Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Crianças refugiadas na Suécia estão a cair num estado parecido com o coma e pode ser por medo da deportação

Mundo

LOUISA GOULIAMAKI/ Getty Images

As autoridades suecas estão a tentar perceber o que passa com as crianças no país, aparentemente só as refugiadas, depois de 60, só no ano passado, terem entrado numa espécie de estado de coma

Num momento são crianças saudáveis, no outro caem num estado semelhante ao coma. O que muitas, pelo menos, têm em comum é que entre um instante e o outro receberam a notícia da deportação iminente. As autoridades crêem estar perante a "síndrome da resignação", que as deixa, na descrição da publicação médica Acta Pædiatrica, "totalmente passivas, imóveis, sem tónus, alheadas, mudas, incapazes de comer ou beber, incontinentes e sem reação a estímulos físicos ou dor".

As crianças ficam incapazes de se deslocarem e até se de alimentarem, tendo de receber a comida através de uma sonda. Vários testes têm demonstrado, no entanto, que não sofreram qualquer lesão cerebral.

A "uppgivenhetssyndrom" parece só afetar a população refugiada e a New Yorker lembra que um fenómeno semelhante foi observado nos campos de concentração nazi, entre os prisioneiros que tinham perdido toda a esperança.

Os médicos acreditam que o fenómeno se trata de uma manifestação do medo de terem de voltar aos seus países de origem, uma teoria reforçada pelas melhoras registadas meses depois de a família obter autorização para permanecer na Suécia.