Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O aclamado general que, afinal, pode ter sido mulher ou intersexual

Mundo

Smith Collection/Gado/ Getty Images

Exames de ADN realizados por cientistas confirmaram que os restos mortais com caraterísticas femininas encontrados há duas décadas pertencem mesmo a Casimir Pulaski, considerado um dos heróis da Guerra de Independência dos EUA, no século XVIII

Casimir Pulaski lutou ao lado dos americanos contra o exército britânico pela sua independência, no século XVIII, durante a Guerra de Independência dos EUA, que aconteceu entre 1775 e 1783. Foi considerado um herói de guerra, também na Polónia - de onde era - e foi várias vezes homenageado com monumentos em seu nome.

Agora, os cientistas dizem que o aclamado general pode ter sido, afinal, uma mulher, ou até intersexual, um termo usado para descrever pessoas que nascem com caraterísticas sexuais biológicas que não se encaixam nas caraterísticas típicas do sexo feminino ou masculino.

Há cerca de duas décadas, investigadores americanos exumaram o corpo de Casimir Pulaski, que tinha sido sepultado em Geórgia, nos EUA, e descobriram que o seu esqueleto tinha várias caraterísticas femininas.

"Nas mulheres, a cavidade pélvica tem um formato mais oval. Tem menos forma de coração do que a pélvis masculina. A de Pulaski parecia muito feminina", explicou, à NBC, Virginia Estabrook, que fazia parte da equipa que estudou, em 1996, os seus restos mortais.

Contudo, o grupo de antropólogos não tinha conseguido provar de que se tratava mesmo do corpo de Casimir Pulaski. Novos testes de ADN mitocondrial realizados em 2018 por cientistas norte-americanos, incluindo Virginia Estabrook, revelaram uma correspondência entre o ADN extraído do esqueleto de Pulaski e de um parente do militar, confirmando que se tratava, realmente, do corpo de Casimir Pulaski.

"O que sabemos é que há uma desconexão entre o que vemos no esqueleto e o que sabemos sobre a vida de Pulaski", Virginia Estabrook explicou à NBC. A cientista observou que a pesquisa sobre como as caraterísticas intersexuais afetam o desenvolvimento do esqueleto é muito escassa e referiu que o caso de Pulaski é um sinal do trabalho que precisa de ser realizado nessa área.

Esta descoberta vai ser explicada ao pormenor na próxima segunda-feira, com a estreia do documentário "O General era feminino?", que faz parte da série "Histórias Ocultas nos EUA", no canal de televisão do Smithsonian.

Quando Casimir Pulaski era muito jovem, foi exilado da Polónia por ter lutado contra o domínio russo e, por isso, o militar acabou por fugir para Paris. Foi aí que conheceu Benjamin Franklin, um dos líderes da Revolução Americana, que o convenceu a apoiar as colónias que lutavam contra a Inglaterra na Guerra de Independência dos EUA.

Acredita-se que o militar salvou a vida de George Washington, que comandava as tropas americanas, durante a Batalha de Brandywine, no ano de 1777.

Casimir Pulaski nunca se casou e não teve descendentes. Pensa-se que morreu aos 34 anos, depois de sofrer ferimentos durante o cerco à cidade de Savannah, nos EUA, em 1779. Ainda hoje é homenageado com o "Dia de Casimir Pulaski", sempre na primeira segunda-feira de março, em Chicago, Illinois.

ASSINE AQUI A VISÃO E RECEBA UM SACO DE OFERTA