Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O mundo vai mesmo acabar... Mas ainda não é hoje

Mundo

  • 333

Profecias à parte, um dia, o mundo vai mesmo acabar. O fim pode vir do espaço, da própria Terra ou até ser causado pelo Homem. Conheça os cenários científicos

Desde o seu aparecimento, há 3,5 mil milhões de anos, a vida na Terra tem sido sucessivamente ameaçada. Nos períodos de extinção em massa, ainda não se sabe bem porquê, desapareceram mais de 75% das espécies que viviam no nosso Planeta. Os dinossauros são apenas as vítimas mais famosas desses períodos em que a Terra se tornou num lugar estranho à vida. Conheça algumas previsões dos cientistas para o fim deste sítio a que chamamos casa.

Impacto de um asteroide:

Há 65 milhões de anos, um asteroide de 10 km de diâmetro atingiu a Terra, perto do Novo México, e acabou com os dinossauros e com mais de metade das espécies que habitavam a Terra. Monica Grady, cientista britânica, especialista em meteoritos, estima que a Terra é atingida por um objeto espacial com mais de seis quilómetros de diâmetro a cada cem milhões de anos. Isto seria suficiente para causar terramotos, tsunamis, escurecer o céu e tornar o planeta num local inóspito e pouco recomendável. Neste momento, os astrónomos vigiam 1 200 objetos celestes, com um risco potencial de atingir a Terra.

Erupção vulcânica:

A caldeira de Yellowstone, o mais antigo Parque Natural americano, tem sido palco de violentíssimas erupções vulcânicas - cada uma mil vezes mais intensa do que o vulcão dos Capelinhos, na ilha do Faial. Nos últimos 2,1 milhões de anos aconteceu três vezes. O último supervulcão explodiu há 640 mil anos, criando a deslumbrante paisagem que atrai milhares de turistas, todos os anos. Pequenas erupções têm continuado a acontecer, desde então. Não se sabe quando voltará a dar-se uma nova mega explosão, que além de poder destruir o continente americano, deixará o ar irrespirável, devido às cinzas, o sol encoberto e os dias transformados num longo inverno vulcânico. 

O fim do Sol:

Investigação recente prevê que a Terra venha a ser engolida pelo Sol. Mas, antes disso, a vida na Terra já se terá tornado insustentável, uma vez que, no seu ciclo de vida de gigante vermelho, o Sol ter-se-á tornado demasiado quente, fervendo toda a água do Planeta, que se escapará para o Espaço. Este fim está previsto para daqui a mil milhões de anos. 

Choque galáctico:

Dados do Telescópio Espacial Hubble permitiram confirmar que a nossa galáxia vai mesmo colidir com a galáxia Andrómeda. O choque está previsto para dentro de 4 mil milhões de anos. O que acontecerá ao Sistema Solar e à Terra em particular ainda é uma incógnita. Mas, nesta altura, tal não será muito relevante, uma vez que a vida na Terra já terá desaparecido por causa do aumento da temperatura causada pelo sobreaquecimento do Sol.

A epidemia incontrolável:

A gripe das aves, a dos porcos, ou a pneumonia atípica foram uma pequena amostra do que uma epidemia mortal e sem tratamento pode fazer da vida humana. Num mundo globalizado, com viagens intercontinentais à velocidade do som e em que o problema da resistência aos antibióticos preocupa cada vez mais os médicos, não está descartada a hipótese de uma epidemia vir a dizimar a nossa espécie.

O Homem:

Ataques com antrax, armas biológicas ou bombas nucleares (as bombas de hidrogénio atuais são 4 400 vezes mais potentes que a de Hiroshima) são apenas algumas da ameaças terroristas, bem reais, nos nossos dias. Sem esquecer a poluição e as alterações climáticas com todo o impacto que podem ter no equilíbrio dos ecossistemas. É caso para dizer que o maior inimigo da vida na Terra pode ser o próprio Homem.