Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Massacre de mineiros choca África do Sul (FOTOS)

Mundo

  • 333

O massacre de mineiros na África do Sul intensificou a agitação social, forçou o presidente Jacob Zuma a um regresso antecipado de Moçambique, questionou os métodos policiais e alimenta receios quanto aos investimentos na economia 

FALSOS POSITIVOS - Apesar de existir rastreio nacional ao cancro da mama, através de mamografia, alguns estudos internacionais questionam a eficácia deste exame. Baseiam-se nos excessivos falsos positivos e nos diagnósticos desnecessários. Depois de detetar um tumor, a medicina vai sempre atuar como se ele fosse invasivo. E se afinal não for?
1 / 12

FALSOS POSITIVOS - Apesar de existir rastreio nacional ao cancro da mama, através de mamografia, alguns estudos internacionais questionam a eficácia deste exame. Baseiam-se nos excessivos falsos positivos e nos diagnósticos desnecessários. Depois de detetar um tumor, a medicina vai sempre atuar como se ele fosse invasivo. E se afinal não for?

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL - Uma vez encontrado um problema de saúde, a medicina atual dispõe de uma série de exames complementares de diagnóstico - a ressonância magnética é um deles - que ajudam a tratar o mais adequadamente possível os doentes. E com isso contribui para que uma vida, que poderia ser curta, passe a ter mais anos
2 / 12

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL - Uma vez encontrado um problema de saúde, a medicina atual dispõe de uma série de exames complementares de diagnóstico - a ressonância magnética é um deles - que ajudam a tratar o mais adequadamente possível os doentes. E com isso contribui para que uma vida, que poderia ser curta, passe a ter mais anos

AGULHAS DESNECESSÁRIAS Quase toda a gente considera que deveria fazer análises gerais pelo menos uma vez por ano. A corrente que se opõe às medidas Excessivas de prevenção avisa que não existem evidências científicas de que as provas analíticas generalizadas sejam indispensáveis. Só fazem sentido em Algumas situações, para controlo de certos parâmetros
3 / 12

AGULHAS DESNECESSÁRIAS Quase toda a gente considera que deveria fazer análises gerais pelo menos uma vez por ano. A corrente que se opõe às medidas Excessivas de prevenção avisa que não existem evidências científicas de que as provas analíticas generalizadas sejam indispensáveis. Só fazem sentido em Algumas situações, para controlo de certos parâmetros

UMA FAMÍLIA, UM MÉDICO - Os Batista, um clã composto por quatro gerações, são seguidos na Unidade de Saúde Familiar de Benfica. O lado feminino é o mais assíduo e não se cansa de elogiar a velocidade com que se consegue aceder aos cuidados médicos naquele centro do Serviço Nacional de Saúde
4 / 12

UMA FAMÍLIA, UM MÉDICO - Os Batista, um clã composto por quatro gerações, são seguidos na Unidade de Saúde Familiar de Benfica. O lado feminino é o mais assíduo e não se cansa de elogiar a velocidade com que se consegue aceder aos cuidados médicos naquele centro do Serviço Nacional de Saúde

SEM PEDIATRA - A Marta, que hoje tem 7 anos, foi sempre seguida no centro de saúde. Quando chega, acompanhada pela mãe, é a enfermeira que a recebe e faz uma consulta prévia, onde regista a tensão arterial, a altura e o peso. Depois, faz-lhe um exame neurológico simples e averigua se há problemas com a Visão. E só a seguir a uma pequena conversa, a «passa» para o médico
5 / 12

SEM PEDIATRA - A Marta, que hoje tem 7 anos, foi sempre seguida no centro de saúde. Quando chega, acompanhada pela mãe, é a enfermeira que a recebe e faz uma consulta prévia, onde regista a tensão arterial, a altura e o peso. Depois, faz-lhe um exame neurológico simples e averigua se há problemas com a Visão. E só a seguir a uma pequena conversa, a «passa» para o médico

NA SALA DOS BATISTA - Da esquerda para a direita: A avó Adelina, com 90 anos, o neto Hugo, advogado, solteiro, 37 anos, o pai António, dono de um Pequeno café na rua onde vivem, e a mãe, Lúcia, reformada por causa de um historial complicado de doenças, ambos com 63 anos. Rute, a mãe de Marta, Divorciada, é administrativa e tem 32 anos
6 / 12

NA SALA DOS BATISTA - Da esquerda para a direita: A avó Adelina, com 90 anos, o neto Hugo, advogado, solteiro, 37 anos, o pai António, dono de um Pequeno café na rua onde vivem, e a mãe, Lúcia, reformada por causa de um historial complicado de doenças, ambos com 63 anos. Rute, a mãe de Marta, Divorciada, é administrativa e tem 32 anos

TEIA MECÂNICA - As cápsulas são deitadas vazias para dentro da máquina. Ela abre-as e enche-as com o medicamento em pó. Em alguns casos, este processo mecânico, com pequenos toques humanos para afinações, pode repetir-se 130 mil vezes ao dia, das 7 à meia-noite, para dar vazão às (imensas) encomendas
7 / 12

TEIA MECÂNICA - As cápsulas são deitadas vazias para dentro da máquina. Ela abre-as e enche-as com o medicamento em pó. Em alguns casos, este processo mecânico, com pequenos toques humanos para afinações, pode repetir-se 130 mil vezes ao dia, das 7 à meia-noite, para dar vazão às (imensas) encomendas

