Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Depois do Sandy, os ratos?

Mundo

  • 333

O rumor de que os milhares de roedores que viviam nos agora alagados subterrâneos de Nova Iorque estariam a fugir para a superfície, deixando a cidade a braços com um "ratoapocalipse", começou nas redes sociais mas a ideia não é descartada por especialistas. VEJA AS FOTOS das inundações

Benfica 0 - 2 Barcelona
1 / 7

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
2 / 7

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
3 / 7

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
4 / 7

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
5 / 7

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
6 / 7

Benfica 0 - 2 Barcelona

Galatasaray 0 - 2 Braga
7 / 7

Galatasaray 0 - 2 Braga

Por detrás do boato, uma lógica simples: expulsos da rede de túneis de Nova Iorque, inundados na sequência da passagem da super-tempestade Sandy, milhares de ratos estariam a procurar a superfície em busca de alimento e abrigo.

A possibilidade de "ratoapocalipse", como foi apelidado nas redes sociais, não é descartada nem mesmo por especialistas, como os que foram ouvidos pela BBC, que admitem que, mesmo sendo díficil prever o que aconteceu com os milhares de roedores que habitam os subterrâneos da cidade, a hipótese de uma invasão em massa de ratos não está completamente descartada.

'É impossível quantificar se Nova York enfrentará uma infestação de ratos após a passagem do Sandy, mas acredito que isso seja uma possibilidade real', afirmou à BBC Richard Ostfeld, ecologista do Cary Institute of Ecosystem Studies, na Califórnia.

Segundo Ostfeld, já houve situações semelhantes de dispersão de ratos após inundações causadas por grandes tempestades. "Um caso recente aconteceu nas Filipinas. Frequentemente, essas invasões provocam problemas mais sérios, como surtos de doenças transmitidas por esses roedores, como a leptospirose, que ocorre quando o homem tem contato com a urina desse animal. No país asiático, por exemplo, o número de pessoas infectadas pela enfermidade dobrou nos últimos anos", recorda.

De acordo com os especialistas, é provável, no entanto, que muitos ratos tenham morrido devido ao volume e força das águas.