Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Irão abandona parte do tratado nuclear e faz ultimato

Mundo

Reeleito há dois anos, Hassan Rouhani é presidente do Irão desde 2013

picture alliance/Getty Images

O anúncio de uma desvinculação parcial ocorre um ano depois de Trump ter feito saber que a América se retirava unilateralmente do mesmo acordo

O comunicado de Teerão diz respeito ao acordo assinado em 2015 com várias potências mundiais (França, Grã-Bretanha, Alemanha, Rússia e China) e remata com um ultimato para se renegociar um novo acordo – ou o País retomará o programa de enriquecimento de urânio.

No seu discurso, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, insistiu que os países que se mantêm no acordo tem agora dois meses para proteger o Irão das sanções americanas, a fim de evitar o seu regresso ao programa nuclear, no início do verão. Segundo os termos do acordo de 2015, isso só poderia acontecer em 2030.

A saída dos EUA do acordo a 8 de maio de 2018, há precisamente um ano, foi a razão maior agora apresentada por Rouhani, que acusou os “radicais americanos” de trabalhar para minar este acordo - "do interesse da região e do mundo, mas não dos inimigos do Irão".

Sob esse acordo, o Irão estava autorizado a armazenar quantidades limitadas de urânio enriquecido e água pesada produzida nesse processo, exportando qualquer excesso – o que se tornou muito difícil, acusa agora Teerão, depois de os EUA terem revogado o acordo, forçando o Irão ou a interromper essa produção ou então a ignorar os limites, como optaram por fazer.

“A República Islâmica do Irão declara que não está mais comprometida em respeitar as limitações no armazenamento de urânio enriquecido e reservas de águas pesadas”, confirmou o Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irão (SNSC, na sigla em inglês) em comunicado, garantindo que “só quando as suas exigências forem atendidas, retomaremos os compromissos agora interrompidos”.

O Irão é signatário do Tratado de Não-Proliferação Nuclear e sempre sustentou que sua investigação nuclear é de natureza puramente civil.

ASSINE AQUI E GANHE UM SACO. AO ASSINAR ESTÁ A APOIAR O JORNALISMO INDEPENDENTE E DE QUALIDADE – ESSENCIAL PARA A DEFESA DOS VALORES DEMOCRÁTICOS EM PORTUGAL