Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Coreia do Norte testa missil intercontinental e volta a assustar o mundo

Mundo

O líder norte-coreano, Kim Jong-Um continua a desafiar o mundo

JUNG YEON-JE / GettyImages

Sob a supervisão do líder Kim Jong-Un, o regime de Pyongyang realizou aquele pode ter sido o mais bem sucedido teste de um missil capaz de atingir... o Alasca

O "ensaio histórico" de um míssil Hwasong-14 foi supervisionado pelo dirigente norte-coreano Kim Jong-Un, anunciou uma apresentadora na televisão pública norte-coreana num noticiário especial.

O anúncio da Coreia do Norte surgiu depois da informação divulgada por Seul e Washington de que Pyongyang tinha lançado um míssil de médio alcance.

O teste pode ter sido o mais bem sucedido até à data para a Coreia do Norte. Um analista de armas considerou que o míssil pode ser suficientemente poderoso para chegar ao Alasca, nos Estados Unidos.

A Coreia do Norte tem aumentado nos meses mais recentes os seus testes com mísseis balísticos e pretende construir mísseis nucleares que possam alcançar território norte-americano, um registo que segundo os especialistas ainda permanece longínquo.

O programa nuclear e de mísseis norte-coreano constituem um dos mais importantes desafios de política externa que enfrentam os dois novos líderes, e aliados, em Washington (EUA) e Seul (Coreia do Sul).

Japão e EUA confirmam

O míssil lançado hoje pelo regime norte-coreano atingiu uma altitude superior a 2,5 quilómetros, informou o Ministério da Defesa japonês, e citado pela agência France Press.

"Estima-se que o míssil atingiu uma altitude bastante superior a 2,5 quilómetros, seguiu durante 40 minutos e caiu no mar do Japão, na zona económica exclusiva do arquipélago, a 900 quilómetros de distância do ponto de partida", disse o Ministério de Defesa em comunicado.

O comando das forças norte-americanas para o Pacífico confirmou que a Coreia do Norte realizou hojeum novo lançamento de míssil e indicou que se trata de um projétil de médio alcance.

Este míssil caiu no mar do Japão e não constitui uma ameaça para a América do Norte, disse o comando norte-americano em comunicado. "Continuamos a acompanhar de perto as ações da Coreia do Norte", acrescentou.

O lançamento foi realizado cerca das 09:40 (01:40 em Lisboa), a partir da província norte-coreana de Pyongyang Norte, segundo informação avançada pelo comando conjunto das forças armadas sul-coreanas, citado pelas agências internacionais.

Trump ataca

O Presidente norte-americano, Donald Trump, criticou o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, depois de o regime norte-coreano ter realizado hoje novo lançamento de míssil, segundo informação da Coreia do Seul.

"Será que este homem não tem nada melhor para fazer na vida", questionou Trump, num comentário publicado na sua conta da rede de mensagens instantâneas Twitter.

"Difícil acreditar que a Coreia do Sul... e o Japão vão continuar a aturar isto muito mais tempo", acrescentou.

Trump instou o grande aliado norte-coreano, a China, a "tomar uma posição forte em relação à Coreia do Norte e a acabar com este disparate de uma vez por todas".

Pequim apela à contenção

A China apelou hoje à "contenção" de todas as partes envolvidas e à resolução "pacífica" do problema norte-coreano após o anúncio do teste de um míssil balístico intercontinental de Pyongyang.

Pequim está "a recolher informações" sobre o míssil e instou a Coreia do Norte a "parar as ações que violem as resoluções do Conselho de Segurança da ONU", disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês Geng Shuang numa conferência de imprensa diária.