Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Canal francês "apanha" Amazon a deitar fora milhares de produtos novos

Mundo

Getty Images

Uma reportagem do canal francês M6 mostra que a empresa americana deita fora ou destrói milhares de produtos em ótimas condições. Só em três meses, foram descartados cerca de 300 mil items novos

Vários vídeos gravados com câmara oculta em França mostram que a Amazon destrói ou deita fora milhares de produtos novos e em bom estado nos cinco depósitos de lixo da empresa neste país.

As imagens foram divulgadas no último domingo, durante a transmissão do programa Capital do canal francês M6, onde são apresentadas e discutidas reportagens e investigações jornalísticas focadas na economia e no consumo.

O jornalista que conduziu a investigação, Guillaume Caho, garantiu à BBC que o mesmo se repete, também, em países como os EUA e o Reino Unido, referindo que esta atitude é uma "aberração ecológica, económica e social", embora não seja ilegal.

Além de imagens que mostram vários funcionários da empresa a deitar caixas de brinquedos fechadas e pacotes inteiros de fraldas no lixo, imagens captadas com drones expoem produtos que vão parar a aterros sanitários ou a incineradoras.

Na reportagem, foi referido que, só em três meses, foram destruídos cerca de 300 mil produtos novos, mas a Confederação Geral do Trabalho de França (Confédération Générale du Travail) diz que este número pode atingir os 3 milhões num ano.

A Amazon France já reagiu à reportagem, explicando, no Twitter, que "apenas uma pequena parte de produtos que não são vendidos é destruída", já que "a grande maioria é reclicada, revendida, devolvida ou doada".

A empresa garante que as doações são feitas regularmente a várias instituições e que há esforços para reduzir o número de produtos que têm como destino a destruição, incluindo informar "as autoridades competentes" sobre esses casos.

Também reações por parte do governo não demoraram a chegar. A Secretária de Estado do ministro da Transição Ecológica e Inclusiva, Brune Poirson, afirmou, horas depois da emissão do programa, que o Parlamento vai agir no sentido da aprovação de uma lei que proiba este tipo de comportamento.

Em novembro do ano passado, neste país, a empresa já tinha sido acusada de deitar fora produtos com defeitos, sem a implementação de qualquer política de reciclagem.