Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Os seis resistentes que seguram Bruno de Carvalho

Futebol

José Carlos Carvalho

O Conselho Diretivo do Sporting já perdeu vários elementos, mas há um sexteto que se mantém irredutível no apoio ao líder do clube. São os homens do presidente: enquanto não saírem mais dois, a direção não cairá por falta de quórum

Rui Antunes

Rui Antunes

Jornalista

Bruno de Carvalho tem resistido na presidência do Sporting e já se percebeu que, no que depender de si, jamais se renderá à pressão externa e interna para se demitir.

Esta quinta-feira à noite, após uma reunião dos órgãos sociais do clube que se estendeu por cerca de três horas, Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia-Geral, decidiu avançar para a marcação de uma reunião magna de sócios, a 23 de junho, tendo em vista a destituição de Bruno de Carvalho. Embora já ameaçada de impugnação pela direção leonina, será uma das vias para fazer cair o presidente. Outra seria a falta de quórum, que passou a estar em cima da mesa em resultado da onda de demissões que deixaram a cúpula diretiva refém de mais dois abandonos.

Para tal não acontecer, é necessário que quatro elementos do Conselho Diretivo mantenham o apoio a Bruno de Carvalho. Por enquanto, são seis os homens do presidente, o que dá ainda uma pequena folga ao líder leonino. Não bastará que mais um abandone o barco. Para a direção cair, terão de ser mais dois a abdicar do cargo que ocupam. Eis os seis resistentes:

Carlos Vieira

Vice-presidente para a área financeira, o número dois da estrutura diretiva é o homem das contas, o cérebro por trás das operações que desanuviaram a pressão da dívida e permitiram avultados investimentos, não só no futebol mas também nas restantes modalidades, em anos recentes. Está desde a primeira hora com Bruno de Carvalho (27 de março de 2013), sempre no polo oposto ao do presidente no que respeita à exposição mediática, privilegiando a discrição e o trabalho de gabinete. Licenciado em Administração e Gestão de Empresas pela Universidade Católica (1996), é também ele, enquanto administrador da SAD leonina, quem a representa nas relações com o mercado. Antes da chegada a Alvalade, trabalhou em empresas como a PriceWaterhouse, Vodafone Telecel ou Media Capital, sempre na gestão financeira.

Rui Caeiro

Além de integrar a direção do clube desde a tomada de posse em 27 de março de 2013, na qualidade de vogal responsável pelas modalidades que não o futebol, é administrador da SAD, da Sporting TV e da Fundação Sporting. Licenciado em Gestão e Engenharia Industrial pelo ISCTE, assume também o papel de representante leonino na Liga de Clubes de futebol.

José Quintela

É o homem da comunicação. Cargo: vogal do Conselho Diretivo para a Comunicação, Marca e Reputação. Com papel ativo na criação da Sporting TV, tem sido o diretor do Jornal Sporting desde que Bruno de Carvalho assumiu a presidência.

Alexandre Godinho

Ex-assessor jurídico na Fundação Aragão Pinto, à qual Bruno de Carvalho presidiu antes de assumir os destinos do Sporting, o advogado é vogal da direção com o pelouro do património. Pelos seus conhecimentos na área, presta apoio jurídico aos seus pares.

Luís Gestas

Começou como membro suplente da direção, mas subiu a vogal neste segundo mandato de Bruno de Carvalho. Dentro das modalidades extra futebol, é responsável pelo desporto paraolímpico. Militante socialista, tem sido pressionada para se demitir, mas mantém-se ao lado do presidente.

Luís Roque

Vogal para a área da Expansão, tem a seu cargo o projeto de criar novas academias do Sporting no plano internacional, em mercados que podem trazer benefícios para o clube para além da deteção de talentos, nomeadamente a nível de patrocinadores e parcerias de investimento. A organização do congresso The Future of Football também faz parte das suas responsabilidades.