LINHA DE MONTAGEM - Nesta fábrica de medicamentos, há máquinas que nunca param, especialmente na zona de embalamento. Muitos dos remédios que aqui se fabricam são encomendas de multinacionais estrangeiras. Há princípios ativos para todas as doenças, da epilepsia à hipertensão
8 / 12

LINHA DE MONTAGEM - Nesta fábrica de medicamentos, há máquinas que nunca param, especialmente na zona de embalamento. Muitos dos remédios que aqui se fabricam são encomendas de multinacionais estrangeiras. Há princípios ativos para todas as doenças, da epilepsia à hipertensão

UMA MÃO-CHEIA POR DIA - O consumo de medicamentos tem vindo a aumentar ao ritmo de 1 a 2% ao ano. Este crescimento relaciona-se com o envelhecimento progressivo da população e com a consequente polimedicação a que quase todos os idosos estão sujeitos. A partir de certa idade, é normal tomar-se quatro ou cinco remédios por dia
9 / 12

UMA MÃO-CHEIA POR DIA - O consumo de medicamentos tem vindo a aumentar ao ritmo de 1 a 2% ao ano. Este crescimento relaciona-se com o envelhecimento progressivo da população e com a consequente polimedicação a que quase todos os idosos estão sujeitos. A partir de certa idade, é normal tomar-se quatro ou cinco remédios por dia

MAIS É MENOS - Apesar de, em Portugal, a quantidade de embalagens de genéricos vendidos ter aumentado 30% no primeiro semestre deste ano, o valor das vendas tem vindo por aí abaixo - menos um terço que em 2008. A responsabilidade é das diretivas que impõem a redução do preço dos medicamentos
10 / 12

MAIS É MENOS - Apesar de, em Portugal, a quantidade de embalagens de genéricos vendidos ter aumentado 30% no primeiro semestre deste ano, o valor das vendas tem vindo por aí abaixo - menos um terço que em 2008. A responsabilidade é das diretivas que impõem a redução do preço dos medicamentos

MAIS É MENOS - Apesar de, em Portugal, a quantidade de embalagens de genéricos vendidos ter aumentado 30% no primeiro semestre deste ano, o valor das vendas tem vindo por aí abaixo - menos um terço que em 2008. A responsabilidade é das diretivas que impõem a redução do preço dos medicamentos
11 / 12

MAIS É MENOS - Apesar de, em Portugal, a quantidade de embalagens de genéricos vendidos ter aumentado 30% no primeiro semestre deste ano, o valor das vendas tem vindo por aí abaixo - menos um terço que em 2008. A responsabilidade é das diretivas que impõem a redução do preço dos medicamentos

MAIS É MENOS - Apesar de, em Portugal, a quantidade de embalagens de genéricos vendidos ter aumentado 30% no primeiro semestre deste ano, o valor das vendas tem vindo por aí abaixo - menos um terço que em 2008. A responsabilidade é das diretivas que impõem a redução do preço dos medicamentos
12 / 12

MAIS É MENOS - Apesar de, em Portugal, a quantidade de embalagens de genéricos vendidos ter aumentado 30% no primeiro semestre deste ano, o valor das vendas tem vindo por aí abaixo - menos um terço que em 2008. A responsabilidade é das diretivas que impõem a redução do preço dos medicamentos

O chefe da polícia nacional, Mangwashi Victoria Phiyega, revelou sexta-feira, em conferência de imprensa, o balanço dos disparos sobre os mineiros em greve na mina de platina Lonmin, a noroeste de Joanesburgo: 34 mortos e 78 feridos.

Phiyega argumentou que os disparos foram feitos em autodefesa e realçou que os mineiros tinham a arma que tinham retirado a um dos dois polícias que agrediram até à morte na segunda-feira.

As imagens de vídeo mostram que os mineiros estavam a fugir de uma colina, que tinham ocupado, depois de esta ter sido atingida por granadas de gás lacrimogéneo.

As mulheres dos mineiros, durante um protesto, realizado sexta-feira, exibiam um cartaz onde se lia: "A polícia tem de parar de disparar sobre os nossos maridos e filhos". Ajoelhadas face aos polícias, cantaram canções de protesto, em xhosa, interrogando: "O que é que nós fizemos?".

De regresso antecipado de Moçambique, Zuma dirigiu-se para a mina, a 70 quilómetros da capital, e anunciou um inquérito oficial, aliás exigido por partidos e sindicatos.

Pelo menos outras dez pessoas tinham morrido durante a greve, que dura há uma semana, incluindo os dois agentes da polícia agredidos até à morte pelos grevistas e outros dois guardas de segurança da mina, que foram queimados vivos quando os grevistas incendiaram o veículo onde se deslocavam.

Os grevistas querem aumentos salariais, de 625 para 1.563 dólares (1.268 euros).

Uma investigação divulgada na terça-feira pela Fundação Bench Marks, uma organização não-governamental que monitora as práticas das empresas multinacionais mineiras, apurou que a Lonmin tinha um mau registo, com níveis elevados de acidentes de trabalho e os trabalhadores em "muito más condições".

Há muitos mineiros a viver em barracas sem electricidade e crianças com doenças crónicas, resultantes dos esgotos a céu aberto.

O presidente da Lonmin, Roger Phillimore, emitiu hoje um comunicado, a lamentar as mortes, e a empresa já se prontificou a organizar os funerais, a disponibilizar assistência psicológica às famílias e a pagar os estudos, da primária à universidade, aos filhos das vítimas.