Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Se as eleições fossem hoje Michelle Obama dava uma tareia a Trump

Mundo

GettyImages

Numa sondagem divulgada hoje, Donald Trump perderia em toda a linha para Michelle Obama, Oprah Winfrey ou Joe Biden

Se as eleições presidenciais americanas de 2020 fossem hoje Donald Trump perdia em larga escala para Michelle Obama. Aliás, Trump ficaria atrás de várias mulheres cujos nomes foram colocados em hipótese, incluindo Oprah e Kirsten Gillibrand, senadora de Nova Iorque.

Uma sondagem feita pela Axios e SurveyMonkey a quase 10 mil pessoas, em dois momentos, questionou em quem votariam se as eleições de 2020 fossem naquele momento.

Michelle Obama, mulher do ex-presidente Barack Obama, foi a pessoa com mais vantagem para Trump, 16% (56% para 40%).

No segundo posto, com mais 14% de votos do que o atual presidente Republicano, ficou a apresentadora Oprah Winfrey. De acordo com a sondagem, que indica uma margem de erro de 2,5%,

a senador nova-iorquina Kirsten Gillibrand ficaria à frente de Trump por 8% e Hillary Clinton por 6%.

Cerca de 47% dos entrevistados para a sondagem – realizada antes da eleições intercalares em que Trump perdeu a maioria na Câmara dos Representantes para os Democratas – disse que já tinha uma opinião “desfavorável” do presidente há dois anos.

O ex-vice-presidente democrata Joe Biden também foi incluído na sondagem e ganharia com uma vantagem de 12%, embora em 2020 esteja prestes a completar 78 anos.

Nos últimos dias, Michelle Obama, de 54 anos, tem estado muito presente nos meios de comunicação, já que está a lançar o seu livro de memórias. Michelle conta, na biografia, que nunca perdoará Trump por ter posto em causa a nacionalidade do marido, o que obrigou Barack Obama a publicitar a sua certidão de nascença para provar que tinha nascido nos EUA.

Em “Becoming”, lançado hoje comercialmente, Michelle diz que algumas histórias recentes lhe têm “dado a volta ao estômago” e que, às vezes, se interroga, onde estarão os limites.