Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Foto viral de Trump no G7 inspira memes e tweets para todos os gostos

Mundo

Getty Images

A imagem do Presidente norte-americano sentado, com vários representantes do G7 em torno e a chanceler alemã debruçada sobre a mesa com ar grave já era viral só por si. Mas não tardou até a Internet lhe dar o tratamento... da Internet

Captada pelo fotógrafo oficial do governo alemão para a cimeira do G7, Jesco Denze, e publicada por Angela Merkel, a fotografia tem corrido as redes sociais e os meios de comunicação internacionais, com várias análises à postura corporal de Donald Trump e da chanceler alemã.

Agora, é a vez dos memes e tweets e não faltam comparações no campo da arte.

Também não faltam comparações de Trump a um bebé...

O Presidente dos EUA dissociou-se no sábado do comunicado final da cimeira do G7, chamando ao primeiro-ministro do Canadá, anfitrião da reunião, de "muito desonesto e fraco" por este ter classificado como insultuosas as tarifas americanas.

"Face às falsas declarações de Justin [Trudeau, primeiro-ministro do Canadá] na sua conferência de imprensa e ao facto de o Canadá estar a impor enormes taxas sobre os nossos agricultores, trabalhadores e empresas americanas, pedi aos nossos representantes americanos que retirassem o apoio ao comunicado enquanto consideramos taxar os automóveis que estão a inundar o mercado americano", escreveu na rede social Twitter Donald Trump.

Numa outra mensagem na mesma rede social, o Presidente dos Estados Unidos criticou o primeiro-ministro do Canadá por ter uma conduta "suave" durante a cimeira do grupo dos sete países mais industrializados do mundo (G7), mas de ter criticado as tarifas aduaneiras americanas sobre o aço e o alumínio.

Na reação, a Alemanha acusa Trump de "destruir" uma grande parte da confiança entre os Estados Unidos e a Europa, ao remover, com um 'tweet', o apoio ao acordo final da cimeira de G7, no Canadá.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Heiko Maas, afirmou que "a Europa unida é a resposta para os Estados Unidos em primeiro lugar", pois, assinalou, "pode-se rapidamente destruir uma incrível dose de confiança num 'tweet'".

Por isso, Maas escreveu na rede social Twitter que se torna "ainda mais importante para a Europa manter-se unida e defender os seus interesses de forma ainda mais agressiva".