Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

"Melhor ser ditador do que ser gay", diz presidente da Bielorrússia

Mundo

Alexander Lukashenko

Getty Images

Alexander Lukashenko reagiu intempestivamente, no domingo, às recentes sanções impostas pela UE e às críticas do ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, dizendo que é "melhor ser ditador do que ser homossexual", numa referência à orientação sexual assumida de Guido Westerwelle

Esta não é a primeira vez que a homossexualidade assumida do ministro dos Negócios Estrangeiros alemão é abordada pelo presidente bielorusso. Em 2011,  Lukashenko  aconselhou Guido Westerwelle a "ele deveria levar uma vida normal", um episódio que, mais tarde, o levou a pedir desculpas, embora reconhecendo não "gostar" de homosseuxuais.

Este domingo, o presidente da Bielorrússia reagia às críticas de Westerwelle e do ministro dos Negócios Estrangeiros polaco, Radoslaw Sikorsk. Sem os nomear, Lukashenko disse apenas que "um vive em Varsóvia e o outro em Berlim". "Quanto ao segundo, que estava a gritar sobre uma ditadura... depois de ouvir aquilo, pensei: antes ser ditador que gay".