Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Em menos de uma década, a China deverá deixar de ser o país mais populoso do mundo

Mundo

Lucas Schifres/ Getty Images

O novo relatório das Nações Unidas divulgado esta semana prevê que o país mais populoso do mundo deixe de ser a China já em 2027

Juntas, a China e a Índia representam cerca de 37% da população global, estimada agora em cerca de 7.7 mil milhões de pessoas, com a China a albergar 1.4 mil milhões e a Índia 1.3 mil milhões.

Mas em 2027, ou seja, já dentro de oito anos, segundo o novo relatório World Population Prospects das Nações Unidas, o país mais populoso do mundo deverá ser a Índia. E em 2050, o fosso deverá ser ainda mais acentuado.

"Entre 2019 e 2050, espera-se que 55 países ou áreas assistam a um decréscimo na sua população de, pelo menos, 1%", lê-se no relatório, que aponta as baixas taxas de fertilidade e, em alguns casos específicos, os elevados números da emigração.

O "encolhimento" mais significativo é projetado para a China, onde a população deverá cair 2,2%, o equivalente a 31,4 milhões.

As Nações Unidas prevêem também que em 2050 a população do planeta inteiro chegue aos 9.7 mil milhões, o que, a confirmar-se, será um aumento surpreendente para um espaço de apenas um século - em 1950, a população global era de 2.6 mil milhões.

Além da ultrapassagem da China pela Índia, o relatório, que se baseia em tendências demográficas e padrões relevantes da fertilidade humana, mortalidade e migração, aponta ainda para a Nigéria como o terceiro país mais populoso do mundo em 2100, com um total de 733 milhões de habitantes, à frente dos Estados Unidos, em quarto lugar, com uma população de 434 milhões. Seguir-se-á o Paquistão, no mesmo quinto lugar que ocupa atualmente.

Além destes - Índia, Nigéria, EUA e Paquistão, estima-se que, em 2050, mais de metade da população global esteja em mais cinco países: República Democrática do Congo, Etiópia, Tanzânia, Indonésia e Egito.

.Já Portugal deverá baixar dos 10 milhões já em 2028 e chegar a 2100 com uma população que ronda os 7 milhões.

CONHEÇA A NOVA EDIÇÃO DIGITAL DA VISÃO. LEIA GRÁTIS E TENHA ACESSO A JORNALISMO INDEPENDENTE E DE QUALIDADE AQUI