Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Quem são os combatentes do Daesh? Letrados e desempregados de países ricos

Mundo

  • 333

Estudo do Banco Mundial analisou os perfis de 3803 pessoas que se alistaram no grupo terrorista. E concluiu que a maioria tem um alto nível de escolaridade e vem de países desenvolvidos com altas taxas de desemprego

A análise aos perfis de 3803 combatentes do Estado Islâmico e de mais de 22 mil documentos, angariados pelos serviços secretos alemãs junto de um desertor do ISIS, levaram o Banco Mundial a concluir que a maioria dos jovens de 86 países que viajaram para a Síria e para o Iraque entre 2013 e 2014 para se juntarem àquela organização terrorista têm um alto nível de escolaridade e famílias que não passam dificuldades financeiras.

O estudo concluiu que só 15% destes jovens tinha abandonado a escola antes do secundário e que a percentagem de analfabetos não chegava aos 2%. A esmagadora maioria – 69% - tinha concluído o ensino secundário e um quarto do total tinha estudado em universidades, tendo pelo menos uma licenciatura.

Ao comparar o nível educativo dos jovens alistados com o da população entre os 20 e os 35 anos dos seus países de origem, o estudo chegou à conclusão de que enquanto não havia discrepâncias entre uns e outros na Europa e na Ásia Central, entre os que vinham do Médio Oriente, do Norte de África e do sul da Ásia os combatentes eram “significativamente mais letrados” do que a maioria dos jovens dos seus países.

Através dos formulários que estes jovens preenchem quando são integrados no Estado Islâmico, os investigadores do Banco Mundial conseguiram perceber que à pergunta sobre que cargo desejavam ocupar no ISIS, a proporção dos que elegerem tarefas diretivas ou de terroristas suicidas aumentava com a educação.

O relatório do Banco Mundial, instituição financeira que dá empréstimos a países em desenvolvimento, realça que os resultados estão em linha com estudos anteriores que já indicavam que o terrorismo não é influenciado ou motivado pela pobreza ou por baixos níveis de escolaridade. Os países mais ricos são, afinal, os que mais fornecem combatentes ao ISIS. O relatório do Banco Mundial alerta que, por outro lado, há uma forte relação entre a taxa de desemprego masculino de um país e a sua propensão para ser fonte de combatentes do Estado Islâmico. Por essa razão, o Banco Mundial sugere que alguns Estados passem a integrar nas suas políticas anti-terroristas políticas de criação de emprego entre as pessoas com maiores níveis de escolaridade.

  • A menina que fintou o Estado Islâmico

    Mundo

    Farida Khalaf, da etnia iazidi, foi raptada pelos guerrilheiros do daesh e vendida como escrava sexual. Aguentou quatro meses num acampamento militar às mãos da brutalidade destes homens, até que conseguiu fugir. Numa conversa exclusiva com a VISÃO, recorda os tempos no inferno e como hoje tenta sobreviver ao estigma da violação e seguir em frente

  • Afinal, o que quer o Daesh?

    Bolsa de Especialistas

    O que o Daesh quer, e adoraria ver, é a divisão entre os europeus. A divisão entre xiitas e sunitas. A divisão entre nações inteiras; um crescendo de islamofobia, xenofobia, e o abandono dos refugiados à porta da Europa

  • O que quer afinal o Daesh?

    Bolsa de Especialistas

    Passada uma semana sobre os ataques em Paris na sexta-feira 13 que mais negra ficará na História Contemporânea interessa perceber como as nossas reações são muito do que possivelmente o Daesh deseja