Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

2 mil euros a quem descobrir o que diz a inscrição misteriosa do século XVIII feita numa rocha 

Mundo

A localidade francesa de Plougastel-Daoulas está a oferecer dois mil euros a quem acertar no que está escrito nesta pedra

Até hoje ninguém foi capaz de entender o significado das 20 linhas escritas naquele enorme pedregulho, descoberto há alguns anos numa praia remota de uma vila francesa


Plougastel-Daoulas fica na Bretanha francesa, região sobretudo conhecida pela produção de morangos, uma espécie introduzida em França entre os séculos XVII e XVIII. Mas desde há uns anos que se tornou conhecida por um mistério que apaixona cada vez mais os seus habitantes - ao ponto de haver uma oferta em dinheiro a quem o conseguir decifrar. Numa enseada acessível apenas na maré baixa, uma rocha com um metro de altura revelou um encadeado de letras até hoje ilegível. A descrição conhecida indica que há letras do alfabeto latino, algumas invertidas ou de cabeça para baixo. Outras que remetem para as línguas escandinavas – como Ø.

É ainda possível identificar dois anos – 1786 e 1787 – o que sugere que a inscrição foi feita numa data próxima da Revolução Francesa. Há ainda a imagem de um barco à vela e um leme, além de um ‘sagrado coração’, por ser representado por um coração com uma cruz em cima.

Mas o sentido de tudo aquilo desafiou, para já, todas as tentativas de interpretações dos académicos locais. Alguns julgam que pode estar na antiga língua bretã ou basca – e que a pessoa que a escreveu poderia ser semialfabetizada. E isso explicaria que algumas letras aparentem estar relacionadas com o som a das palavras ouvidas pelo autor.

Outra teoria defende que a inscrição estará ligada à construção de defesas navais perto daquela localidade, já que ainda se observam as ruínas de forte e postos de artilharia, ali erguidos na década de 1780 para proteger a baía - afinal, até 1783, a França e a Inglaterra estavam em guerra.

“Já questionámos historiadores e arqueólogos, mas ainda ninguém foi capaz de descobrir a história que está por detrás da rocha”, afirma Dominique Cap, o autarca da Plougastel, à BBC. “Então, pensámos que talvez haja algures no mundo alguém com o conhecimento especializado de que precisamos. E resolvemos lançar esta competição”.

O apelo público é agora chamado de "O Mistério de Champollion em Plougastel-Daoulas", numa homenagem a Jean-François Champollion, o linguista francês que decifrou os antigos hieróglifos da Pedra de Rosetta – um pedaço de granito encontrado em 1799 nos arredores da cidade egípcia com aquele nome, e que foi a chave para o entendimento daquela escrita de antigas civilizações.

Os apaixonados por linguística e arqueologia estão, então, agora convidados a registar-se no site da localidade e fazerem as suas apostas. O nome de contacto é Veronique Martin (veronique.martin@mairie-plougastel.fr ). Ou por carta para1 Jean-Fournier Street, 29470 Plougastel-Daoulas.

Quando as inscrições terminarem, em novembro, um painel vai escolher a interpretação mais plausível do mistério. E boa sorte!

ASSINE AQUI E GANHE UM SACO. AO ASSINAR ESTÁ A APOIAR O JORNALISMO INDEPENDENTE E DE QUALIDADE – ESSENCIAL PARA A DEFESA DOS VALORES DEMOCRÁTICOS EM PORTUGAL