Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Austrália: Refugiado curdo ganhou o maior prémio literário do país que o mandou prender

Mundo

Behrouz Boochani

Facebook de Behrouz Boochani

Detido na Papua Nova Guiné há seis anos por ter tentado entrar em território australiano, Behrouz Boochani vive o paradoxo de vencer por ter criticado

Um refugiado detido há seis anos num campo da Papua Nova Guiné ganhou o maior prémio literário da Austrália, 125 mil dólares australianos (cerca de 80 mil euros).

A ironia é que o prémio é atribuído pelo país que o mantém detido.

Aliás, Behrouz Boochani, 35 anos, jornalista curdo-iraniano, ganhou dois galardões: prémio para a melhor obra de não fição e o prémio de literatura. O livro, No Friend But the Mountains: Writing from Manus Prison foi escrito com recurso ao telemóvel e passado para uma editora com a ajuda de um amigo. O editor que o publicou, em julho do ano passado, recebeu o manuscrito em fragmentos, através de mensagens de telemóvel.

Behrouz Boochani foi preso em 2013 quando tentava a sua sorte - chegar à Austrália para pedir asilo. A viagem de barco entre a Indonésia e o país dos cangurus não correu como planeado e foi detido por tentar entrar sem visto.

De acordo com a lei de imigração australiana, quem tentar chegar ao país por barco em busca de asilo é detido e levado para um campo fora do país – dizem que desta forma evitam as mortes no mar às mãos de traficantes. Foi o seu caso.

Está em Manu Island, na Papua Nova Guiné, há seis anos, juntamente com outros 600 refugiados.

O comité que lhe atribui o prémio refere que o livro é uma “voz de testemunha, um ato de sobrevivência. Um relato lírico em primeira mão. Um grito de resistência. Um retrato vívido através de cinco anos de encarceramento e exílio.”

Durante cinco anos esteve preso num campo para refugiados, altura em que escreveu o livro, e no último ano foi levado para outro local da ilha.

“Boochani produziu uma impressionante obra de arte e teoria crítica que escapa à simples descrição”, dizem os jurados do galardão. “É um estudo detalhado e crítico e uma descrição do que Boochani denomina como 'Teoria da Prisão de Manus' … Ele dá um novo entendimento tanto das ações da Austrália como da própria Austrália”.

O jornalista curdo escreveu no ano passado à CNN que a sua detenção é como uma “tomada de reféns aprovada pelo estado” australiano. “Somos pessoas esquecidas descartadas em ilhas esquecidas”, acrescentou.

  • O drama dos "homens esquecidos da ilha de Manus"

    Mundo

    O cenário traçado pelo novo relatório conjunto do Conselho de Refugiados da Austrália e da Amnistia Internacional é negro: uma população de refugiados cada vez maior e cada vez mais traumatizada. E a tentar o suicídio cada vez mais também