Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Ivanka Trump cita no Twitter provérbio chinês... mas os chineses não sabem do que ela está a falar

Mundo

Kevin Lamarque/ Reuters

As citações mal atribuídas não são novidade no mundo da Internet, mas quando são publicadas pela filha do Presidente norte-americano no Twitter, horas antes de um encontro histórico, ganham outra dimensão

"Aqueles que dizem que não pode ser feito, não deviam interromper os que fazem - Provérbio chinês", twitou Ivanka Trump, na segunda-feira à noite, a horas da cimeira história entre o pai, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jung-un.

Só que o provérbio, afinal, não era chinês ou, pelo menos, ninguém na China parece reconhecê-lo, como rapidamente se percebeu no Twitter. No seu equivalente chinês, o Weibo, dezenas de milhares de utilizadores juntaram-se para tentar encontrar, entre os provérbios genuinamente chineses, algum cujo significado pudesse assemelhar-se, ainda que de forma vaga, ao da frase citada por Ivanka, como "Um verdadeiro cavalheiro deve manter-se em silêncio enquanto assiste a uma partida de xadrez". Entre as sugestões encontram-se também expressões populares, como esta, que pode traduzir-se como "se podes fazer, faz, senão, cala-te".

Mas também há quem acredite ter descoberto o verdadeiro autor: O dramaturgo irlandês George Bernard Shaw ou, como investigou o site QuoteInvestigator.com, uma expressão com origem nos próprios Estados Unidos no início dos anos 90.

Ivanka Trump sublinha, com frequência a sua simpatia em relação à China e à sua cultura, tendo inclusivamente contratado uma ama que fala chinês para a sua filha Arabella, mas esta não é a primeira vez que cita incorretamente uma frase atribuída à sabedoria do país: "Escolhe um emprego que adores e nunca mais terás de trabalhar um dia na tua vida", escreveu, também, no Twitter, em 2013, citando, erradamente, Confúcio.

Ouvido pelo The New York Times, Larry Herzberg, professor de Chinês na Faculdade Calvin, no Michigan, considera que este é só "mais um exemplo que americanos a atribuir uma frase aos chineses, frequentemente a Confúcio, quando, na verdade, não sabem a sua origem". "Parece mais legítimo e credível citar uma frase de uma civilização antiga", resume.