Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Bana, a menina de Aleppo, está bem 

Mundo

Reprodução Facebook

O "silêncio" da menina de sete anos que emocionou o Twitter com os seus relatos da guerra na Síria gerou uma onda de preocupação, mas, além de a sua conta já ter reativada, o pai confirmou à agência France Press que Bana Alabed está bem

"Olá, eu sou a Bana e sou uma menina de sete anos. Eu e a minha mãe publicamos tweets em direto da zona Este de Aleppo. A conta é gerida pela mãe". Bana apresenta-se assim no Twitter, onde, desde 23 de setembro, começou a partilhar a sua vida "com o mundo".

Tornou-se popular por contar os seus dias num país em guerra - atualmente tem 216 mil seguidores -, relatando vários detalhes, como facto de estar doente e não ter medicamentos. Na noite de domingo, 4, no entanto, partilhou um tweet onde contava que a sua casa estava a ser atacada e que tinham de sair.

Desde então, a conta ficou desativada, levando os seus seguidores a unirem-se com a hashtag #WhereIsBana (onde está Bana). Mas às 12h11 minutos de terça-feira a menina voltou a publicar: "Olá, meus amigos, como estão? Eu estou bem. Estou a ficar melhor mesmo sem medicamentos e com demasiadas bombas. Tenho saudades", escreveu a menina.

Numa conversa telefónica com a Agência France Press, o pai de Bana, Ghassan Alabed, confirmou que a casa foi destruída por um bombardeamento, mas adiantou que toda a família está bem. "A rede de internet é muito fraca", acrescentou.

Há três semanas que a tensão tem vindo a aumentar com o cerco das forças de al-Assad, juntamente com forças russas, às zonas a oriente da cidade anteriormente controladas por rebeldes.

Esta conta foi criada por Bana e pela mãe, Fatemah, a 23 de Setembro deste ano e tem 215 872 seguidores que deram de tal forma expressão à conta que geraram uma onda de solidariedade online incrível para com esta menina.

  • Menina de Alepo em fuga

    Mundo

    Bana Alabed, a rapariga síria que, com a ajuda da mãe, abriu uma conta no Twitter para contar o seu desespero ao mundo, ficou sem casa nos últimos bombardeamentos naquela cidade síria