Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Divulgadas fotos de bebés a dormir em caixas de cartão num hospital da Venezuela

Mundo

  • 333

Imagens de recém-nascidos terão sido captadas por funcionários hospitalares e foram depois partilhadas nas redes sociais pela oposição ao presidente Nicolás Maduro

Rui Antunes

Rui Antunes

Jornalista

A oposição ao regime de Nicolás Maduro, Presidente da Venezuela, divulgou imagens de recém-nascidos a dormirem em caixas de cartão, no Hospital Dr. Domingo Guzmán Lander, na cidade de Barcelona, no estado de Anzoátegui.

As fotografias terão sido tiradas por pessoal médico do hospital e enviadas a membros do movimento oposicionista Mesa da Unidade Democrática (MUD), que depois as partilharam em várias contas na rede social Twitter.

O diretor da MUD para os direitos humanos, Manuel Ferreira, um dos denunciantes, mostrou-se indignado com a falta de condições para os recém-nascidos, salientando que "as caixas não têm um nível de assepsia suficiente para assegurar que não há micróbios nem bactérias e expoem os bebés a doenças".

Através do responsável máximo pela Segurança Social, Carlos Rotondaro, o Governo "reconhece as falhas" e promete levar à justiça o funcionário que tirou as fotografias "sem autorização".

A escassez de incubadoras é apenas um dos muitos problemas com que se debatem os hospitais na Venezuela. Um estudo recente da Federação Farmacêutica da Venezuela concluiu que o material clínico disponível é 80% inferior ao necessário e o presidente da Federação Médica da Venezuela, Douglas Léon, garante que em alguns casos os hospitais só dispõem de "5% dos meios que precisam". Estima-se ainda que 13 mil profissionais da saúde emigram nos últimos quatro anos em busca de melhores condições de vida, acompanhando o fluxo migratório que tomou conta do país com a maior produção de petróleo do mundo.

  • Venezuela: portugueses em fuga

    Mundo

    Não há medicamentos, nem comida, nem segurança. A moda dos “sequestros expresso” tornou toda a gente alvo dos criminosos. Um bilhete de avião custa 53 salários mínimos, mas cada vez mais gente quer abandonar a Venezuela. “É o país mais inseguro do mundo", diz à VISÃO Juan Cárdenas, que deixou a sua terra para viver em Portugal, onde se pode "sair à rua"