Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Príncipe herdeiro saudita disse em 2017 estar disposto a balear Khashoggi

Mundo

MOHAMMED AL-SHAIKH

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman afirmou em 2017 que estava disposto a usar "uma bala" contra o jornalista saudita Jamal Khashoggi se este não parasse de criticar o reino, avança o New York Times

De acordo com um artigo do jornal norte-americano, que cita relatórios de inteligência dos EUA e de outros países, Mohammed bin Salman disse que se Jamal Khashoggi não regressasse à Arábia Saudita pela sua própria vontade, ele teria que ser forçado a voltar.

O príncipe terá dito que estaria disposto a fazê-lo "com uma bala", uma ameaça proferida durante uma conversa telefónica com Turki Al-Dakhil, um familiar seu.

O telefonema foi intercetado pelos serviços de inteligência dos Estados Unidos, de acordo com o New York Times.

Na quinta-feira, a relatora especial da ONU sobre execuções extrajudiciais afirmou possuir "provas" demonstrando que a "morte" do jornalista saudita Jamal Khashoggi foi "brutal, planificada e perpetrada por representantes do Estado da Arábia Saudita".

Em comunicado, e na sequência de uma visita à Turquia, Agnès Callamard sublinhou que esta "morte" foi "premeditada" e constitui "a violação mais grave do mais fundamental de todos os direitos, o direito à vida".

Denunciou ainda a utilização da "imunidade" diplomática para cometer um assassino com toda a "impunidade".

Khashoggi, colunista do Washington Post e crítico do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, foi morto no dia 02 de outubro no interior do consulado saudita em Istambul.

Agnès Callamard lamentou ainda no comunicado o "tempo e acesso inadequados concedido aos investigadores turcos para promoveram um exame e pesquisa profissional e efetivo da cena do crime, que é exigido pelos padrões internacionais".

Mais de quatro meses após a sua morte, o corpo do jornalista ainda não foi encontrado.

O seu assassínio colocou a Arábia Saudita perante uma grave crise diplomática e deteriorou consideravelmente a reputação do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, acusado por responsáveis norte-americanos e turcos de ter ordenado a morte.

O processo, com 11 suspeitos, teve início em janeiro na Arábia Saudita e o procurador-geral solicitou a pena de morte contra cinco dos indiciados.

com Lusa