Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Mais mulheres e mais jovens: como a lista dos 100 mais influentes da TIME mudou em 15 anos

Mundo

Seis figuras em seis capas diferentes mostram como as opções da prestigiada revista americana se foram ajustando ao sabor dos tempos. Veja aqui o que mudou desde 2004, quando a começou a ser publicada todos os anos

Reconhecemos, entre os 100 mais escolhidos pela TIME em 2019, uma série de figuras que, diariamente, encabeçam manchetes de jornais em todo o mundo. Lá estão Mark Zuckerberg e Jacinta Arden, Lady Gaga e o Papa Francisco, Matteo Salvini e Donald Trump. Mas o que mais sobressai na lista deste ano é que, pela primeira vez, quase metade das escolhidas são mulheres – 48, contra as 45 do ano passado, um número bem distante das 24 escolhidas há 15 anos, quando esta publicação se tornou um evento anual para distinguir quem anda a mudar o mundo à nossa volta, independentemente dos efeitos das suas ações.

E isto percebe-se só de olhar para os rostos que encabeçam esta lista. Afinal, são dois homens e quatro mulheres que figuram nas seis capas sobre o assunto. São gente do cinema e da televisão - como o ator Dwayne Johnson, conhecido também como The Rock, e a atriz Sandra Oh, sobejamente conhecida pelo papel em Anatomia de Grey e que este ano viu o reconhecimento com um globo de ouro por Killing Eve); da música (como a cantora Taylor Swift), mas também do mundo do futebol (como o jogador Mohamed Salah). Há apenas um nome em destaque da política (a congressista americana Nancy Pelosi) e outro do jornalismo (a pivot Gayle King).

As razões para esta escolha, essas, são também assinadas por gente de renome. Por exemplo: “Quem o conhece sabe que, para ele, o céu é o limite”, escreve a atriz Gal Gadot sobre Dwayne, a assinalar que ele faz tudo para que quem está à volta se sinta bem. Já Sandra Oh, aponta a argumentista e produtora Shonda Rhimes, é uma virtuosa.

Taylor Swift, que já teve honras de capa na revista por três vezes, também volta a estar nos primeiros lugares e razões para isso não parecem faltar, como sublinha o cantor canadiano Shawn Mendes, que se assume seu fã desde sempre. “Ela faz qualquer um sentir-se mais novo e capaz de fazer seja o que for”, elogia.

Segue-se Mohammed Salah, o extremo-direito egípcio que joga ao serviço do Liverpool, eleito jogador do ano da Liga Inglesa no ano passado, e que esta semana se tornou um bocadinho mais conhecido dos portugueses, por ter concretizado um dos golos da sua equipa frente ao FC Porto, eliminando-o da Champions. Mas não é nada disso que John Oliver, o ator e apresentador do programa de sátira política Last Week Tonight, salienta - “Ele é melhor ser humano do que jogador de futebol” - antes de rematar que "joga com uma alegria contagiante.”

Em destaque está ainda Gayle King, pivot do programa da manhã da CBS, posição que ocupa desde a sua estreia, em 2012, e também editora-executiva de O, a revista de Oprah. As palavras que a descrevem são da realizadora Ava Duvernay: “O que a maioria das pessoas não compreende é que esta sua capacidade de estar próxima das pessoas é uma das melhores qualidades que um jornalista pode ter”.

Por fim, a única política do topo da lista, Nancy Pelosi, uma democrata que já fez história por, aos 47 anos, ter deixado de ser uma dona de casa em São Francisco e agora, aos 79, se ter tornado na mulher mais poderosa da política na América. Sobre a incontornável e incombustível líder do Partido Democrata no Congresso dos EUA, escreve Hillary Clinton, que remata as suas 200 palavras sobre Pelosi assim: “Há um ditado que diz: ‘Se quiser que algo seja feito, peça a uma mulher atarefada para o fazer '. Nancy é a prova viva disso."

Publicada anualmente desde 2004, a lista dos 100 mais influentes do ano da TIME é geralmente dividida por categorias, variáveis ao longo dos anos - entre artistas e heróis, líderes, ícones ou titãs. A pessoa que mais aparece desde sempre é Barack Obama, nomeado onze vezes. Já Hillary e Oprah batem o recorde entre as mulheres: foram escolhidas dez vezes.

É também uma lista cuja média de idades tem vindo a descer, gradualmente. No ano passado, já quase metade tinha menos de 40 anos – elegendo-se a mais nova de sempre: Millie Bobby Brown, atriz-estrela da Netflix e protagonista de Stranger Things, com apenas 14 anos.

Além de ter sido considerada Pessoa do Ano na Suécia e estar apontada para Nobel da Paz, a adolescente Greta Thunberg está também na lista dos 100 mais influentes da revista Time

Além de ter sido considerada Pessoa do Ano na Suécia e estar apontada para Nobel da Paz, a adolescente Greta Thunberg está também na lista dos 100 mais influentes da revista Time

Antes dela, já tinha constado dessa listagem, e por três vezes, a jovem paquistanesa e mais nova Nobel da Paz, Malala Yousafzai. Este ano, a mais nova é a adolescente sueca Greta Thunberg, que, aos 16 anos, já foi eleita pessoa do ano no seu país e também está também na corrida ao Nobel, depois de ter inspirado um movimento global de luta às alterações climáticas, e de ter convencido estudantes do mundo inteiro a aderir a uma greve para salvar o planeta.

Sobre Greta escreve Emma González, cofundadora do March of Our Lives, um movimento estudantil americano que pede medidas mais rígidas para o uso de armas, e que ganhou vida depois de mais um massacre numa escola nos EUA, no ano passado. “Ela diz que não podemos salvar o mundo seguindo as regras, porque as regras precisam ser alteradas e a onda que criou é uma inspiração." Ainda esta semana, Greta Thunberg disse exatamente isto no Parlamento Europeu – repetindo o feito da Cimeira do Clima, na Polónia, em dezembro, e do Fórum Económico Mundial, em Davos, em janeiro,

Há ainda outros pormenores bem reveladores dos sinais dos tempos em que vivemos: afinal, é uma lista que em 2004 incluía Lula da Silva e que este ano tem, no mesmo cargo mas do extremo ideológico oposto, Jair Bolsonaro.

Last, but not the least, veja-se como os eleitos estão arrumados em categorias. Por exemplo, Sandra Oh lidera o grupo dos Pioneiros, enquanto Dwayne Jackson a dos Artistas – mas já Taylor Swift está à cabeça da classe dos Ícones. Pelosi está no topo dos Líderes, claro, enquanto Gayle King e Salah encabeçam, também se compreende, a dos Titãs.

ASSINE AQUI A VISÃO E RECEBA UM SACO DE OFERTA