Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

'Mulher de vermelho' torna-se símbolo dos protestos na Turquia

Mundo

  • 333

As imagens de uma mulher com um vestido vemelho a ser atingida com gás lagrimogéneo por um polícia durante os protestos na Praça Taksim, em Istambul, está a correr mundo através das redes sociais. VEJA AS FOTOS

Chegue atrasado Por duas razões: Em primeiro lugar para evitar ter de fazer sala com aquela colega aborrecida com quem nunca trocou uma palavra e que é sempre a primeira a chegar; E em segundo, porque, assim, quando chegar, todos terão uma desculpa para interromper as conversas de circunstância: "Olha quem chegou!"
1 / 4

Chegue atrasado Por duas razões: Em primeiro lugar para evitar ter de fazer sala com aquela colega aborrecida com quem nunca trocou uma palavra e que é sempre a primeira a chegar; E em segundo, porque, assim, quando chegar, todos terão uma desculpa para interromper as conversas de circunstância: "Olha quem chegou!"

Nunca se ofereça para planear... e muito menos para limpar Os "homens a sério", garante a GQ, deixam os detalhes sujos para os outros, porque estão ocupados a ter ideias fantásticas
2 / 4

Nunca se ofereça para planear... e muito menos para limpar Os "homens a sério", garante a GQ, deixam os detalhes sujos para os outros, porque estão ocupados a ter ideias fantásticas

Leve sempre um acompanhante É a melhor desculpa para ser anti-social
3 / 4

Leve sempre um acompanhante É a melhor desculpa para ser anti-social

Guarde as substâncias ilícitas para quando o patrão estiver a falar Pode querer sair dalí quando estiver a ouvir falar do ótimo desempenho da empresa que em nada reverte para si
4 / 4

Guarde as substâncias ilícitas para quando o patrão estiver a falar Pode querer sair dalí quando estiver a ouvir falar do ótimo desempenho da empresa que em nada reverte para si

As autoridades turcas insistem que só estão a usar gás lacrimogéno como último recurso, mas as imagens da "mulher de vermelho" estão a ser partilhadas nas redes sociais como prova do contrário, já que a "mulher de vermelho" não estava armada.

Na segunda-feira, um professor de Direito Internacional na Universidade de Galatasaray, denunciava que a polícia está a "gasear toda a cidade" de Istambul e "a usar tanto gás lacrimogéneo" para afastar os manifestantes na Praça Taksim que as pessoas "não podem sequer ficar em casa". "As pessoas que vivem nos apartamentos no centro de Istambul não podem sequer ficar nas suas próprias casas, porque, quando abrem as janelas, o gás entra", afirmou.