relativamente à segurança, gerando receios sobre se a terra em torno do local terá capacidade para suportar o tremendo peso da estrutura.

Determinadas aprovações eram necessárias para avaliar a segurança do projeto e o impacto ambiental, indicaram fontes oficiais não identificadas ao jornal Xiaoxiang Morning Post.

Uma porta-voz da Broad Group disse à agência AFP ter todas as licenças.

A empresa - cujo fundador, Zhang Yue, fez uma fortuna a partir de aparelhos de ar condicionado - captou a atenção do mundo, no ano passado, por ter levantado um hotel, de 30 andares, em apenas 15 dias, utilizando unidades prefabricadas que são depois `encaixadas` no local.

A Broad Group pensou recorrer à mesma técnica para erguer o Sky City no final do ano passado, mas os trabalhos de construção sofreram múltiplos atrasos devido aos receios de que os planos eram demasiado ambiciosos.

O Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista chinês, teceu críticas ao arrojado projeto, definindo-o como "uma cega adoração por arranha-céus ultraelevados" no Sina Weibo, o "twitter chinês".

A China detém três dos dez edifícios mais altos do mundo, segundo o grupo Emporis.