Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Consultora diz que exonerações em Angola não passam de dança das cadeiras

Mundo

GettyImages

A consultora BMI Research considera que a onda de exonerações em Angola significa apenas uma dança das cadeiras e não sinaliza a implementação das reformas que estes analistas consideram ser necessárias para o crescimento económico.

"As perspetivas de crescimento continuam magras para além de 2018, já que vemos poucos sinais de que o novo Governo de Angola vá implementar o tipo de reformas necessárias para atrair investimento para a economia", escrevem os analistas desta consultora do Grupo Fitch.

Na nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, os analistas escrevem que "apesar de João Lourenço ter feito mudanças surpreendentes de pessoas em instituições estratégicas, nomeadamente o despedimento de Isabel dos Santos, não acreditamos que elas significam o início de um fôlego reformista".

Pelo contrário, continuam, "acreditamos que ao instalar os seus ministros como líderes da companhia petrolífera nacional e do banco central, Lourenço está simplesmente a tentar estabelecer a sua rede de apoio e sair da sombra da família de dos Santos".

Na opinião dos consultores da BMI, apesar dos discursos a favor da eliminação dos monopólios em áreas estratégicas como as telecomunicações e a construção, "é improvável que o novo Presidente consiga desafiar as redes de conluio que permitiram a sua chegada ao poder".

A BMI antevê uma pequena subida da produção de petróleo, que "impulsionará o crescimento em 2018 para 3,2%, mas uma perspetiva de evolução relativamente sombria para o setor dos hidrocarbonetos vai fazer com que o crescimento económico de Angola se mantenha estruturalmente fraco, caindo para 2,4% em 2019", conclui a BMI.

Desde que tomou posse, a 26 de setembro, na sequência das eleições gerais de 23 de agosto, João Lourenço procedeu a exonerações de várias administrações de empresas estatais, dos setores de diamantes, minerais, petróleos, comunicação social, banca comercial pública e Banco Nacional de Angola, anteriormente nomeadas por José Eduardo dos Santos.