Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Medo dos atentados volta a Nova Iorque em vésperas da Assembleia Geral da ONU

Mundo

  • 333

Stephanie Keith / GettyImages

Nova Iorque e o estado vizinho de Nova Jersey voltaram, este fim-de-semana, a viver o medo dos atentados. Na última madrugada, as autoridades encontraram uma mochila com cinco explosivos no caixote do lixo

Pelo menos cinco engenhos explosivos foram encontrados numa mochila num caixote do lixo na cidade norte-americana de Elizabeth, em Nova Jersey, de acordo com o presidente da câmara Chris Bollwage

A mochila foi encontrada por dois homens numa lixeira perto de uma estação. Ao verem fios e um tubo, os homens decidiram alertar as autoridades. Junto aos explosivos não foram encontrados telefones ou dispositivos eletrónicos com relógio, informou Bollwage, citado pela imprensa norte-americana.

Um dos engenhos foi detonado pelas autoridades esta madrugada, que tentam agora desativar os outros quatro.

Já no sábado tinha explodido um artefacto num caixote de lixo em Nova Jersey, horas antes da explosão em Nova Iorque que feriu pelo menos 29 pessoas.

O artefacto responsável pela primeira explosão em Nova Jersey (um estado vizinho de Nova Iorque) estava programado para detonar à passagem de uma corrida solidária pelo local, mas a partida foi atrasada.

Feridos de explosão em Nova Iorque já tiveram todos alta​

As 29 pessoas que ficaram feridas na sequência da explosão de uma bomba no sábado em Nova Iorque já tiveram alta do hospital, afirmou o presidente da câmara daquela cidade norte-americana.

"Não conhecemos as motivações, não sabemos a sua natureza [do ataque]", afirmou Bill de Blasio, no domingo, em conferência de imprensa, citado pela Agência France Presse.

Segundo o autarca ainda não foi possível perceber-se se o ataque teve natureza pessoal ou política.

O engenho explodiu por volta das 08:30 locais de sábado em Chelsea, um dos bairros mais elegantes de Manhattan. Uma segunda bomba que não chegou a detonar foi encontrada nas proximidades, disse fonte policial.

De acordo com Andrew Cuomo, governador do estado norte-americano, tratou-se de um ato de terrorismo sem qualquer aparente ligação internacional.

"Uma bomba a explodir em Nova Iorque é, obviamente, um ato de terrorismo, mas não está relacionado com terrorismo internacional. Ou seja, não descobrimos qualquer relação entre a explosão e o grupo Estado Islâmico (EI)", disse Andrew Cuomo, numa alusão ao grupo extremista com bases no Iraque e na Síria.

"Mas a explosão de uma bomba é, grosso modo, uma atividade terrorista. É assim que vamos considera-la e processá-la", acrescentou.

"Iremos descobrir quem quer que tenha colocado os engenhos e levá-los-emos à justiça", disse Andrew Cuomo, depois de mostrar o local onde ocorreu a explosão.

O governador disse ainda que é "cedo" para falar sobre a investigação uma vez que não há indícios de ligações a terrorismo internacional.

A explosão ocorreu nas vésperas da Assembleia Geral das Nações Unidas, pelo que foram mobilizados mais 1.000 polícias "por precaução", sublinhou o governador.

Entretanto, os investigadores não encontraram qualquer ligação entre a explosão em Nova Iorque e um ataque com arma branca no Minnesota, com oito feridos, ocorridos ambos no sábado.

"Até ao momento não há nenhuma prova que sugira uma ligação" entre os dois ataques, disse o chefe da polícia de St. Cloud, no norte do estado do Minnesota, William Blair Anderson, em declarações à estação de televisão CNN.

O ataque com arma branca, que ocorreu num centro comercial, foi reivindicado pelo autoproclamado Estado Islâmico. A explosão em Nova Iorque não foi reivindicada.