Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Estas podem ser as autoestradas do futuro, e o primeiro troço já foi inaugurado

Futuro

Primeira experiência é feita com camiões de mercadorias amigos do ambiente, sem consumo de gasóleo nem emissões de dióxido de carbono

Rui Antunes

Rui Antunes

Jornalista

O conceito não é muito diferente do que é aplicado nos elétricos, mas nunca se tinha visto um camião a circular na via pública com energia fornecida através de cabos de eletricidade. Livre de emissões de dióxido de carbono e sem gastar uma gota de combustível - a não ser quando se separa dos cabos para realizar uma ultrapassagem, uma impossibilidade para elétricos sobre carris.

Apesar de estar em andamento um projeto semelhante nos Estados Unidos, foi na Suécia que esta semana começou a funcionar o primeiro troço de estrada elétrica no mundo. Ao longo dos próximos dois anos, dois camiões híbridos, devidamente concebidos para o efeito, vão testar esta solução rodoviária num percurso de dois quilómetros. O projeto enquadra-se no objetivo do Governo sueco de desenvolver até 2030 uma rede de transportes independente dos combustíveis fósseis, como o petróleo e o gás natural.

"A maior parte dos bens na Suécia são transportados por estrada e só uma pequena parte pode ser desviada para outros meios. É por isso que temos de libertar os camiões da sua dependência de combustíveis fósseis, de modo a que possam ser usados no futuro. As estradas elétricas oferecem essa possibilidade", afirmou Anders Berndtsson, da Administração de Transportes da Suécia, o organismo governamental com a responsabilidade de gerir a rede de transportes.

Este sistema desenvolvido pela alemã Siemens permite que os camiões se liguem e desliguem dos cabos elétricos com facilidade. Um scanner no veículo deteta quando este circula por baixo da estrutura e, imediatamente, é acionado o mecanismo no teto que permite a conexão aos cabos. Depois, o encaixe em si pode ser feito de forma automática ou por opção do condutor.

A velocidade máxima atinge os 90 quilómetros por hora e, no caso de ser necessário ultrapassar um veículo mais lento, basta baixar o mecanismo de ligação aos cabos antes de mudar de faixa. Nestas circunstâncias, o camião consome combustível, mas assim que volta à via da direita e encaixa de novo nos cabos elétricos deixa de o fazer.