Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Nicolás Maduro decreta 8 de dezembro como "dia da lealdade e do amor" a Hugo Chávez

Mundo

  • 333

Reuters

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, decretou o dia 8 de dezembro como "dia da lealdade e amor" a Hugo Chávez, o seu antecessor, uma iniciativa que procura "honrar" o pensamento e herança do antigo Presidente

O decreto presidencial Nº 451, datado de 4 de novembro de 2013, foi publicado na Gazeta Oficial Nº 40.286, que circulou terça-feira e apela ao povo e às instituições que "honrem com ação e pensamento a herança e o legado universal do máximo líder da revolução bolivariana".

Nicolás Maduro defende, através de decreto que devem ser realizados " atos e eventos comemorativos em todo o território nacional que exaltem o seu pensamento bolivariano, o amor infinito para com o seu povo, a defesa permanente do seu legado e o seu exemplo infinito".

Nascido a 28 de julho de 1954, Hugo Chávez, faleceu a 5 de março de 2013, depois de uma luta de quase dois anos contra um cancro.

A 08 de dezembro de 2012, anunciou ao país que era "absolutamente imprescindível" submeter-se a uma nova intervenção cirúrgica (a quarta) e pediu aos venezuelanos que, no caso de se "apresentar alguma circunstância" que o inabilitasse para continuar à frente da presidência, elegessem a Nicolás Maduro como seu sucessor.

Também para 08 de dezembro estão convocadas eleições municipais na Venezuela.

Além do dia pelo amor a Chavez, Nicolás Maduro propôs também terça-feira a criação de um sistema de museus da revolução bolivariana, centrado nas vidas do libertador Simón Bolívar (militar e político venezuelano), do seu antecessor, Hugo Chávez, e na história dos povos indígenas.

Vicente Díaz, reitor do Conselho Nacional Eleitoral, reagiu ao decreto de criação do "dia da lealdade e do amor" a Hugo Chávez, definindo-o como um "ato de manipulação".

"Isto é um ato de intromissão clara do Poder Executivo com atos em todo o país de celebração, quando se está realizando uma jornada eleitoral", disse.