Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O que se sabe sobre o ataque em Dortmund

Mundo

SASCHA SCHUERMANN /Getty Images

O autocarro do Borussia Dortmund foi atingido por três explosões quando a equipa alemã dirigia-se ao estádio para jogar a primeira mão os quartos-de-final contra o Mónaco na última terça-feira. Isto é o já se sabe sobre o incidente

Evandro Furoni

O que aconteceu?

O autocarro da equipa do Borussia Dortmund foi atingido por uma bomba às 19h15 do horário local (18h15 em Lisboa) quando se dirigia ao Signal Iduna Park, estádio do clube alemão. A equipa alemã jogaria a primeira mão dos quartos-de-final da Liga dos Campeões contra a equipa do Mónaco. A polícia alemã confirmou que ocorreram três explosões. O trajeto entre o hotel de onde o autocarro partiu e o estádio tem cerca de 10 km

Há vítimas?

Não há nenhuma morte confirmada pela polícia. Todavia, o central espanhol Marc Bartra feriu o pulso com os estilhaços dos vidros do autocarro causados pela explosão. O jogador foi operado e encontra-se bem. Um agente da polícia que seguia o autocarro de moto também foi ferido pelas explosões. Não foi divulgado o seu estado

O que causou as explosões?

As autoridades alemãs informaram que as bombas atiradas em direção ao autocarro eram artefatos explosivos potentes com fragmentos metálicos dentro. O alcance de cada bomba era de 100 metros. Segundo relatos, o veículo ficou seriamente danificado, mas a polícia informou que por sorte ninguém foi ferido pelos estilhaços das bombas.

Quem foi responsável pelo ataque?

As autoridades alemãs confirmaram nesta quarta que está a tratar o ataque como um "atentado terrorista com motivações islâmicas". Um homem com ligações a grupos terroristas foi preso e a polícia alemã está a procurar outro suspeito. Três cartas achadas próximas do local onde o autocarro foi atingido informavam que a ação estava relacionada com o Estado Islâmico.

A polícia também investigava a possibilidade de o atentado ter sido cometido por um grupo antifascista, insatisfeito com a postura do clube de repreender adeptos próximos da extrema direita alemã. A polícia acha pouco provável essa possibilidade.

Qual foi o motivo?

De acordo com as cartas achadas perto do local do ataque, as bombas foram atiradas em resposta à missão alemã na Síria e aos ataques alemães em regiões controladas pelo Estado Islâmico. A carta começa com referência a "Alá, o clemente, o misericordioso" e exige a retirada dos caças-bombardeiros da Turquia e o fecho de uma base aérea americana em território alemão.

E o jogo?

A UEFA cancelou o jogo na terça-feira e a partida será disputada nesta quarta às 17h45 (horário de Lisboa). A segurança no estádio foi reforçada e os agentes de seguranças também procuraram bombas dentro do estádio. A polícia pediu para que os adeptos que fossem ver o jogo chegassem com antecedência.

Qual foi a reação aos ataques?

Os adeptos do Mónaco no Signal Izuna Park foram aplaudidos ao gritarem o nome da equipa alemã assim que surgiram as primeiras notícias sobre o ataque. Pelo lado alemão, um campanha difundida pelas redes sociais pedia para que moradores da cidade de Dortmund recebessem adeptos do Mónaco que não tinham onde ficar na cidade.

O mundo do futebol também mostrou o seu apoio a Marc Bartra. Jogadores, técnicos e equipas usaram as redes sociais para desejar a recuperação do defensor. O Barcelona, equipa em que Bartra começou a carreira, escreveu "Todo o nosso apoio ao Bartra, ao Borussia e seus adeptos", na rede social Twitter.