Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Terror volta a abalar Paris a três dias das eleições

Mundo

Benoit Tessier / Reuters

Um polícia morreu e dois outros ficaram feridos depois de terem sido atacados por um homem, alegadamente extremista identificado, em plenos Campos Elísios, em Paris. O Daesh já reivindicou a autoria do ataque

O Presidente francês, François Hollande, confirmou que um polícia morreu e dois ficaram feridos em num ataque nos Campos Elísios, em Paris, e afirmou que as pistas apontam para um caso de terrorismo.

"Estamos convencidos, as pistas que podem conduzir a investigação são de ordem terrorista", afirmou o Presidente.

Poucos minutos após Hollande ter classificado os ataques desta quinta-feira, no centro de Paris, nos Campos Elísios, como presumivelmente "terroristas", o autoproclamado Estado Islâmico reivindicou o a autoria dos acontecimentos, através do seu site de propaganda, o Amaq. De acordo com a publicação feita pelo grupo jihadista o autor do ataque foi um belga.

As autoridades afirmaram que o autor do ataque a agentes policiais nos Campos Elísios, em Paris estava identificado como extremista e referiram que o homem aparentemente atuou sozinho. E a procuradoria francesa anunciou ter aberto uma investigação de terrorismo ao ataque de nos Campos Elíseos e que agentes contra-terrorismo estão já envolvidos na investigação ao ataque desta quinta-feira.

O porta-voz do Ministério do Interior Pierre-Henry Brandet disse que um polícia foi morto e dois ficaram gravemente feridos no ataque. Esta informação contraria notícias anteriores de que um segundo agente policial teria morrido na sequência do tiroteio. Os agentes mataram o atacante.

A porta-voz da polícia, Johanna Primevert, disse que o atirador, ainda não identificado, parecia estar sozinho quando disparou contra um veículo da polícia, com uma espingarda Kalashnikov (AK47). O mesmo responsável relatou que o atacante se dirigiu aos agentes que guardavam a área próxima da estação de metro Franklin Roosevelt, pelas 21:00 locais (20:00 em Lisboa), no centro da avenida parisiense.D

De acordo com a publicação feita pelo grupo jihadista o autor do ataque foi um belga.

As autoridades apelaram à população para que evite a zona dos Campos Elísios, no centro da capital francesa, onde a circulação foi cortada pelas forças de segurança.

Uma testemunha ouvida por este canal televisivo relatou ter ouvido tiros, viu um homem no chão e a área foi rapidamente evacuada pela polícia.

A polícia apenas informou que há uma "intervenção em curso" no local, cheia de comércio e restaurantes, e pediu aos cidadãos para que "evitem a zona". Ao início da noite, havia muitos carros da polícia na avenida.

O ataque ocorre a três dias da primeira volta das tensas eleições presidenciais em França, em que a segurança é um dos temas em destaque, após vários ataques terroristas no país nos últimos anos.

O Presidente francês, Francois Hollande, agendou uma reunião de emergência com o primeiro-ministro, Bernard Cazeneuve, após o ataque.